quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

"Passei os braços sobre os ombros da mulher de negro. Desci as minhas mãos ao longo das suas costas. Senti-a dentro dos meus braços. O seu peito tocava o meu peito. O tempo deixou de existir. O silêncio deixou de existir. As palavras deixaram de existir. A mulher de negro encostou a testa ao meu ombro. Eu sentia todo o seu corpo velho, frágil, dentro dos meus braços. Abraçando o negro, existíamos antes, durante e depois do futuro."

Excerto do conto "A mulher de negro" (in Cal), de José Luís Peixoto



2 comentários:

  1. Hum, este nome é me familiar!!!!
    Beijinho amigo!!!

    ResponderEliminar
  2. Irresistível sem sombra de dúvida!

    ResponderEliminar