sábado, 6 de agosto de 2011

trilogia a duas mãos

william blake, urizen

I.

as tuas cicatrizes
ainda me soletram o corpo
neste colapso virgem de violinos

o contacto com as sombras
atira-me o olhar sobre a janela
em trilhos de lírios azuis
que a treva silencia

as tuas cicatrizes
ainda me sofismam o corpo
neste contralto virgem de violinos    

o correlato com as sombras   
atina-me o olhar sobre a janela
em  ladrilhos de lírios azuis
que a treva sentencia


II.

do outro lado de mim
há canteiros secos
vozes mortas
copos e lábios inebriados
como índicos sem oriente

tudo é refluxo de vento
sem tempo e alento

do outro lado de mim
há candeeiros cegos
vozes tortas
copos e lábios incendiados
como imagens  sem oriente

tudo é rajada de vento     
sem templo e acento


III.

no fundo de rostos inexistentes
deponho as pálpebras
sem medo da erosão:
quero eternizar este mito
em rimas febris de cal branco

mas, mesmo em verso,
continuo sem saber
onde esconder-me

no filme de rostos inexistentes
decomponho as pálpebras
sem medo de expressão:
quero edificar este mito         
em rimas ardis de sal brando

mas, mesmo em verso,
continuo sem saber
onde exorcizar-me

por cris de souza & jorge pimenta

rodrigo leão, ruínas

36 comentários:

  1. O prazer só se renova a cada poema que tecemos juntos. Sabes o quanto me inspiras, honra-me a nossa eterna parceria! Que venha o oitavo, o nono e tantos mais duetos.

    Beijos cristais, meu grande parceiro e precioso amigo!

    ResponderEliminar
  2. Muito bom o poema de vcs! Ou melhor, os poemas né?
    Nos faz viajar em pensamentos e pensar sobre o que vc está querendo falar! Porque as imagens não são claras, mas são belas e intrigantes!
    Parabens Jorge, parabens Cris! "Poemistas de primeira".

    ResponderEliminar
  3. e continuo sem vontade de daqui sair...
    leio,releio,sinto cada verso..
    e a música penetra na alma juntamente com violinos, cicatrizes,ventos e alentos..
    bravíssimo!.. e meu carinho aos dois.. Cris e Jorge.
    perfeição!

    ResponderEliminar
  4. Já conheço tanto o modo de "poemar" desses meus queridos, que só de bater o olho, já adivinhei que era de vocês dois!...:)

    Jorge, Jorge, Jorge...
    Cris, Cris, Cris...

    Vocês são mesmo demais!

    Que Deus conserve o dom dessa dupla que eu amo tanto.

    E que venha mais inspiração, e mais parceria, para o deleite dos amigos.

    Beijão procês :)

    Cid@

    ResponderEliminar
  5. ou se comenta, ou se sente, ou se senta e se contenta. nesta trilogia a duas mãos as outras duas seriam asas? quando se encontram mãos que conhecem como ninguém os atalhos inusitados das palavras mixando-as de forma a resultar numa musicalidade absurda com mãos que sabem, como a de um maestro, organizar essa musicalidade de cada verso e torná-las belas canções, aí o resultado não poderia ser outro: dói a beleza que exala do poema! cris de souza & jorge pimenta são poetas completos, mas ainda assim conseguem se completar.

    espetáculo de poema, meus queridos amigos!

    agora posso festejar a noite de sábado...

    beijos, Cris.
    grande abraço, Jorge.

    meus aplauso!

    ResponderEliminar
  6. Leio vocês procurando a fronteira, onde começa um, onde termina o outro. A harmonia é perfeita, mas algo de cada um me salta sutilmente aos olhos. Sou fã de Cris poeta, fã de Jorge Pimenta. Separadamente, são ímpar. Juntos é embriaguez dupla: eu adoro o giro que me vem à cabeça!
    Beijos,

    ResponderEliminar
  7. Trilogia a duas mãos. Três estudos para duas mãos talentosas e um espirito livre (total três) na prisão libertadora das páginas de Blake. Perfeito!!!

    ResponderEliminar
  8. Boa noite meu amigo Jorge!
    Entrei para ler o seu poema e lhe desejar um belo Domingo.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  9. Mas exorcizada fico com vcs dois, sempre um banho de lirismo. Belíssimo!

    ResponderEliminar
  10. Trilogias e versos "que vagueavam vastos no peito da noite", sem tempo - sem presente, passado ou futuro.
    O poema passa por Todos os caminhos.
    um abraço Cris e Jorge.

    ResponderEliminar
  11. Não há palavras, há apenas contemplação diante de tamanha beleza...

    Beijos

    ResponderEliminar
  12. repito o que disse o Celso, digo e assino

    abraço

    ResponderEliminar
  13. Como se todas as máscaras se diluíssem no momento das… ruínas
    Como do mar a espuma…, rendilhando cada grão de areia.

    Como uma profecia… “uzerin” de blake

    Os canteiros, a vozes, os copos e os lábios
    E os mares em desassossego

    Sabe-me a quase nada dizer simplesmente que este trabalho a duas mãos [dadas] porque as outras duas, tal como diz Celso, são asas, são livres, voam com nós mas sem amarras, é belo.
    Há uma cumplicidade latente, una, perfeita, indecifrável [como se ambas, as mãos, escrevessem no mesmo compasso com o mesmo intrumento, a mesma tinta/sangue, o mesmo sentimento, os dedos entrelaçados não sendo possível saber o quê… de quem…]

    Parabéns Cris e Jorge
    Adorei!

    beijos!

    ResponderEliminar
  14. Parabéns Cris de Souza e Jorge Pimenta, magnifico poema, lemos, sentimos e silenciamos... tudo ao som do excelente Rodrigo Leão, de quem sou fã incondicional. Perfeito!

    Um grande abraço
    oa.s

    ResponderEliminar
  15. Cris e Jorge!

    Sempre que os leio em parceria, causa um impacto! Muito difícil no escrito distinguir pedaços de um ou outro, absorvo um entrelaçar fenomenal [unidade], casamento entre a escrita - pensamento de ambos. O famoso 'dois em um' que aprecio em grandiosidade.

    A imagem escolhida é apreciada por mim; particularmente, gosto muito de Blake. Portanto, vós deixo: 'Se as portas da percepção estivessem limpas, tudo apareceria para o homem tal como é: infinito.'

    Abraços,
    Priscila Cáliga

    ResponderEliminar
  16. Este é para sentir, Jorge alado...

    Beijinho carinhoso, poeta amigo!

    ResponderEliminar
  17. Hoje eu vou ficar aqui a imaginar as linhas sendo desenhadas as quatro mãos. Delicioso ritmo e a imagem acima de Blake é uma pintura, como se nos preparasse para as linhas a seguir.
    Fez arder aqui...

    bacio

    ResponderEliminar
  18. Sempre essa sinfonia de violinos a acompanhar as cicatrizes, a alma, o viver.
    Lindo poema!
    Parabéns aos autores!

    ResponderEliminar
  19. Jorge e Cris, belíssima homenagem em parceria.

    Bijosssss, Jorge.

    ResponderEliminar
  20. Cris e Jorge,
    A dor e o encantamento das cicatrizes, que criam cascas, depois nos caem em pedaços.
    "Decompor as pálpebras"?
    Melhor que costurá-las, como ilustrou Dante.
    Quando as trevas estão dentro de nós mesmos.

    Parabéns!

    Abraços aos dois!
    Cecília

    ResponderEliminar
  21. Meu querido Jorge e Cris

    O que escrever...se os poetas já escreveram tudo...o que dizer se as palavras se vestiram de silêncio...se os dedos se vestiram de violetas...se os braços são o silêncio onde os corpos se afundam...se as mãos carregam pedaços de sonhos...se as asas já não alçam vôo...se o tempo esvaziou as bocas e os rostos são as sombras dos dias...as cinzas das noites...a insónia do verso.
    E meus queridos...por mais que diga...o poema aconteceu...as palavras esqueceram-se de ser sombra...lembraram-se de ser pele...e FALARAM...um traço que soletrou em tinta permanente duas estações...duas almas envoltas num breve murmúrio...e aconteceu poesia.
    E como sempre...repetindo-me...vou saciada e deixo o meu beijinho carinhoso.

    Rosa

    ResponderEliminar
  22. Sozinho, você já encanta . Com sua brilhante parceira, fez um poema digno de ser guardado com carinho.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  23. ...dizem que somos todos um,
    mas 'uns' se igualam mais,
    tanto que vejo aqui duas
    almas em um só pensamento,
    e deste encontro perfeito
    resta a poesia que enleva,
    encanta, e seduz.

    Jorge, meu poeta querido,
    o Alma está aberto para
    que navegues por lá,
    quando quiseres.

    bjs aos dois poetas
    lindos!

    ResponderEliminar
  24. Ao iniciar o dia pensei nas sombras, e ei-las.
    Pensei em folhas secas, não em canteiros.
    As vezes, sombras e folhas falam-me acerca da mesma coisa: de passado, marcas.
    Mas não sei se desejo que as folhas sequem, não aprecio perder-me dessas marcas, não quero exorcizar-me. Aprender a conviver com estes anjos e demonios é uma das melhores coisas, mesmo que seja doloroso...

    ResponderEliminar
  25. Cicatrizes do corpo transpostas na alma ao som do violino.

    Encantador encontro de mãos...

    Beijos e carinhos!

    ResponderEliminar
  26. Olá, Jorge!

    Que belo! Um poema que fala sobre as lembranças, tranformadas em cicatrizes... Estando ali, presentes, para lembrar-nos alguém. Sim, e como exorcizar o passado? Uma resposta tão difícil. Li teu poema ao som de Sam Cooke - Bring It On Home To Me.

    T.S. Frank
    www.cafequenteesherlock.blogspot.com

    ResponderEliminar
  27. Que lindo, só enxergam as cicatrizes cujos direitos se deu em conhecer o mapa da alma feminina!

    ResponderEliminar
  28. Bem como vocês escreveram em dupla, eu li o poema como um só texto e contexto.
    Creio que essa cicatriz, se ainda pulsa, não é cicatriz, mas ferida...
    E fiquei imaginando a extensão dos sentimentos dentro do ser, pois nem os versos e nem a poesia é capaz de melhorar o estado da alma.
    Jorge e Cris, parabéns pela poesia pois ficou lindíssima!
    Beijokas doces pros dois.

    ResponderEliminar
  29. Cris e Jorge,
    gostei muitíssimo das vossas vozes juntas!
    Parabéns e beijinhos

    p.s. amigo, há um desafio no meu blogue, pensei em ti, mas só se puderes...tranquilo :-)
    grande beijinho

    ResponderEliminar
  30. Hoje estou passando apenas para lhe fazer um convite.
    Estou falando do www.superlinks.blog.br que é um site agregador que vale a pena visitar, pois é mais um espaço no qual você poderá publicar seus links de matérias, pois é um site sério e com critérios bem positivos.
    Espero que goste da dica.
    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  31. Bom dia, Jorge.Antes, quero dizer que só soube hoje que você estava me seguindo, pois não aparece a sua foto, só o seu nome.Fiquei muito feliz, em tê-lo como seguidor, e espero a sua presença nos comentários, sendo esses livres, ficando você sempre à vontade.
    Te pedirei que se puder, coloque a sua foto, pois dará para eu identificar. Por "acaso", fiquei sabendo só agora.
    Quanto ao poema, lindíssimo, parabéns aos dois que criaram uma obra tão bela, e de uma profundidade imensamente igual.
    Eu gostaria que você desse a sua opinião em "PÁSSARO APRISIONADO", é uma postagem que não está agora em evidência, mas gostaria de ver se você sentiu o que eu quis passar!
    Se quiser, pode deixar comentário na atual, e logo mais irei postar!
    Obrigada.
    Um beijo grande, e fique com Deus!

    OBS:eu gostei de todos os versos do poema de vocês,contudo, achei o último interessantíssimo!

    ResponderEliminar
  32. jorgíssimo,
    acho que o verso exorcisa, sim.
    uma vitóris do benfica sobre o porto (e nem precisa ser em final de campeonato), exorcisa...
    um porre de bom vinho, se não tem ressaca no dia seguinte, já exorcisou.

    o amor, a amizade, o carinho, a gentileza, a generosidade, o bem-querer... tudo isso exorcisa a alma humana.

    vir aqui, neste cantinho de afetos, me exorcisa.
    me faz imenso bem.

    abraço grande deste seu amigo, o


    roberto.

    ResponderEliminar
  33. ...exorciza-te Poeta na pele da tua carne e procura dentro da esfinge de teu corpo o arcano das quatro cordas!
    Notável concórdia beijando a anáfora nua das tuas viagens de luz e sombra.

    ...pois!



    ah!

    Trago-te um sorriso no meu regaço...

    Assiria

    ResponderEliminar
  34. Cris e Jorge, gostei da vossa “trilogia a duas mãos”.
    Desta vez, é verdadeiramente difícil “descobrir” o que é de um e do outro. Este poema é, sem dúvida, uma bela fusão de palavras e melodia.
    Beijos para ambos, com dois versos “as tuas cicatrizes/ ainda me soletram o corpo”…

    ResponderEliminar
  35. Profundo!!!!
    E infinito...me perdi em palavras da su'alma.
    Uma bela noite.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar