segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

credo

                                 jean sebastien monzani

quem és tu?
trazes a boca perdida na insónia
e nem o tabaco e os dedos amarelos te sossegam.
perdeste os frutos do estio
[como foi possível anoitecer os risos brandos
em torno dos brincos de cereja?]
e com ele todo o verão.

não, não esqueço,
mesmo que apenas fantasmas de sangue.
não, não morrem
as imagens da terra fértil
em que o beijo era o pão
e o desejo o farol da loucura.

e mesmo que um dia adormeça sobre a cama de relva
que fotografa o passado
não deixarei de sonhar
com os arcos de pele contornando as estrelas
nesta falésia de perfume adormecido.

tudo o mais
é orvalho sobre uma folha indecisa
que o vento desprendeu da árvore.
por debaixo da ramagem continua a crepitar o fogo.


the cure, a thousand hours

39 comentários:

  1. A folha indecisa cúmplice do vento
    que hesita entre a manhã que surge
    e anoite exausta
    ...

    A tua voz brilha.

    forte abraço,
    grande poeta e amigo.

    ResponderEliminar
  2. Jorge, alado...

    O poema é espelho fragmentado:
    em cada pedaço, um sentimento de alguém...

    Sempre me encontro por aqui...

    Um beijinho de Luz!

    ResponderEliminar
  3. amigo domingos,
    o verdadeiro brilho é o da tua voz que procurava vencer com espartilhos de saudade.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  4. haverá corações inteiros a rufar, plenos, na pauta que assinala o triunfo sobre a vida, querida aninha-de-luz?
    vale-nos a poesia para ajudar a reconjuntar os fragmentos de tudo e de coisa nenhuma.
    beijinho com carinho imenso!

    ResponderEliminar
  5. não deixarei de sonhar
    com os arcos de pele contornando as estrelas
    nesta falésia de perfume adormecido.

    Nossa: você sabe dizer certas coisas...Acho que só você sabe dizer assim...Eu sei lá: de onde vem tudo isso menino? Há poetas que eu leio quando receio deixar de sentir. Você me faz sentir. E perdura.
    Beijos,

    ResponderEliminar
  6. taninha, pessoas como tu não deixam nunca de sentir.
    beijos com arcos de pele contornando as estrelas!

    ResponderEliminar
  7. perfect!
    nem sempre sorrindo, mas sonhando sempre!


    lindo, jorge. obrigada.
    bjs meus

    ResponderEliminar
  8. Quem és tu poeta, que falas de sonhos, desejos e fantasias? Que falas de amor e que nos faz sonhar com esse amor e nos encontrar num passado, fotografado pelo tempo. Lindo Jorge.


    Me encontro nos teus versos


    Bjosssss

    ResponderEliminar
  9. Lembrei de uns versos do Neruda, Jorginho:
    "e graças ao teu amor vive escuro em meu corpo
    o apertado aroma que ascendeu da terra...
    assim te amo porque não sei amar de outra maneira,
    senão assim deste modo em que não sou nem és..."
    É como a fé numa memória e num sentimento autonomos... Um amor para além da possibilidade do esquecimento...
    Chéri, a Tania foi perfeita no comentário: "Você me faz sentir. E perdura."

    Um beijo "com açucar e com afeto"

    ResponderEliminar
  10. fernand's,
    um só sonho vale todos os sorrisos, verdade? :)
    um beijinho, um sorriso e todos os sonhos para ti!

    ResponderEliminar
  11. giomara,
    talvez alguém... talvez...
    um beijo sem negativo fotográfico!

    ResponderEliminar
  12. querida pólen,
    tudo nos faz lembrar neruda, pois ele é o único que depõe poesia em todas as coisas e em todos os nomes.
    a ideia do amor pelo que se não é - talvez pelo que se crê que foi - a todos estremece (afinal, só as palavras ditas com a verdade da vida estarrecem).
    e, assim, continuamos a viver naquela fotografia de um tempo que vale por aquilo que se regista no papel, estático, imóvel, sem horizontes que não os cantos nítidos de uma reprodução: rostos perfeitos, a passar ao lado do tempo, sem rugas ou expressões de desencanto; sonhos de suseranos presos ao corpo como se tivessem ganho asas para ali (e só ali) voarem; sorrisos que permanecem para além da boca, para além da morte.
    já ousaste rasgar retartos?!...
    um beijinho com pimenta!

    ResponderEliminar
  13. realmente uma profissão de fé, a leitura caiu-me n'alma,


    grande abraço

    ResponderEliminar
  14. amigo assis, poucas são as coisas em que creio, mas dessas faço ofício divino.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  15. "e mesmo que um dia adormeça sobre a cama de relva
    que fotografa o passado
    não deixarei de sonhar
    com os arcos de pele contornando as estrelas
    nesta falésia de perfume adormecido."
    Poie é meu querido nunca devemos deixar de sonhar...
    Boas Festas
    Beijo d'anjo

    ResponderEliminar
  16. Querido e Doce Amigo!!!

    Quantas saudades de ler o amor em suas linhas! Tem sempre um lugar para mim aqui com vc!

    "... O BEIJO ERA O PÃO E O DESEJO O FAROL DA LOUCURA..." nessa hora... meu coração trepidou dentro do meu peito!

    Beijo grande em seu lindo coração, com todo meu carinho e admiração!

    Sil
    Sempre aqui

    ResponderEliminar
  17. "o beijo era o pão
    e o desejo o farol da loucura"

    Versos, música e imagem em sublime comunhão.

    Rendo-me!

    Beijos, feliz natal e um ano novo repleto de poesias...

    ResponderEliminar
  18. amiga do sonho,
    o teu comentário foi feito diante do espelho da homonímia.
    um beijinho com votos de feliz natal!

    ResponderEliminar
  19. silene, amiga da poesia,
    e há sempre umas linhas, por aqui, a aguardar pelos teus olhos.
    um beijo com carinho!

    ResponderEliminar
  20. lívia,
    para a comunhão ser plena, faltava a tua presença e a doçura das tuas palavras.
    um beijinho natalício!

    ResponderEliminar
  21. na tempestade da alma existem as sombras de um sol que brilha... talvez da terra para o céu, porque não?
    onde o céu é apenas lugares de fantasia e sonho, esse céu que pertence aos deuses e pássaros, esses sim abençoados de asas. aprecio-lhes o voar diariamente.
    trago uma canção no peito que teima em ver o sol mesmo que esse nasça da terra e do suor e de dias esculpidos com dedos frágeis.

    "...por debaixo da ramagem continua a crepitar o fogo"
    adorei o teu poema, amigo,
    inspirador no mínimo!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  22. "quem és tu?"

    Jorginho...
    Lá onde amanhece a dúvida
    também se esconde o anseio.

    [receio não saber quem sou se ousasse rasgar meu passado. Guardo-o, mesmo que empoeirado, para contar minha história pra mim mesma]

    Beijinhos e um cheiro.

    ResponderEliminar
  23. Olá Jorge,
    muito bonito
    os encontros
    o passado
    a lembrança
    uma saudade(?)
    o sonho
    o desejo

    "não deixarei de sonhar
    com os arcos de pele contornando as estrelas"

    que lindo!

    beijos querido Jorge

    ResponderEliminar
  24. ...Jorge moço bonito,

    Há uma grande diferença
    entre imaginação e
    Autorrealização.

    Através da imaginação, você
    pode ter diariamente sonhos
    subconscientes e visões
    do Cristo.

    Mas essas experiências não
    significam que você está
    verdadeiramente em
    contato com Ele.

    A verdadeira visita de Jesus é
    a comunhão com a Consciência
    Crística.

    Se você está em sintonia com
    esse Cristo, toda a sua
    vida mudará.

    Paramahansa Yogananda

    ...desejo que sua sintonia com
    Cristo seja permanente não só
    nesta data natalícia, e sim
    por todos os dias do seu viver!

    e hoje, excepcionalmente,
    deixo meu beijos com desejos
    de que tenhas um Feliz Natal
    junto à todos que você ama!

    ResponderEliminar
  25. amiga andy,
    na mensagem do sonho que vulgariza a realidade, o fogo há-de crepitar, sempre, seja sob as folhagens, seja nas rugas nuas da árvore.
    um beijinho com carinho!

    ResponderEliminar
  26. querida pólen,
    quem ousaria rasgar o seu passado? ainda para mais sendo tu uma mulher da história, alguém que sabe que o aqui e o agora são-no no momento e no lugar em que os concebemos, para no segundo seguinte e no passo mais ao lado serem logo diferentes. é a "historicidade" gadameriana, verdade? ninguém o é apenas pelo que pensa ser no seu presente; esses nunca chegam a tocar-se no futuro e, nessa medida, nunca se chegam a conhecer plenamente.
    uma vez escrevi, numa das minhas etiquetas:
    "verbicídio
    um dia hei-de escrever a tua história
    (logo após ter matado todas as palavras)"

    beijinho intemporal!

    ResponderEliminar
  27. vais, amiga,
    os encontros com a memória ajudam a dar sentido àqueles que somos, verdade?
    um beijinho grande!

    ResponderEliminar
  28. vivian,
    confesso que não me sinto especialmente à vontade em matérias que roçam o misticismo e as religiões, mas concordo contigo que seja absolutamente indispensável encontrar um ponto de equilíbrio dentro e fora de cada um.
    um beijinho natalício e votos de um novo ano pleno de realizações!

    ResponderEliminar
  29. zeus abençoe tanto, tanto, tanto talento...

    beijo de fã!

    ResponderEliminar
  30. Meu querido Poeta

    Sabes...os teus comentários desnudam-me a alma...a eternidade perdeu-se...o infínito não se alcança...o céu não se toca mais...loucuras de poetas...

    O teu poema...que posso eu dizer...quando o poeta fala...quando a alma quer...quando as mãos sonham...quando as folhas amam.
    Direi apenas...O POETA SONHOU...e a beleza aconteceu.

    Aproveito para te desejar um Feliz Natal, cheio de amor e paz, junto de todos que amas.

    Beijinhos com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  31. Jorgito, meu tão querido amigo poeta

    Sabes que me encontro nos teus versos, como quem amanhece. Meus dedos amarelados são ânsias que não cabem dentro do que me exigem e como peregrino, lúcido ou em vertigem, caminho orvalhada na noite, até descobrir-me outonal. Sigo as pegadas das folhas, que me levam a reconhecer o verão que já não me queima. O tempo me trouxe vento ameno, na rede sonho, com possibilidades.
    Um beijo trivial, apenas.

    ResponderEliminar
  32. é esse o grande risco de escutar os amigos: as suas palavras estão sempre mais perto do exagero do que da realidade :)
    um beijinho com imensa gratidão, cris, amiga!

    ResponderEliminar
  33. amiga do sonho,
    não sei qual é o melhor poema, mas sei qual o melhor comentário: aquele que aproxima o lido do sentido.
    obrigado pela tua sempre tão terna presença!
    um feliz natal!

    ResponderEliminar
  34. ira, minha tão especial amiga-poeta,
    o inverno e o verão são tantas vezes faces de uma mesma moeda... mesmo sem o calor que aquece a pele, mesmo sem o frio rigoroso que encarquilha o rosto. é que esta meteorologia mede-se sempre pelo lado de dentro...
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  35. Olá poeta!
    Encontrei seu blog, e fiquei impressionada com a beleza de tua poesia... E que não deixemos de sonhar, pois o sonho é alimento rico do poeta...
    "e mesmo que um dia adormeça sobre a cama de relva
    que fotografa o passado
    não deixarei de sonhar
    com os arcos de pele contornando as estrelas
    nesta falésia de perfume adormecido".

    Beijos ;)

    ResponderEliminar
  36. Não se esquecem os “frutos” que se colhem da “terra” e nos saciam o corpo e a alma, pois se forem:
    … tomados num beijo
    … vividos num sonho
    … desenhados nas estrelas
    … vestidos num aroma
    … acesos num lume que crepita no coração...
    são válidas as insónias, os fantasmas, a loucura. E que esse estio seja o alimento que cresce nas tuas mãos, de onde se desprendem os melhores sabores que "provamos" num respirar ímpar...
    Pois "tudo o mais" é poesia!

    Beijinhos

    P.S. The Cure... intemporal! Belíssima escolha!

    ResponderEliminar
  37. ana, sê bem chegada a este porto de abrigo!
    o sonho é um alimento; a questão não é ter deixado de acreditar nas suas propriedades nutritivas, mas antes saber até quando aguentarão os dentes para o saberem consumir...
    um beijinho terno!

    ResponderEliminar
  38. tudo o mais e antes de mais, querida jb.
    um beijinho sem rima!

    ResponderEliminar