domingo, 18 de abril de 2010

banquete


o verso
alimenta-se com a sua fome;
o poema
sacia-se com a própria sede.

eis porque
escrevo o teu corpo com cerejas
(mordo-as até ao fim);
e contorno o teu nome com água
(bebo-a para permaneceres em mim).

27 comentários:

  1. Que belo banquete, saciar um pouco de cada fome, beber na fonte o mel. Eu li o poema e lembrei daquela canção dos Beatles que não fala de cerejas e sim morangos e eternos.
    abraço

    ResponderEliminar
  2. Strawberry Fields. Linda!
    Abraço, Assis!

    ResponderEliminar
  3. Assis, assim não vale, porque ao ler este poema pensava em morangos, :-)!
    Jorge:
    continua a mordiscar, com calma!
    Beijos
    Laura

    ResponderEliminar
  4. Olá!

    É um prazer revê-lo após alguns anos. Confesso que, inicialmente, não o reconheci, embora achasse que me era familiar.
    Provavelmente não se lembra de mim... Fui sua estagiária na Escola de Viatodos, no ano lectivo de 98/99, juntamente com a Sónia, a lúcia e a Paula.
    Agora que sei da existência deste blog e aprecio o modo como escreve, certamente serei visita assídua.

    Até breve.
    Isabel Santos

    ResponderEliminar
  5. morangos, cerejas, mesmo ameixas ou mangas... a todos estes frutos um denominador comum: a frescura da primavera a escorrer pela boca. impossível não mordiscar, amiga.

    obrigado pela simpatia das palavras, lírica!
    beijinho para ambas!

    ResponderEliminar
  6. lembro, com certeza, Isabel. Não há um professor em formação com quem tenha trabalhado de que me não recorde... inevitavelmente, fui perdendo o rasto à maioria deles, pelo que estes reencontros têm tanto de inesperado quanto de gratificante. fico muito feliz por ter passado por cá e, sobretudo, por ter acenado.
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  7. eu adoro frutos desde os vermelhos, até aos amarelos, roxos ou verdes, desde que sejam doces e sumarentos! :)

    ResponderEliminar
  8. Simples e intenso...como o desabrochar das flores!

    Abraço

    ResponderEliminar
  9. Também eu, Andy, sobretudo quando deslizam pelos lábios do verão.
    Um beijinho!

    Obrigado pela leveza do comentário, Juan.
    Um abraço!

    ResponderEliminar
  10. rapaz,
    você está cada vez melhor. e, pode ter certeza, jorge (por mais que eu esteja enganado... e que esteja lendo aqui versos concebidos num passado), dá uma imensa alegria vê-lo crescer, verdejante, florescendo diante dos nossos olhos.

    homem-árvore.
    um poeta em flor.

    falar novamente de minha admiração por você é chover no molhado.

    chovo!

    ResponderEliminar
  11. Não, Amigo Roberto, estes textos são actuais. Tenho um livro de poesia publicado em 2007 (A-Simetria das Formas: O Espelho e o Reflexo) que percorre vários anos em que deambulei por um território que fica a meio caminho entre a poesia e as reflexões em prosa poética. Hoje não me revejo totalmente no que lá está, mas vejo-o como uma etapa no processo de maturação.
    Mas, no essencial, tudo apenas me faz sentido...porque há pessoas como tu que actualizam o que escrevo e lhe conferem o(s) sentido(s). Sei que entendes o que se pretende com isso dizer...

    Um abraço, Amigo do Mundo!

    ResponderEliminar
  12. "o verso
    alimenta-se com a sua fome;
    o poema
    sacia-se com a própria sede."

    a mim basta-me a amizade. a tua, por exemplo.

    Beijinho, Márcia!

    ResponderEliminar
  13. Belíssimo!

    Tenha uma semana de luz...

    Beijo

    ResponderEliminar
  14. Adoraria ler A-Simetria das Formas: O Espelho e o Reflexo !
    bjinho Jorge :)

    ResponderEliminar
  15. bonito.
    também gosto de fruta suculenta, mas sem ser ácida (porque ácida só mesmo com sal).
    beijinho

    ResponderEliminar
  16. Também eu prefiro a fruta suculenta, Em@, mas então se for chocolate... ai, perdição...
    Beijinho para ti e para a Karla, agradecendo a ambas terem feito escala neste pequeno porto de mar.

    ResponderEliminar
  17. Teria um gosto enorme em to oferecer, Gisele. Diz-me apenas como proceder.
    Beijinho!

    ResponderEliminar
  18. cerejas, são um colar de rubis que ao coração coloco, mas é na boca que morro quando lhe coloco a boca!! quem não poderá de gostar de cerejas?? eu gosto, imenso imenso, e o poema aqui veste-se com o verso, e assim nasce a cereja... e vermelho fica o corpo interno que na memória não se perderá...

    ResponderEliminar
  19. "colar de rubis que ao coração coloco, mas é na boca que morro quando lhe coloco a boca".
    As cerejas perdem a cor e o sabor na cesta onde espalhas as tuas palavras.
    Beijinho!

    ResponderEliminar
  20. Jorge
    Sendo assim, ficaria muito feliz em receber um presente tão valioso. Vc mandaria em formato digital, pois existe um oceano que nos separa... :)
    Meu e-mail giselefreirefotografia@gmail.com
    Grande abraço
    Gi

    ResponderEliminar
  21. "o verso
    alimenta-se com a sua fome;
    o poema
    sacia-se com a própria sede."

    a mim basta-me a amizade. a tua, por exemplo.

    Beijinho, Márcia!

    (...) O que mais posso dizer, senão, obrigada!


    "Nesta nau de poesia, o melhor das viagens, é que ora noite ou dia, haverá sempre um porto, de braços abertos, indeferente ao barco, iate ou canoa, desta proa, jamais vou deixar de buscar o meu cais..." (m.c.l.m)

    ResponderEliminar
  22. jorge não conseguiu postar no poema "Premonição Vã", que é lindo demais.

    e ficou ainda melhor com memórias de um beijo.
    tenho que ir à reunião dos trovante... preciso ir.

    vamos?

    abração,
    r.

    ResponderEliminar
  23. Vamos, Amigo! Falo com a Laura e vamos por aí fora, que dizes?
    Um abraço!

    ResponderEliminar
  24. Ah, Jorge... delícia de sentidos. São eles que eternizam o sentimento, que continua lá a vibrar, mesmo quando não resta nada além daquele sabor inesquecível na ponta da língua.

    Excelente, do jeito que eu gosto de mastigar.

    Beijoca

    ResponderEliminar