sexta-feira, 6 de maio de 2011

notas de desamor em extravio simples para cordas de violino

                                          azenha do mar

o desamor desloca-se nas borboletas do tempo.
adivinho-lhe tremores cutâneos
e suores cansados
em bocas negras que envelhecem sós,
galanteio da memória
soçobro da amnésia.

nem os retratos sépia
nas palmas das mãos nodosas
aceleram a sua vida lenta,
tão-pouco as tardes amarelecidas
nas jarras do olhar
anunciam a flor.

o desamor lança-se na vertigem do vento.
abre a boca
[devagar
negra de ausências
branca como a morte]
e, já sem dentes,
balbucia palavras que desistem
algures entre a decepção do sopro
e o sonho do dizer
[há palavras que precisam do silêncio
para germinarem no peito].
olha para o lado
inclina o dorso
geme flores murchas;
sabes?
o tempo chora-o
e a rua abandona-o
e o corpo esquece-o.

o desamor senta-se nas entranhas do desalento.
a lágrima salva-o
na devoção de beijo gasoso
que se evapora em órbita invisível,
apenas adivinhada,
talvez pressentida
já não sentida.

na orquestra do coração
todos os violinos acabam por secar as suas cordas
e a música adormece para sempre.

mão morta, morgue

125 comentários:

  1. Poema impecável, muito bom mesmo, parabéns poeta.

    ResponderEliminar
  2. caro arnoldo,
    agradeço-te a voz de violino.
    um forte abraço!

    ResponderEliminar
  3. Adorei este poema, amigo Jorge Pimenta. Já á muito tempo que não ouvia os Mão Morta.

    Um abraço e bom fim de semana.

    transpondo-barreiras.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. viva, josé,
    ah, mão morta! para mim há dois "mão morta": os vertiginosos que deixavam atrás de si um rasto de destruição na matéria [anos 80 e início dos 90] e os que devastam a alma com melodias e letras que se colam à pele [entre a segunda metade dos 90 até ao presente]. como este excelente "morgue", do álbum nus.
    um forte abraço!

    ResponderEliminar
  5. Depois de uma semana de loucos, estava mesmo a precisar de alguma leitura [não académica, claro!] para me animar e, porque não?, de olhares que anunciem a flor.
    E, como «há palavras que precisam do silêncio/ para germinarem no peito», vou, sem nada mais dizer.
    Obrigada por este poema, Jorge!
    Beijos.

    ResponderEliminar
  6. cristina-amiga-jornalista,
    esta semana tentacular estendeu o suor sobre ti e sobre mim. o regresso? sempre com o beneplácito da poesia.
    um beijinho e um fim-de-semana retemperador, pois claro, que o contrabalanço exige-se-nos para germinar os equilíbrios!

    ResponderEliminar
  7. a canção de desamor paira sobre as notas do instrumento, seja ele a corda ou o sopro, madeira ou metal


    abraço

    p.s. final entre Braga e Porto na liga europa

    ResponderEliminar
  8. Um poema cinzento, como o extravio das cores da vida. Como o silêncio da música que adormece para sempre em cordas secas de um violino. Mas escuto as palavras de ausência na voz do poeta a exalar emoção.

    Abraço

    ResponderEliminar
  9. "[há palavras que precisam do silêncio
    para germinarem no peito]."
    Perfeito acorde para as cordas líricas da poesia!
    Adorei o poema no seu todo, mas esta frase em particular.
    Beijo( pizzicato) :))

    ResponderEliminar
  10. orquestras são o que eu mais gosto (depois de desenhar e escrever) nessa vida!! O final a orquestra do coração é um iluminar o ser em sons que precisam ser escutados no silêncio. O desamor - esse que aparece depois do tempo ainda não se livrou da ternura - talvez.

    Espetacular!

    Bjs

    ResponderEliminar
  11. os sons do desamor são gemidos contidos nas cordas do pontapé que a trave devolveu, na cabeçada que o guarda-redes susteve, ou na taça que escorre o néctar da vitória sobre os adversários. braga é a minha cidade; benfica é o meu clube. hoje, como bracarense que não braguista, chio baixinho em acorde surdo [o nosso amigo roberto entender-me-ia].
    um abraço, assis!

    ResponderEliminar
  12. celso, amigo,
    a pungência dos matizes escuros sempre foram solo fértil para a poesia, verdade? ah, que voz saberá pintá-los com as cores do arco-íris?
    um abraço!

    ResponderEliminar
  13. querida sandra,
    há palavras que precisam do silêncio para germinarem no peito, do mesmo modo que os silêncios se constroem sempre na voz do coração. esta equação é daquelas que não se resolvem na lógica das coisas, mas no vazio das coisas que perderam toda a lógica.
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  14. Bela composição anunciando Maio...
    Obrigada pelas palavras!

    ResponderEliminar
  15. querida luíza,
    são os sons de luz e os ecos de sombras, afinal...
    um abraço com a tal ternura que, por mais voltas que dêmos, nunca se desprende dos braços!

    ResponderEliminar
  16. Pintei um quadro imaginário com as pinceladas de teu poema... ao som de violinos...

    Sempre inspiradora tua leitura, Jorge!

    Beijinho harmonioso, alado poeta... Tenha um belo fim desemana!

    ResponderEliminar
  17. michelle,
    o maio das palavras... a primavera dos silêncios.
    é assim a sua espessura.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  18. aninha-de-luz,
    todas as paisagens se fazem tela pela tua mão.
    beijinho e um óptimo fim-de-semana para ti, também!

    ResponderEliminar
  19. a harmônia entre sentimento e palavra está perfeita! parabéns!

    ResponderEliminar
  20. sabes, fernanda, tantas são as palavras que imitam os sentimentos, mas nenhuma o consegue com tanta harmonia quanto o silêncio... por mínimo que este seja.
    presença renovada a tua por aqui. que bom!
    beijinho!

    ResponderEliminar
  21. ...que Deus permita jamais vivermos
    nas teias do desamor!

    Jorge querido poeta,
    você é brisa doce
    na pele de nossas
    emoções!

    Bjs, alma de poesia!

    ResponderEliminar
  22. Caíssimo, poeta. Fui lendo e me encolhendo. E ao me encolher não somente ouvia sons de violinos, mas de um eu doído. Ferido. Um eu que vive e sente o desamor.
    E em minhas entranhas vi nascendo luz, esta luz que ainda é ofuscada pela escuridão. Enfim, a esperança.
    Preciso dizer que o encontrei aqui é majestoso?
    E para meu bel prazer descobri que a querida, Menina do sotão já te descobrira antes, eis que este é o meu momento de descobrir-te.
    Abraços,
    Keila

    ResponderEliminar
  23. o som celestial, esse permanece para sempre!! haverá sempre som no silencio e na solidão do silencio... a memória ocular também não deixa o som ir!

    regresso poético sentido... uma fotografia lindíssima...

    um beijo jo pi

    ResponderEliminar
  24. já pensaste que o oxigénio em algum momento será asfixia? tudo quanto existe é e não é, porque nada é definitivo.
    beijinho, querida vivian!

    ResponderEliminar
  25. olá, keila,
    esta é uma das coisas boas dos blogues: os dedos não terminam apenas no espaço que o corpo confere à própria mão.
    a menina do sótão já cá tem o seu cantinho; ocupa o teu, também. sê bem-vinda.
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  26. não-sou-eu-é-a-outra,
    talvez o mundo seja essa caixa musical que despede os acordes vibrantes e os do silêncio, numa pauta de espessura fina por onde deambulam todos os pássaros, todos os instrumentos e todos os silêncios.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  27. O coração (como toda orquestra de loucos e santos) também acorda diante da morte
    e sopra cânticos
    ...

    Esplêndido poema.

    Forte abraço,
    imenso poeta.

    ResponderEliminar
  28. domingos, camarada-poeta,
    será o deus dos afectos uma composição musical a adiar a invisibilidade da matéria?
    um abraço coral, querido amigo!

    ResponderEliminar
  29. Às vezes ouço músicas que não sei de onde vieram. Devem ser essas enterradas, adormecidas.

    Interessantíssimos dizeres poéticos!

    Beijo.

    ResponderEliminar
  30. Ah!
    Ecos da memória da morte
    entre os [nós] que nos sobe à garganta
    atravessando a vidraça,
    na música que se ouve
    para além da vida e (só)…

    [Fala-se pelos olhos e vê-se pela boca, mas estamos vivos e...somos!]

    Um beijinho
    E Bom fim de semana
    Assiria

    ResponderEliminar
  31. Olá.
    Primeira vez por aqui e já me deixas com lágrimas nos olhos...
    Que coisa mais linda esse seu espaço!
    A sensibilidade escorre de cada palavra escrita.

    Encantada, me calo em muda admiração.

    Déia

    ResponderEliminar
  32. Jorge, querido poeta-de-além-mar,
    neste exato momento estamos pisando num planeta, que chamam Terra. Formato de uma laranja, toda inclinada que nem a torre que chamam Piza, e ele ainda gira em torno de si, e de outras formas.
    Assim penso em nós, seres humanos, e em nossos sentimentos, emoções, as inquietações e até os desamores. Nada é definitivo, estanque ou "em linha reta" como escreveste, creio em comentário anterior, no que concordo.
    O vazio dos desamores, o silêncio como melhor linguagem de expressão, também nos reascende a alma, um brilho intenso que faz renascer sonhos ou iniciar novos: grande descoberta de territórios!
    Quem sabe uma cachoeira, ou mesmo um simples coqueiro que não tinhamos visto ainda em nosso pequeno mundo. Um singelo elemento, novo em nosso cenário, mas que pode nos fazer orbitar de forma diferente.
    Usando com sua permissão, o próprio nome de seu blog: A luz que pode apagar a sombra, mas que, conforme a intensidade ou o ângulo, pode recompô-la novamente e ainda mais bela.

    Jorge, te agradeço de coração pela sensibilidade e consideração nos comentários em meu blog e no de meu amigo. Como já disse, e repito, teus comentários são extremamente importantes, sinceramente.

    Beijos atlânticos, de luz e sombra.

    ResponderEliminar
  33. Obrigada, Jorge! E viva a Poesia que, mesmo quando é triste, tanto cansaço e tanta mágoa é capaz de mitigar...
    Beijos!

    ResponderEliminar
  34. inclina o dorso
    geme flores murchas;
    sabes?
    o tempo chora-o
    e a rua abandona-o
    e o corpo esquece-o.
    Bom fim de semana
    Beijo d'anjo

    ResponderEliminar
  35. ...não você, o oxigênio que asfixia,
    pois és aquele que alimenta
    os canteiros da poesia!

    bj doce, moço feio!

    ResponderEliminar
  36. o desamor a envelhecer no peito onde lágrimas
    irrigam as cordas do teu violino de melodias e silêncios sempre tão eloqüentes..
    beijos carinhosos querido poeta..

    ResponderEliminar
  37. Jorge Pimenta. Muito prazer. Li um coment'ario seu em um blog e fiquei curiosa para conhecer seu blog.
    Parab'ens poeta!!
    Linda poesia a sua. Comecei a ler e segurei a respiracao. Fiquei paralizada com as palavras.
    Te parabenizo pelo dom que tens. Com amor!!

    Te convido a conhecer meu blog: www.mdfbf.blogspot.com
    Brasil

    Ma Ferreira ( serei sua seguidora )

    ResponderEliminar
  38. Por um momento me passou que seu peito deve ser um pedestal de silêncio, porque como jorram palavras desse poeta. Lindo texto!

    Grande beijo, e se ainda nao disse, adoro seus comentários :-)

    ResponderEliminar
  39. que belíssimo poema trouxe a nós, que estamos sempre a amar e a desamar, invariavelmente...

    bj

    ResponderEliminar
  40. larinha,
    a música compõe-nos a todo o instante.
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  41. querida assíria,
    se toda a memória é morte, não o será menos vida. é que na escala da saudade guardamos os rostos que se esconderam nas planícies do passado e que, mesmo que por entre olhares sépia e brumosos, permanecem estendidos acima da mordaça que extingue.
    um beijinho com desejos de um excelente fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  42. olá, andreia,
    que esta viagem também saiba acender sorrisos nos olhares líquidos de sal.
    fico feliz por te per por cá.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  43. Um pouco de melancolia, às vezes é até bem- vinda, principalmente, se acompanhada de sons de violino...
    Às vezes retratos sépias se tornam mais reais que a própria realidade...
    Às vezes precisamos desse retiro, desse silêncio, desse desalento, para podermos tentar entender a lógica da vida...
    Às vezes precisamos ler o querido Jorge Pimenta, antes de encararmos de frente nosso final de semana...

    Vou-me, mas levo comigo: "Há palavras que precisam do silêncio para germinarem no peito".
    Posso? :)

    Fique bem, amigo.

    Um abraço envolto em silêncio

    Cid@

    ResponderEliminar
  44. E as cordas do violino encerra tocando a canção seca de uma saudade amontoada...

    Beijos

    ResponderEliminar
  45. Meu querido Poeta

    Hoje senti no teu poema um eco de mim...hoje não comento...deixo apenas um rascunho.

    Entardeci meu amor...as minhas lágrimas são apenas murmúrios...os meus poemas são rascunhos a preto e branco...as rosas que foram desejo...essas meus amor enegreceram...o amor perdeu-se nos caminhos vazios...na distância das mãos...na longura dos braços...no silêncio de um olhar...nas pétalas que não perfumaram a cama feita de sonhos...na madrugada que não floriu...na noite que não nos encontrou...no perfume dos corpos que não se misturou...na ternura do toque que ficou preso nas mãos vazias...no beijo que arrefeceu nos nossos lábios...perdido na nossa pele.

    E assim vou entoando uma admiração profunda por ti.

    Beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  46. Caro Pimenta,
    Azenha do mar é marcantemente linda, de arrepiar - uma moenda só - e tua poesia é um sopro de vida. Intensa, lírica e provocadora! Mão morta, Morgue, uma parte da luz, e as batidas finais, vitais.
    O fio da navalha é a estrada, mas sempre houve-há-e-haverá um riso solto a ser apanhado, uma orquestra no coração,
    uma transgressão instintiva, a pronta criatividade e alguma agonia, ou, no extravio, antes da autópsia, não teríamos sobrevivido como humanidade, não achas?
    um abraço.

    ResponderEliminar
  47. Ah meu caro, fui lendo e sentindo, me encolhendo. Acho que em determinado ponto me perdi dentro e fiquei a pensar nas minhas emoções todas. Voltei ao começo novamente para entender meu sentir. Ouvi os do violino que desafinaram repentinamente. Nunca senti o desamor, sério. Amei a primeira vista e soube que era preciso esperar e foi o que eu fiz, curtindo os caminhos, os meandres.
    Mas já senti tantas coisas que não eram minhas que ao ler seu poema meus olhos sangraram uma dor que eu sei que não é minha. E viva Campos e sua metafísica "sou esse outro que não eu".

    bacio

    ResponderEliminar
  48. O tom sépia, o som do violino...tudo aqui é de uma delicadeza ímpar...bonito demais, Jorginho. Bjos!

    ResponderEliminar
  49. querida cecília,
    "mutantes"! eis a designação que nos serviria que nem luva na mão. tudo é mudança, transformação, metamorfose, do lado de dentro e pelo exterior, no homem e nas coisas, na língua, na história, nos lugares, nos momentos, no planeta e no cosmos.
    cada homem é o mundo, ainda que esteja longe de ser todo o mundo.
    um beijinho! permite-me que te devolva a derradeira nota: sou eu quem sente o privilégio da tua visita e das tuas palavras.

    ResponderEliminar
  50. "E viva a Poesia que, mesmo quando é triste, tanto cansaço e tanta mágoa é capaz de mitigar..."

    nada me atrevo a acrescentar; aceno, apenas, com a cabeça, pois as palavras também se retemperam nos silêncios, amiga-jornalista!
    beijos!

    ResponderEliminar
  51. "lua morta
    rua torta
    tua porta"
    cassiano ricardo

    postas as coisas em perspectiva, quem é o poeta que não se atreve a cantar o desencanto?
    beijos, sonho!

    ResponderEliminar
  52. vivian,
    com palavras assim [refiro-me às tuas], todo o amplexo do ar se faz mínimo e ponteira de dióxido de carbono sobre paredes de pele. os pulmões amotinam-se no corpo, conquistando o território do coração. porque esse é o único lugar em que o sangue e a guerra são silenciosos, todos os gestos se tornariam supérfluos e inconsequentes. baixam os braços, mirram as mãos e esconde-se a vontade: asfixia!
    beijos doces, moça bonita! :)

    ResponderEliminar
  53. querida ingrid,
    até porque nenhum homem é a verdade, quanto mais toda a verdade...
    beijinho, querida amiga!

    ResponderEliminar
  54. ma,
    agradeço a generosidade das palavras e ainda mais a visita. retribuí-la-ei, com certeza, com todo o gosto.
    um beijinho e... até já :)

    ResponderEliminar
  55. querida c.,
    os brados mais difíceis de suportar são aqueles que, germinando, poderosos, no peito, se extinguem na foz dos lábios. como aquele rio que perdeu a rota no seu próprio leito.
    beijinho e silêncios!
    p.s. obrigado, amiga vienense!

    ResponderEliminar
  56. querida ana,
    de repente, o teu comentário fez-me recordar uns versos de um cantar de amor, à maneira provençal, feito na península, no século XIII:
    "Se eu podesse desamar
    a quen me sempre desamou,
    e podess'algún mal buscar
    a quen me sempre mal buscou!
    [...]
    Mais sol non posso eu enganar
    meu coraçón que m'enganou,
    por quanto me fez desejar
    a quen me nunca desejou.
    [...]"
    beijinho!

    ResponderEliminar
  57. querida amiga cid@,
    há momentos em que procuro palavras como as tuas para vestir o fim-de-semana :). porque, se cada silêncio é poema, é no conjunto das palavras que sabemos toda a poesia!
    beijinhos e um óptimo fim-de-semana para ti!

    ResponderEliminar
  58. "E as cordas do violino encerra tocando a canção seca de uma saudade amontoada..."

    escutemos a melodia, pois, suzana.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  59. querida sonhadora,
    emudeço diante da tua sensibilidade. porque a melancolia também preenche, porque a saudade também completa, porque toda a queda se faz no mapa das direcções.
    obrigado por este carinho absolutamente mágico.
    um beijinho grande para ti!

    ResponderEliminar
  60. "O fio da navalha é a estrada, mas sempre houve-há-e-haverá um riso solto a ser apanhado, uma orquestra no coração,
    uma transgressão instintiva, a pronta criatividade e alguma agonia, ou, no extravio, antes da autópsia, não teríamos sobrevivido como humanidade"

    querida rejane: para ler, tactear, ousar tocar, arriscar agarrar, arrancar e definitivamente colar na parede dos dias que guardamos algures nos bolsos da vida. a autópsia é apenas um exercíco biológico; mas há mortes que se estendem para lá das paredes frias de todas as morgues.
    obrigado!
    p.s. a azenha do mar é uma pequena vila piscatória encravada em escarpas e montanhas. até o mar parece um animal tímido e frágil diante desta combinação.
    p.p.s. mão morta é uma banda portuguesa alternativa que tem melodias, mas sobretudo letras, lancinantes. vive do carisma do seu volcalista, uma figura anti-herói de nome adolfo luxúria canibal [:)], inteligentíssima, que pensa o mundo e todas as suas órbitas. com a idade estão cada vez melhores.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  61. a maior das dores é sempre a que combina a nossa com a dos outros, verdade, lu? ainda assim, é também a mais fácil de sarar.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  62. daniela,
    que bom ter-te por aqui.
    obrigado pela simpatia que sempre caracteriza as tuas viagens à luz e à sombra.
    um beijo de cordas e violino!

    ResponderEliminar
  63. Jorge,
    Um desabafo que irá aceitar como sinónimo de uma profunda admiração... é tão difícil para mim deixar-lhe um comentário que me assinale como viva no que escreve, no que tão bem escreve. Mas espero que me acredite quando digo que permaneço nos meus lugares ausentes.

    ResponderEliminar
  64. Jorginho,

    De braços dados com Neruda, digo-te:"Obrigado violinos, por este dia de quatro cordas". O dia em tua poesia está em lindos tons de cinza e pleno de uma imensa beleza triste.

    Um beijo bem grande, meu querido.

    ResponderEliminar
  65. Suas letras não desenharam, mas, "cantaram" uma história.

    Não li seus versos. Apenas deixei-me levar pelas imagens tão ricamente traduzidas.

    Meu carinho,
    Anderson Fabiano

    ResponderEliminar
  66. Meu amigo querido, depois de uns tempos afastada daqui, volto feliz da vida por poder ler-te de novo.

    Seus versos são bálsamos para a minha alma sedenta de poesia. Enche-me de luz e sombras...

    Maravilhoso o seu poema! Como tudo o que vc escreve! :)

    Beijos

    ResponderEliminar
  67. Minha mãe E sua Mãe
    Que ao dar a benção da vida, entregou a sua...
    Que ao lutar por seus filhos, esqueceu-se de si mesma...
    Que ao desejar o sucesso deles, abandonou seus anseios...
    Que ao vibrar com suas vitórias, esqueceu seu próprio mérito...
    Que ao receber injustiças, respondeu com seu amor...
    E que, ao relembrar o passado, só tem um pedido:
    DEUS, PROTEJA MEUS FILHOS, POR TODA A VIDA!
    Para você mãe, um mais que merecido:
    Feliz Dia das Mães!
    Você merece!!!
    Meu abraço meu carinho para você

    Feliz Dia Das Mães.
    beijos e beijos com infinita
    ternura,Evanir.
    www.aviagem1.blogspot.com

    Nosso Dia Das Mães..Brasil

    ResponderEliminar
  68. O desamor é como o ato de arrancar uma flor do campo, por pura rebeldia de possuir sua beleza, para deixá-la murchar...

    “Porque será que estamos condenados a ser assim tão solitários? Qual a razão de tudo isto? Há tanta, tanta gente neste mundo, todos à espera de qualquer coisa uns dos outros, e, contudo, todos irremediavelmente afastados. Porquê? Continuará a Terra a girar unicamente para alimentar a solidão dos homens?” (Haruki Murakami: Sputnik, meu amor)

    Beijos 'de cordas e violino', querido Jorge!

    ResponderEliminar
  69. Jorge,

    " Há palavras que precisam do silêncio para germinarem"...


    Tua página é muito linda.E as emoções afloram.

    Parabéns.

    Bom domingo

    ResponderEliminar
  70. Te ler é incrível, Jorge. Há uma fonte inesgotável de criação e renovação na tua poesia. Bom poder passar por aqui, ainda nessas férias que me dei.
    Parabéns sempre!
    Beijos,

    ResponderEliminar
  71. Jorgito do meu coração, que maravilha de poema!
    Quem mais entende o desamor que os poetas? " Fingidores das dores que sentem"
    Quem de nós não guardou nas mãos um punhado de lágrimas?
    Dessa orquestra fui maestro, sem plausos.
    Um beijo com as notas das minhas canções.

    ResponderEliminar
  72. e.a.,
    quantas vezes nos assinalamos presentes na escrita da ausência? todos espelhos racham contra as roldanas da tinta que nos despem da roupa e reviram do avesso. e rimos, cinicamente, às imagens que deixamos desfilar no poema, mas encolhemo-nos diante daquelas que se acoitam na loucura de nunca pedirem permissão para se anunciarem. e permanecemos assim: quedos, mudos, imperfeitos na página branca.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  73. chove, querida pólen... há bátegas que elidem a matéria exultando aromas que se despedem em brisas de falsa primavera. olho em meu redor, mas não escuto o chilreio das andorinhas ou o bater de asas das borboletas. e, contudo, os prados permanecem verdes, como todos os olhos que nos lavam a pele.
    um beijinho, doce amiga! é tão bom sentir-te por aqui!

    ResponderEliminar
  74. caro anderson,
    pudesse eu pintar... todas as palavras se tornariam desnecessárias.
    um forte abraço com estima!

    ResponderEliminar
  75. querida amiga dos silêncios,
    desde aqui te aceno com saudades de te ler, também. feliz pelo teu regresso!
    um beijinho com a voz alçada!

    ResponderEliminar
  76. evanir,
    tive conhecimento de que hoje é o dia em que, no brasil, se celebra aquela que é sinónimo de vida. em portugal foi no passado domingo o dia da mãe. mesmo que em datas desencontradas, a verdade é que todos os momentos são especiais para se saudar aquela que se confunde com a própria respiração.
    um beijinho e um feliz dia da mãe para ti!

    ResponderEliminar
  77. a resposta, querida lívia, estará, porventura, em saramago quando, em pleno discurso de atribuição do nobel, se perguntava como é possível enviarmos sondas a marte e não conhecermos verdadeiramente o nosso semelhante? estou absolutamente convicto de que a descodificação do enigma do amor/desamor [não necessariamente na filiação semântica que lhe tributamos, ou seja, nessa relação tradicional de homem/mulher, mas também na relação homem/seu semelhante] só será satisfeita no dia em que o homem descobrir o mundo que se abre para além de si, depois de concluída a longa viagem interior. utopias...
    um beijinho grande, amiga das questões oportunas!

    ResponderEliminar
  78. linda,
    agradeço-te com o coração as palavras que saem da tua boca em homonímia perfeita com o teu nome.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  79. taninha,
    bom, mesmo, é ter-te por cá, tu que escreves o teu nome com a imensidão do teu coração. desfruta das férias que são jactos que atiramos para fora do corpo para ganharmos a viagem ao corpo. bom descanso, pois.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  80. querida ira,
    há acordes que efervescem no peito. a sua espontaneidade dispensa todos os maestros e a ausência de aplausos torna-a ainda mais mais verdade: a nossa verdade.
    um beijinho musical!

    ResponderEliminar
  81. Caro Jorge,

    Vim de longe agradece-te a visita!! Pena que ficaste tão pouco.
    Espero recebe-lo mais vezes.
    Li de novo sua poesia, adorei.
    A vi como um quadro surreal, sem moldura.
    A ser analisado, como diz Drummond, o poeta, conforme o capricho ou ilusão.
    Penso que a intenção do poeta é tocar o coração..ou pelo amor..ou pela dor.
    Vc tocou meu coração com sua poesia.
    Um grande abraço, com admiração,

    Ma Ferreira

    ResponderEliminar
  82. ma,
    de novo, palavras mágicas são o que aqui me deixas. um muito obrigado!
    estive no teu blogue e tenciono voltar. obviamente :)
    beijinho!

    ResponderEliminar
  83. Pelo comentário que deixaste por lá, fiquei curiosa...

    Você é pai???

    :)

    ResponderEliminar
  84. É um barco à deriva no silêncio esperando o naufrágio, o desamor...
    O poema desoculta as imagens na depuração da palavra que no chega - som límpido de violino.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  85. Que lindo!

    Então tens dois, assim como eu :)

    Que Deus os abençoe!

    Fique bem, amigo, e obrigada pelo carinho de sempre.

    Beijooooooo

    Cid@

    ResponderEliminar
  86. Ah, grande escolha, Morgue!
    Não:
    adivinhes
    chores
    fiques aí!

    RIP

    ResponderEliminar
  87. Imensamente triste, mas belo.

    Achei lindos esses dois momentos:

    "[há palavras que precisam do silêncio
    para germinarem no peito]."

    e

    "a lágrima salva-o
    na devoção de beijo gasoso
    que se evapora em órbita invisível,
    apenas adivinhada,
    talvez pressentida
    já não sentida."

    Muito lindo!

    ResponderEliminar
  88. O desamor é um estado de espírito nada agradável...
    Magnífico poema.
    Gostei imenso.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  89. O desamor silencia o canto do coração.
    Cala a voz da paixão...
    Empalidece todas as cores da face rubra de desejo.
    O desamor assassina vidas, desejos, beijos!
    Beijos achocolatados

    ResponderEliminar
  90. querida lídia,
    mesmo quando à deriva, o barco permanece em viagem e o mar é todo o seu mundo que não acaba nas vagas que lhe acariciam, cinicamente, o casco, antes da tempestade.
    um beijinho anunciando o tempo da bonança e das navegações além-dor!

    ResponderEliminar
  91. tenho um rapaz e uma menina: o gonçalo e a margarida. a poesia tem rosto, querid@ amig@. sempre tem... sempre teve :)
    beijinho imenso!

    ResponderEliminar
  92. esta melodia, laurita, é das melhores dos mão morta. não é das letras que mais me tocam, é verdade, mas deixo-me embalar a cada acorde desta faixa. linda, mesmo.!
    ah, as paredes brancas são-no apenas pela cal. e são os braços da luz que as tornam quase virginais: nada adivinho; tudo sinto. não choro: chovo; não fico aí: cada homem é todos os lugares.
    beijos!

    ResponderEliminar
  93. isadora,
    que bom teres feito a viagem até aqui e, sobretudo, sentires que valeu a pena. obrigado!
    um beijo e um aceno marinho!

    ResponderEliminar
  94. caro nilson,
    quem desama já amou. só por isso valerá a pena olhar este semi-estado com nobreza e elevação, verdade?
    um abraço com gratidão pelas tuas palavras!

    ResponderEliminar
  95. querida sandra,
    mesmo que pálidas ou desmaiadas, as cores são... cores. assim são os sentimentos que se deslocam para a linha da esquerda da escala.
    um beijinho com muito chocolate!

    ResponderEliminar
  96. "há palavras que precisam do silêncio
    para germinarem no peito"

    Maravilhoso

    bjs

    ResponderEliminar
  97. Parabéns, nada sabia, agora sei que foi lindo passear pelo seu blog e descobrir poemas ao som do violino, me deixei levar, espairecer enquanto ouvia a melodia, me fez tão bem. Omedeto e arigatou *Parabéns e Obrigada* pela oportunidade. um abraço. Giovanna

    ResponderEliminar
  98. Amor e desamor, vida e morte, som e silêncio, ... Antagônicos, autônomos, mas propensos à interseções...

    São as cores e suas tonalidades...

    Beijos,
    Obs.: Drástico, mas bem definido. Parabéns!

    ResponderEliminar
  99. Sem palavras hoje, Jorge.
    Só lágrimas.

    ResponderEliminar
  100. encanto, tu sabes que eu não sei comentar este poema [ponto]. :)

    encantei-me por entre os canteiros das réplicas:)
    e fiquei feliz por saber que a letra de "morgue" não te diz grande coisa..., a melodia é linda, sim!
    o desamor é um momento... o amor é permanente, particularmente no homem que se sente de todos os lugares :)
    ... o gonçalo e a margarida... :) parabéns pai:)
    beijo.

    ResponderEliminar
  101. HOLA TE INVITO A PASAR POR MI BLOG:
    http://masalladeloquevess.blogspot.com/

    TE ESPERO!!

    UN ABRAZO.... PATRY

    ResponderEliminar
  102. parole,
    entre nós e as palavras tantos são os silêncios eloquentes! quantas vezes não é em silêncio que se constroem as pontes que nos ligam à eternidade!
    beijinho!

    ResponderEliminar
  103. giovanna,
    que estas viagens sejam as tuas, também.
    obrigado pelo carinho!

    ResponderEliminar
  104. cores da vida,
    nenhum arco-íris esconde potes de ouro; ao invés, guarda névoa e bruma, porque o preto e o branco são cores, também. não estão representadas na arcada dos sonhos, mas não têm de anunciar, forçosamente, os pesadelos.
    vejo esta ausência como um esquecimento, um lapso do criador que os homens podem remendar: olhando de frente, sem temores, toda a paleta cromática e seus matizes.
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  105. carina,
    serão as lágrimas as pontes que ligam as palvras e os seus silêncios?
    beijos e pontes, querida amiga!

    ResponderEliminar
  106. passarei seguramente mais além daquilo que desde aqui diviso :)
    até breve!

    ResponderEliminar
  107. amiga-de-todos-os-encantos,
    o desamor é apenas o sinal maior do amor, uma espécie de sistema estrutural dos afectos, pois só sentindo a contradição compreendemos a afirmação e chegamos mais próximo da definição [ainda que as definições apodreçam, tantas vezes, nas impressões digitais das palavras que ousam dizer, como se babéis que nenhum homem fosse capaz de escalar. talvez não, mas dêem-nos, pelo menos, a possibilidade de tentar]. e falo do desamor para além do amor tradicional: falo do desamor como a privação, a ausência, a falácia, o falhanço, o tédio, a anulação, o adiamento... falo do desamor como o antípoda do que perseguimos e tantas vezes sentimos como que em vão...
    o gonçalo e a margarida são a certeza infinita de que o amor é a planta e a raiz das nossas convicções [mesmo que sabendo que na porta do lado há o tal desamor que nos vigia, feroz]; tudo o mais é circunstância crepuscular.
    quanto à morgue: seguramente, e ainda que seja um apaixonado pelas letras do adolfo luxúria canibal, valorizo sobretudo a melodia.
    beijinho, encant[ad]o!

    ResponderEliminar
  108. vc escolheu falar de desamor e pra mim não há tema mais difícil. entretanto, vc conseguiu fazer um poema no todo impecável: estrutura, linguagem e imagens. o que me faz pensar em Pessoa (o poeta é um fingidor) porque desamor não combina em nada contigo! ;)
    tava com saudades, poeta. é muito, muito bom te ler.

    ResponderEliminar
  109. Oi Jorge,

    Mais feliz sou eu por lhe encontrar.
    Na verdade, eu vim aqui por meio do blog do Nilson Barcelli (um estimado e precioso amigo, desde 2009), quando, então, eu li um comentário seu, que me chamou à atenção. Sim, fui saber quem era você, esse Jorge Pimenta que escreve como se declamasse, em meio à músicas. Adorei.

    Beijos e até breve,
    P.S.: quanto a essa sua resposta para mim, aqui (acima), possui um conforto, porque remete àquele ditado: " - A esperança é a última que morre". Mas discordo, desprovida de quaisquer pretensões, de que possa ter sido um lapso do Criador. Jamais poderíamos ser perfeitos, justamente, porque dependemos um dos outros, no mais amplo sentido existencialista.

    ResponderEliminar
  110. Ai meu Deus...
    Que coisa linda...Sabe, vou contar um segredo que nem é tão segredo assim, rsrs
    Poesia é uma das minhas grandes paixões, as vezes sofro por não ter tempo e disposição como gostaria para ler, reler e ler novamente esta imensidão de ternura que é a poesia que mesmo que nos faça chorar faz um bem enorme á alma...Parabéns pelo teu trabalho, confesso que fico impressionada cada vez que venho aqui..
    Até breve

    ResponderEliminar
  111. loba, amiga,
    na tua voz combinas o mel do bosque com o marfim de caninos bem afiados :)
    o poeta olha o mundo, não para o captar, mas para ser por ele engolido, numa transvestitura que o afaga e empurra, beija e pontapeia, engana e apazigua. o delírio é a face fina que lhe reveste a ponta dos dedos e em cuja marca respiram impressões.
    um beijo com saudades de saber de ti, também. espero que tenhas regressado, já; amanhã confiro.

    ResponderEliminar
  112. cores-da-vida,
    fico rendido ao carinho das tuas palavras. agradeço-te em sorvo largo cada palavra que escorre do teu comentário.
    há esperança enquanto houver humanidade. o homem pode ter nos órgãos a decepção, mas a pele é feita do mais tecido fino dos sonhos e das estrelas. [quase] todas as respostas começam e terminam nas suas mãos.
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  113. jozy,
    como te compreendo! pudesse eu dispor do tempo do mesmo modo que ele dispõe de mim; seguramente que o envolvimento com os batimentos da terra que nascem em cada folha de papel inquieta - poesia - seriam bem mais vivo.
    beijinho e poesia para ti!

    ResponderEliminar
  114. Que a musica sempre vibre em nosso corações .

    Bjs

    ResponderEliminar
  115. parole,
    já repliquei a todos os comentários que me deixaram até ontem, mas uma tempestade no universo dos blogues acabou por fazer alguns estragos. não recuperei as réplicas, mas volto aqui para te agradecer a visita e as palavras sempre tão carinhosas.
    beijos e silêncios!

    ResponderEliminar
  116. Gostei de estar aqui hoje, neste seu blog que é maravilhoso! Abraços

    ResponderEliminar
  117. eu que sempre me encanto com as tuas réplicas e que tenho este "feio" hábito de as levar comigo, desta vez, não o fiz [inadvertidamente, raios...:)]...!

    e em "no sound but the wind", para além da minha réplica perdi também a tua, a original. como não consigo [re]publicá-la, sacando-a do email, vou transcrevê-la "em estado" de semi anónimo.

    beijos, encanto. :))

    ResponderEliminar
  118. cores da vida,
    é justamente na diferença que invocas que tantas vezes percebemos a verdadeira diferença que existe entre as coisas da vida e dos homens. a técnica contrastiva é génese de construção de conhecimento tanto em ciência [popper, por exemplo] como no empirismo das pequenas coisas.
    beijos e todos os matizes da paleta cromática!
    p.s. já antes tinha aqui deixado um comentário-réplica. perdeu-se na enxurrada que lavou todos os blogues.

    ResponderEliminar
  119. querida carina,
    eu, em silêncio, te respondo com silêncio. e o diálogo das coisas essenciais baila, húmido, no espelho do olhar.
    beijinho!
    p.s. também já aqui tinha deixado um aceno que se perdeu; duplico-o desde já.

    ResponderEliminar
  120. amiga-de-tantos-encantos,
    como te compreendo... na quinta-feira última, ao fim do dia, estive a actualizar o blogue, não apenas replicando aos amigos e visitantes do viagens, como passando pelas suas próprias casas. depois, deu-se o sismo tecnológico que fez desaparecer tudo quanto em última instância tínhamos movimentado nos blogues. é-me impossível recuperar comentários, comentários a comentários e [numa situação-limite que me levasse os textos] todos os poemas [lá diz o povo que gato escaldado de água fria tem medo, razão por que ontem recuperei tudo desde abril de 2010!!! ainda me doem os dedos, hehehe].
    porque a réplica surge no momento, com a espontaneidade que as emoções nos suscitam, vejo-me incapaz de reescrever tudo quanto ficou dito; ainda assim, há uma tónica que faço bem presente em todos os comentários e que não esqueço nunca: a do carinho pelas pessoas. e aqui vai um beijo com reiterado carinho, amiga minha.
    beijos!

    ResponderEliminar
  121. àquela que está bem mais além do que os olhos possam alcançar,
    agradeço-te a visita a estas viagens e deixo aqui o desejo de rapidamente regressar ao teu espaço. já por lá andei, mas a falha de sistema nos blogues deve ter apagado as minhas impressões digitais.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  122. geladeira,
    o homem e a música são duas faces de um mesmo rosto. podem as cordas de violino mirrar, a mãos envelhecer e a destreza acoitar-se no tempo, que a música - como o coração - há-de resistir a todas as agressões. mesmo que em silêncio...
    beijos!

    ResponderEliminar
  123. obrigado pela visita e pelas palavras encorajadoras.
    desejo-te um óptimo fim-de-semana com todos os pensamentos positivos!

    ResponderEliminar