terça-feira, 8 de junho de 2010

à espera do milagre

pela manhã,
o calor humedecia-nos a boca
com o leite de figos
enquanto ao redor
o campo e a cidade ardiam nas mãos.

à tarde,
enfiámos a cabeça na boca do leão,
como se as janelas
abrissem sempre para a foz do medo
(o insecto ainda foge do químico?).

à noite,
desprendemos a língua
e erguemos a nossa babel.
os lábios para sempre encostados
ao lusco-fusco da pedra anónima
algures entre o grito e o silêncio
de todos os beijos que não soubemos dar.

nem a noite chorou...

Fotografia de José Figueira [Feira de Avis]

42 comentários:

  1. Medos, desejos, toques e olhares..
    é certo de que dá medo, mas é natural ter um fio de esperança no meio do caminho !

    ResponderEliminar
  2. jorgíssimo,
    tenho em minha casa, presente de minha cunhada portuguesa (meu irmão é casado com uma ribatejana) uma garrafa do genuíno "licor de merda de cantanhede"...
    segundo rótulo, feito com matéria prima das melhores procedências...

    este sim, dá medo...rs

    ResponderEliminar
  3. sabores e licores dos mais variados, bocas que urgem e beijos que surgem entre os roubados instantes,

    abraço

    ResponderEliminar
  4. o fio de esperança jamais morrerá, sarah. daí o título: "à espera do milagre".
    um beijinho! é sempre bom sentir-te por aqui.

    ResponderEliminar
  5. robertílimo, conheço muito bem o "licor de merda", mas não exactamente a sua composição :-). quero acreditar que o nome é apenas marketing, hihihi!
    cá em braga há uma casa centenária - o bananeiro - que vende todo o tipo de licores. é um regalo para os sentidos. no dia 24 de dezembro, ceia de natal, centenas de pessoas concentram-se na rua do souto à sua porta para comprarem garrafas de ginjinha, beberem e confraternizarem antes do bacalhau abençoado. uma delícia!
    um abraço, amigo!

    ResponderEliminar
  6. licores, sabores, bocas, beijos... de que mais precisa o ser humano, assis? de quê?
    um abraço!

    ResponderEliminar
  7. será que também se arranja a mezinha para o pecado cris? :). onde? eu quero!...
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  8. Poesia simplesmente encantadora, meu querido Jorge!
    Leio, releio e leio outra vez, mas ainda é pouco...

    ..."como se as janelas abrissem sempre para a foz do medo"...
    É para onde se abrem as janelas: para a foz do medo... Todas as minhas janelas se abrem nessa direção. Ai!

    Fico sempre muito impressionada com o domínio que você exerce sobre as palavras! E neste lindíssimo "À espera do milagre" não é diferente: hipnotiza todas elas que, rendidas ao seu poder, vão, uma a uma, procurando o lugar mais adequado, mais exato, mais indiscutível e ali permanecem, prestando-lhe obediência absoluta!
    Você é um mago, amigo!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. ai, querida amiga, que me fazes sentir tão pequenino com a imensidão das tuas palavras... obrigado pelo teu carinho sempre presente!

    ResponderEliminar
  10. Jorge, tens realmente uma habilidade especial e encantadora com as palavras, talvez por isso eu as sinta tecendo rendas...
    fiquei aqui pensando sobre as janelas abertas para a foz do medo...(sempre será?)
    parece-me que sim, que os horizontes que nos esperam (ou pelos quais ansiamos), estão sempre ao fundo, na parte distante da paisagem da janela, alcançá-los ou ao menos buscá-los, requer a coragem de sair da caverna e enfrentar a foz do medo que se pulveriza sobre nós...inda bem que não somos insetos

    lindeza de poema!

    um beijo com muito carinho pra ti

    ResponderEliminar
  11. jorgim,
    viu que turma bonita estamos reunindo...
    fico com vontade de abraçar todo mundo... e sair cantando por aí...

    um dia nos encontramos, todos.

    e vai ser lindo.

    ResponderEliminar
  12. "Nem a noite chorou...", mas certamente se encantou com esse belo poema...:)

    Pena são "os beijos que não soubemos dar".
    Será que ainda conseguimos recuperar o tempo perdido?...Nem sempre, não é amigo?

    Parabéns Jorge, é sempre um grande prazer te ler.

    Um beijo afetuoso

    Cid@

    ResponderEliminar
  13. Meu caro como sempre você dançando em versos com as palavras...

    Belíssimo poema

    Bela foto

    abraço

    ResponderEliminar
  14. Fiquei deslumbrado não só com seu blog, como também pelas suas postages, maravilha!!!
    Conheça os meus em:
    www.congulolundo.blogspot.com
    www.queriaserselvagem.blogspot.com

    Um abração do tamanho do mundo.

    ResponderEliminar
  15. querida amiga andrea, tantas são as janelas, infinitos os horizontes e a sua diversidade paisagística. por que razão tendemos, então, a fixar-nos apenas naqueles que se abrem, com e sem vidros, para a foz do medo, para o interior da gruta ou para o fundo do mar?... é que nem a noite consegue, num laivo de compaixão e no maior sintoma de incompreensão, soltar uma lágrima...
    um beijinho! é sempre especial sentir-te por aqui.

    ResponderEliminar
  16. robertílimo, a turma é fantástica!
    há tanto que nos aproxima... já só falta mesmo fazê-lo com o poema em pele... e churrasco! :) tu, como guru e guia espiritual, tens a responsabilidade de dar o primeiro passo; eu, como acólito, segui-te-ei (hehe).
    um abraço!

    ResponderEliminar
  17. cid@, senhora das palavras meigas, nem sempre o tempo perdido é recuperado. o tempo é um ser enganador. chega mesmo a ser cínico ao ponto de permitir, por vezes, a ilusão de ser recuperado por aqueles que o perderam; nenhum presente é mais envenenado, porque raramente as coisas se projectam da mesma forma em tempos diferentes. o tempo em que tudo é mais próximo da perfeição? o da memória!
    beijinho, querida (apare)cid@!

    ResponderEliminar
  18. caro juan, como sempre, as borboletas bailam no dorso das tuas palavras. obrigado, mesmo!
    um abraço!

    ResponderEliminar
  19. jorge, sê bem-vindo! já tive a oportunidade de retribuir tão simpática visita.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  20. Os três ultimos versos são fantásticos... Apetece "Roubar-te"... :)
    Bj

    Tens alguma coisa da Ana Salomè ?

    ResponderEliminar
  21. de todos os beijos que não soubemos dar.

    para onde será que vão os beijos não dados? :)

    ResponderEliminar
  22. magnólia, ao sorriso franco de uma amiga acena-se com outro: :-)
    se tenho algum acoisa da ana salomé? ela é uma das pessoas que mais admiro na vida da escrita mas também na escrita da vida. apesar da grandiosidade da sua poética, é alguém de uma simpreza arrebatadora. tive a oportunidade de a conhecer há cerca de seis anos quando com ela privei na universidade do minho e desde aí estabelecemos uma relação de amizade que permanece. tive o privilégio de apresentar os seus dois livros de poesia e a honra de que apresentasse o meu primeiro, de resto prefaciado por si. daí para cá, fui seguindo a sua construção em blogues e noutras publicações em que participou (uma antologia de poesia com outros autores, da fnac, em 2009, por exemplo). basicamente, tenho muita coisa dela, e se mais houvesse... caso precises, diz-me que faço-to chegar.
    um beijinho, flor do blogue!

    ResponderEliminar
  23. "de todos os beijos que não soubemos dar.
    para onde será que vão os beijos não dados? :)"

    soubesse eu, vanessa, e seguramente não estaria aqui sentado diante do monitor a esta hora... :-)
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  24. Gosto muito de tudo o que ela escreve...leio o blog dela....mas não tenho nada... nenhum livro para tocar... e cheirar...depois ler
    Bj

    ResponderEliminar
  25. Rapaz, bebi de vários de seus licores, me embriago em seus versos, que tentação o que escreves! Perfeito! ;)

    Beijo.

    ResponderEliminar
  26. Eu leio esse poema como a descrição de um ciclo que certamente não tem só vinte e quatro horas. A apreensão diante de algo que se sabe desmaiando, fugindo das mãos por ter multiplicado o seu peso. Estou errado em supor a última estrofe como o reduto da incomunicabilidade, a pena diante de algo que não era necessário, mas se faz inevitável? A aurora fará arder em retorno o campo e a cidade? Ah, a minha mania de buscar o sentido! Seja como for, as palavras e as sensações esplendem em sons e texturas no seio da melancolia.

    Grande abraço!

    ResponderEliminar
  27. mas julgo que consegues arranjar, magnólia. "anáfora" é da pena perfeita e "odes" da canto escuro. tens ainda a antologia de que te falei da fnac. se precisares que te arranje diz.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  28. o melhor dos licores é justamente o que é servido na garrafa da partilha. para mim, aqui neste blogue, nenhum outro se compara à presença dos amigos. obrigado, lara!
    um abraço!

    ResponderEliminar
  29. pois, se não tens visão raio-x, caro marcantónio... desnudas, com palavras, o que o poeta procura ocultar com palavras, acabando por elas ser traído. num momento tratei-te por "arquitecto verbal". não me engano, de todo.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  30. "algures entre o grito e o silêncio
    de todos os beijos que não soubemos dar." *-*



    a saudade,
    e a esperança de que um dia seja diferente *--*

    ResponderEliminar
  31. Traz o vinho(do porto)que a gente se ajeita no sopro...

    Até breve.

    ResponderEliminar
  32. essa esperança está sempre viva, verdade, sylvia? é, afinal, a esperança de que um dia seja esse dia... mesmo que saibamos que o sol brilha sempre com uma intensidade diferente...
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  33. levo o vinho do porto, sim (por acaso disse ao amigo roberto que levaria o alentejano :)); o sopro surgirá com a naturalidade com que o vinho endeusa os homens.
    um beijo, cris!

    ResponderEliminar
  34. Bela construção, Jorge! Seus textos surpreendem.

    Beijos

    ResponderEliminar
  35. triste são os beijos jamais dados...

    Pecado mortal

    ResponderEliminar
  36. obrigado, lou! a capacidade de nos surpreendermos é uma das que desejo jamais se venham a perder...
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  37. tristes são os beijos jamais dados... e alguns arrancados.
    um abraço, aryane!

    ResponderEliminar
  38. "Nem a noite chorou..."

    Porque ela dorme, intacta!


    Ps: Tomei posse ontem de um pedaço de vc, o qual tocou-me profundamente...
    Obrigada pelo livro, em tempo, vou lê-lo cuidadosamente... e a dedicatória, 10/02 data especial, coincidência?

    beijos querido amigo poeta!

    Vês? Em algum lugar há sem dúvida, um cais de porto...

    ResponderEliminar
  39. que bom que recebeste, amiga márcia! como te disse, é um livro que marca um período da vida da minha escrita; talvez não vejas aquele que hoje sou nesse livro, inteiramente. boa leitura!
    um beijinho!

    ResponderEliminar