sexta-feira, 20 de maio de 2011

plano impermeável para escafandro de mergulho em seco


azenha do mar

talvez regresse, um dia
na volta do cansaço.
basta-me guardar o tempo
entre as paredes da vida
e segurá-lo como à água
na cerâmica de uma ânfora grega.

talvez regresse, um dia
e abandone a aldeia e o largo e a casa
e todos os lugares que me couberam na mão
assim que parti
e esqueci os caminhos
entre o pomar e o mau tempo.

lembrar-me-ia de todos os cometas
dos candeeiros oxidados
do teu perfume de alfazema
e de algumas guitarras
que não fizeram escala nos apeadeiros da noite,
mas
cansei-me de fugir das palavras
e de esperar a boca que apodrece silêncios
como se o grito de luas de coral
fosse pecado inscrito no peito
e a voz a maior culpa dos que morrem.

talvez regresse, um dia.
mas
só quando a palavra queimar as promessas
só quando os lábios apaziguarem a mentira,
e eu apenas recordação vaga
de um revólver de cartão sem perfume.


sigur rós, gong

99 comentários:

  1. Vivemos, quem sabe, na esperança de voltar um dia onde já se fez perfume e onde os caminhos gritaram silêncio.
    Parabéns pela tua sempre magnifica poesia.
    abraço
    oa.s

    ResponderEliminar
  2. Muito bom e profundo seu poema, parabéns e um bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  3. oceano azul,
    todo o homem é viagem e nela inscreve os caminhos e os regressos. ainda assim, mesmo que sobre a mesma estrada de perfume a alfazema, os rostos tricotam diferentes primaveras onde já nem o pólen provém das flores que um dia foram mel.
    agradeço-te o carinho sempre especial!
    beijinho!

    ResponderEliminar
  4. arnoldo,
    a profundidade do mais trivial dos textos reside sempre no olhar de quem o lê. obrigado!
    um forte abraço, caro amigo!

    ResponderEliminar
  5. Esperamos regressar um dia ao que éramos, mas a vida nos empurra cada vez mais longe e só restam mesmo vagas recordações e nostalgia.

    Um poema magnífico, poeta lindo.

    Beijos e ótimo início de fds.

    ResponderEliminar
  6. Jorge.....sempre que venho no teu espaco, me deparo com lindos poemas, e com seus comentarios em forma de poema.
    O p;olem pode ter perdido o mel, mas com certeza as flores deixaram os seus perfumes... os espinhos fazem parte da essencia das flores.
    Um beijo..um dia de paz!
    Ma Ferreira

    ResponderEliminar
  7. Essa tua profundidade, extravia qualquer dor.

    Beijo querido Jorge

    ResponderEliminar
  8. eu sei, parole, eu sei... aquilo que estudei na inocência dos meus 15 anos e que apenas academicamente fazia sentido, é-me, hoje, uma irrefutável verdade: a água não passa duas vezes no leito do rio - heráclito.
    por mais perfeito que o cenário e a sua reposição sejam, a peça nunca mais será a mesma. para o mal... mas também para o bem!
    beijinhos e sonhos!

    ResponderEliminar
  9. querida ma,
    nada na natureza é acaso ou capricho. as rosas exibem, por detrás do manto de sedutora verdade, espinhos sanguíneos. ainda assim, quem se atreve a afagá-los com a seda das mãos ou a mantê-los vivos no ramo que se deseja oferecer?
    beijinho!

    ResponderEliminar
  10. querida angélica,
    com os transtornos à superfície da pele apenas gastamos as pontas dos dedos e todas as dores se confundem com comichão e ardor.
    um beijinho desde a nascente do carinho - algures bem abaixo da pele!

    ResponderEliminar
  11. Jorge,
    Talvez consiga um dia, palavras capazes para comentar a beleza dos seus poemas!
    Encantam-me!

    Bjs dos Alpes

    ResponderEliminar
  12. amiga dos alpes,
    qualquer das tuas palavras é pétala carmim sobre novelos de neve branca: nascem bem no coração da montanha. e eu, com a voz tímida, agradeço-te a voz maior! obrigado!
    beijinho!

    ResponderEliminar
  13. Oi Jorge, meu mais novo amigo querido,

    Não sei se sabe o meu nome, em todo o caso, é Ana Lúcia. Apenas gosto de me identificar.

    Desde que aqui vim, por meio do blog do Nilson Barcelli (um velho e estimado amigo), me deparo com poesias vicerais, das quais revelam um homem sensível e profundo, que não apenas vive, mas chancela o seu viver de modo retórico. É fogo que queima, derrete a areia, transformando-a em um vidro trabalhado. Pura arte!

    E como gostei...

    E deve ser por isso que o passado ainda lhe revela em nostalgias marcantes e pungentes (essa sua poesia). Como poderia ser diferente aos olhos de um poeta que transborda aqueles tais adjetivos?

    Pouco importa se o passado se repete ou não, afinal o homem se compõe de passado, presente e futuro. Sendo esse, o mais enigmático e o responsável pelos nossos sonhos e crenças..., que enfim, irão definir as nossas realizações.

    Parabéns pela poesia, que expira uma força propulsora, com pegadas firmes, rumo ao futuro...

    Beijos,

    ResponderEliminar
  14. Ah, Jorge alado...

    Reter o tempo é sonho de tantos... de certa forma é o que significa a lembrança: fio de tempo retido em novelo...

    Belíssimo desabafo lírico, amigo poeta!

    Beijinho para ser lembrado... e ótimo fim de semana!

    ResponderEliminar
  15. Jorgito, poeta da cidade de lá, aqui de cá penso nos regressos que, ainda que aconteçam, jamais terão os mesmos gostos, apenas um remendo de saliva a escorrer. A inocência é apodrecida nas bocas invernais.
    Amo de paixão as inquietações de teus dedos!
    Bjinhos de gostar e admiração.
    A imagem me é nostalgica. Linda!

    ResponderEliminar
  16. querida ana lúcia,
    é verdadeiramente contagiante o modo como entras nos textos e os tornas organismos vivos que nunca param de se metamorfosear.
    a nostalgia que aqui lês é a de um tempo global, não apenas do sido mas também do ainda-por-acontecer. afinal, o homem é todo o tempo e o tempo é cada homem e neste vaivém im.perfeito projecta todos os seus sonhos e decepções
    obrigado pelo teu carinho!
    um beijo!

    ResponderEliminar
  17. aninha-de-luz,
    talvez não consiga reter o tempo mas persigo o sonho de não deixar que ele me retenha a mim...
    beijinho e óptimo fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  18. "A inocência é apodrecida nas bocas invernais."

    ira, mestre maior,
    como eu gostaria de ter escrito isso... mesmo acreditando que nas idas se adivinham os regressos... rousseau e o demais tecido romântico que voou sobre a caverna de platão marcaram-me indelevelmente [inocentemente?] para toda a vida.
    beijos, queridíssima poeta-amiga!

    ResponderEliminar
  19. querido amigo, vou cair num lugar comum, mas a água não lava os mesmos pés duas vezes!
    Beijo
    Laura

    ResponderEliminar
  20. Lindo post, linda música...
    Fim de semana todo blue pra ti!
    Abraço afetuoso.

    ResponderEliminar
  21. ..e no prazer dessas viagens , profundas, lentas e caladas eu oiço. Oiço o grito das minhas mãos vazias de Ti onde permaneço de rosto fechado, nesta boca que me aperta como tenaz inerte e presa, fazendo do teu olhar o anseio das tuas alvas mãos cheias de alfazema nas rubras vontades do tempo que me tocam como seda…
    Não sei…
    Talvez regresse um dia….


    ......

    Eu regressarei com toda a certeza (sorrio-te)

    Bom fim de semana
    e
    Um Beijinho
    da
    Assiria

    ResponderEliminar
  22. Querido poeta-de-além-mar,
    o passado nos compõem.
    Cenários, sensações e o mais íntimo dos desejos, (profundos, enraizados em nós), jamais desaparecem.
    Esse mesmo passado se transmuta e se funde constantemente no que temos no presente, e isso é o que escreveremos em poemas no futuro, o que escreveremos em nossa vida.
    Coisas tão íntimas, mescladas a nossa essência, nos fazem retornar. Não só a lugares, mas a antigos sentimentos, nos presenteando com a juventude de outros tempos. Um inevitável mergulho em seco com escafandro; impermeável, mesmo sem água alguma. Inevitável, mesmo proteção.
    Natural, mas com nosso permissão.
    Beijos deste mar.

    PS.: Me causou certa inveja que conseguiste montar o cubo mágico!!!! rrrrrr
    Obrigada pela presença carinhosa por lá!

    ResponderEliminar
  23. Por mais longe que os caminhos da vida me levem, tento nao "fugir" do que fui, e ainda explorar a velha eu para muita nostalgia que o presente, ou o futuro ouse trazer...

    Lindo poeta, deixo um beijo brasileiro, mas de Viena, serve? :-))

    ResponderEliminar
  24. "lembrar-me-ia de todos os cometas
    dos candeeiros oxidados
    do teu perfume de alfazema
    e de algumas guitarras"

    Ô, você, Jorgito...o que fazes com as palavras?
    Lindo demais, moço! Bjos, cheios de carinho!

    ResponderEliminar
  25. deixar as palavras vazarem de onde nunca estiveram e ofertá-las aos próprios dentes e aos dedos e à tinta. voltar com as palavras que ousam e não omitem. ficar se poeta.

    espetáculo de poema...

    abraço, meu caro!

    ResponderEliminar
  26. Poema cheio de emoção muito profundo, sem voz no grito sentido de todas as palavras. Como diz (Fernando Pessoa) Outrora eu era daqui, e hoje regresso estrangeiro, Forasteiro do que vejo e ouço, velho de mim. Já vi tudo, ainda o que nunca vi, nem o que nunca verei. Eu reinei no que nunca fui. Adorei ler um pouco de seu espaço. Voltarei mais vezes. Vou seguir seu blog.Um abraço!

    ResponderEliminar
  27. Rapaz, porque será que sempre que te leio eu exclamo pra mim mesma: - Uau!!!
    :)

    Já pensou, amigo, se pudessemos "guardar o tempo entre as paredes da vida"?
    Não sei se gostaria... as coisas guardadas perdem o frescor, e, por isso mesmo, eu corro, de braços abertos, ao encontro do tempo que me resta (quem poderá medí-lo?), que, apesar de toda a incerteza que o cerca, faz-se mais e mais precioso a cada dia que passa.

    Jorge, pra você deixo beijos perfumados à alfazema ~.~

    Tenha uma linda e luminosa semana.

    Cid@

    ResponderEliminar
  28. esse duelo cálido
    é a voz de outro tempo
    (e por certo)
    já completamente agudo
    e voraz dentro do peito
    ...

    forte abraço,
    grande poeta
    e camarada

    ResponderEliminar
  29. Jorge
    Que poema maravilhoso!
    A saudade que dele exala numa espécie de cântico , a nostalgia que nele senti tecida fizeram-me marejar os olhos.
    A boca apodrece o silêncio e a tua escrita corrói a ( minha) pele .
    Beijo

    ResponderEliminar
  30. laurita,
    diria mesmo mais: há águas que sujam mais do que limpam :)
    beijos!
    p.s. comecei a ler as balas e já sou fã; entrei na número 4, mas fui espreitar, também, as três que antecederam este último disparo. o revólver ainda fumegava...

    ResponderEliminar
  31. peônia,
    obrigado!
    o fim-de-semana começou cinzento, a cavalo numa primavera que tarda em definir-se. que o teu seja blue :)

    ResponderEliminar
  32. assíria,
    todas as estações que nos nascem nas mãos rebentam no sol da pele em frutos que tingem de dor os lábios e acendem pôres-do-sol no manto palatino. do lado da montanha, o discreto aroma da alfazema a segredar-nos que quase poderíamos amar se a água voltasse a ser a capital dos desertos.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  33. querida cecília,
    somos, na verdade, todas as coisas que nos compõem. o tempo, na sua altivez desmedida, alinha o compasso, enquanto os rostos, os lugares, as decisões [e indecisões], as estradas percorridas e as flores por colher, as amoras do trilho e as ervas daninhas dos atalhos... nos revisitam na galeria a que chamamos vida. e todas as palavras nos ardem na voz, entre a chama e o gelo das realizações que nos prometemos e que ousamos [in]cumprir, entre tudo o que valorizámos e aquilo que deixámos que nos impusessem como linha de contorno definido nas nossas mãos. ainda assim, sem vitórias antecipadas ou derrotas absolutas; todos os revólveres serão de cartão e as balas as flores que dispusermos no tambor.
    beijinho, querida amiga!
    p.s. eu fiz batota com o cubo mágico; desmontei-o, peça por peça, para, na hora da sua recomposição, poder conjugar as suas diferentes faces. rubik nunca soube e nem precisa saber, hihihi!

    ResponderEliminar
  34. c.,
    todos os beijos coleccionam muito mais do que o carinho nos lábios do presente; carregam consigo o lastro dos afectos que construímos nas calhas do passado. e porque desejam reencontros, anunciam, também, o futuro.
    cada beijo não é apenas tempo ou o próprio tempo; é todo o tempo!
    beijinho intemporal, querida amiga do brasil em viena! :)

    ResponderEliminar
  35. oh, daniela,
    fosse eu encarnado como o sangue e aí, sim, alguma coisa de verdade saberia fazer com as palavras. assim, limito-me a procurar-me por entre veias e artérias em escafandro de mergulho em seco.
    és uma querida; obrigado!
    um beijinho e uma flor!

    ResponderEliminar
  36. caro celso,
    que trazes na voz - na tua própria voz da tua poesia maior e na que emprestas à dos outros? a tua estrela passeia-se pela foz do dizer em poema nocturno que sabe as artes de elevação do homem.
    um abraço maior!

    ResponderEliminar
  37. smareis,
    quantas vezes não temos saudades não do que fomos, mas do que nunca fomos? pessoa sabe-o como ninguém; bernardo soares, nem se fala...
    fico contente com a tua chegada até aqui; um abraço!

    ResponderEliminar
  38. amig@ cid@,
    há coisas que se guardam e que envelhecem; outras há que douram e ficam mais próximas da perfeição.
    por tudo isto o homem adivinhou deus: a eternidade é o mapa estelar que todos procuram para lá do que o oxigénio nos promete. e se conseguíssemos guardar o tempo na ânfora da vida? tornar-se ia pão duro e bafiento ou vinho de colheita seleccionada?
    sei lá, querida cid@, sei lá...

    ResponderEliminar
  39. amigo domingos,
    o tempo nasce no peito mas morre-nos fora dele. ainda assim, enquanto soubermos suspirar, ele é a chave que abre o corpo e toda argila que o compõe.
    um abraço, camarada-poeta-amigo!

    ResponderEliminar
  40. sandra, querida amiga de além-tejo,
    o cântico da saudade é sempre a partitura primeira da poesia, verdade? até porque a saudade raramente é o que se perdeu; é antes o que não se soube ganhar.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  41. Me parece um retorno impossível. Talvez apenas ensejado pelo artifício da palavra.
    Mas Deus sabe que as palavras em seu furo primordial resistem o quanto podem a esta empresa.

    Lindo e melancólico este trabalho.

    Um beijo!

    ResponderEliminar
  42. Querido poeta vc disse que o seu fim de semana "começou cinzento, a cavalo numa primavera que tarda em definir-se"...
    quero que saibas que desejo-te outros finais de semana, mas estes serão repletos de luz, de alegria e suavidade, ricamente tecidos pelos mais nobres fios das sedas celestiais.
    Beijos meu novo, mas já tão querido amigo.

    ResponderEliminar
  43. Jorge, talvez ? Não ! Já chega de tavez, estar em cima do muro; gritar o retrato da nudez eólica. O regressar ao ponto em que os dias vestem de cansaço, para que as linhas sejam refeitas num patamar, onde as voltas - as curvas, avisam perpetuação para buscas ao dicionário. Aguardar as notas, e resguardar-se sim no tempo, tal qual num basta o enluarado que rege rente as paredes da vida, e no mais abundante absorto da cerâmica de uma ânfora. Nas tentativas infindas até o ponto certo de uma massa, e abandonar sem dó e piedade a aldeia, que denota nebulosidade, mas resgatar, [re]pescar a casa que não cabe na mão, por acolher tão sentir, assim ligar o carro e partir ao caminho esquecido, abortado, donde o pomar rejuvenesce e o mau tempo é um borro que significantemente, colhe dizeres maduros. E na lembrança dos cometas, o perfume dos instrumentos musicais numa noite gelada, fisga as palavras e não se apodrece a boca em esperar, afinal esperar forja o interno; dos silêncios o pecado toma outro rumo, e como desfecho a culpa se anuncia em revisão. Todos os neurônios, como suas sinapses inscritos no coral de postura à modificação. E as promessas sem serem queimadas, mesmo que, cutucadas no fogo, a pele macia, tripidante no ressecamento, apaziguar o que de recordação traz cheiro desagradável, não permissão da poluição e mentira de titãs. Assim, sem revolver, mas buquê perfumal.

    Abraços e bela semana ave rara.

    Priscila Cáliga



    de um revólver de cartão sem perfume.

    ResponderEliminar
  44. «só quando a palavra queimar as promessas
    só quando os lábios apaziguarem a mentira»
    Belíssimo texto, Jorge!
    A propósito, lembro-me de me terem dito, há algum tempo, qualquer coisa como: “Toda a História é presente. Todo o presente é passado.”.
    Nunca é de mais regressar, de certa forma, à memória, a valores e momentos do passado, enquanto vivemos este presente. Contudo, como já cá foi escrito, “a água não lava os mesmos pés duas vezes”. Ou será que lava e nós ainda não nos apercebemos?...
    Beijinhos, amigo!

    ResponderEliminar
  45. Que poema mais rico... E as antíteses, ritmo; impecáveis! Adorei todas as ironias que me fizeram recordar – através das imagens provocadoras – de algumas reflexões de Drummond (lutar pela palavra/ É a luta mais vã...) e, em específico, de uma obra de Mia Couto chamada "Antes de Nascer o mundo", onde um personagem é quem afina o silêncio. Reverencio a qualidade de sua 'poiésis'. Parabéns, amigo!!!!

    http://cronutopia.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  46. Querido Amigo venho deixar um carinhoso beijo
    desejar um feliz final de semana .
    Como não poderia ser diferente mais um belissimo poema que encanta meu coração.
    Vou te espera lá no meu cantinho beijos meus,Evanir.

    www.aviagem1.blogspot.com

    ResponderEliminar
  47. Por vezes o silêncio transmite seu recado: siga em frente como fazem as águas de um rio... Nesse ponto, pode ser mais efetivo do que certas palavras que alucinam, viciam e prendem...

    Beijinho, querido Jorge!

    ResponderEliminar
  48. Meu Deus!!!
    Não é só um poema... é um grito.
    Não sei como explicar
    esse seu regressar.
    Achei tão lindo...
    Com carinho
    Bom final de semana.
    Fátima

    ResponderEliminar
  49. mergulho no seco, precipício horizontal, paradoxal
    alinhavar palavras, temê-las em segredo
    quando talvez o regresso infindo seja o estar


    abraço poeta

    ResponderEliminar
  50. Ei poeta da saudade, das lembranças e do tiro certeiro. Vim aqui ler-te e mandar-te um beijo.

    ResponderEliminar
  51. Meu Poeta Maior

    Hoje...e já é madrugada, não tenho mesmo palavras...senti apenas cada uma das tuas com emoção e em silêncio,(para não acordar o tempo e conseguir adormecer a noite)...vou...mas regressarei um dia.

    Dolososamente...entrego-me ao silêncio...morri
    Sou verso maldito...rasgo as palavras...que me rasgam
    Entrego-as ao tempo...arranco-as da alma...de mim
    Deito-as ao mar...esqueço que um dia foram afago

    Não resisti a deixar-te este pequeno rascunho...e com ele o meu beijinho carinhoso.

    Sonhadora

    ResponderEliminar
  52. jorgíssimo,
    aqui, nessa madrugada em que o mundo não acabou e minha filha caçula matou, por acidente, seu passarinho de estimação, e uma tristeza imensa tomou conta do mundo, leio um grande poema seu.

    belas palavras. tava saudoso de vir aqui te abraçar.

    e o faço. com gosto.

    seu amigo,

    r.

    ResponderEliminar
  53. isadora,
    que regresso não se faz trilho de argonauta na certeza líquida das ondas da poesia?
    beijo!

    ResponderEliminar
  54. querida peônia,
    as luzes e as sombras fazem parte do mapa existencial do ser humano, verdade? ainda assim, não está escrito no seu mapa genético; depende, sobretudo, da sua relação consigo mesmo e os outros.
    doces são as tuas palavras e imenso o teu coração.
    beijinho e primaveras para ti!

    ResponderEliminar
  55. a voz do poema: "talvez regresse, um dia.
    mas
    só quando a palavra queimar as promessas
    só quando os lábios apaziguarem a mentira"

    priscila: "Jorge, talvez ? Não ! Já chega de tavez, estar em cima do muro; gritar o retrato da nudez eólica..."

    priscila, querida,
    em cada advérbio há uma definição de acção, mesmo no de dúvida. em "agora", "aqui", "rapidamente"... aconteço; já "talvez" aponta ao trilho da semi-inconsciência que é, em si mesmo, apesar de tudo, uma decisão.
    não seguro do garante destas nuances, a mão do poeta olha para a gramática dos homens e empresta a exclusão: "apenas", "só", como se a resolução da dúvida dependesse das condições. e até pode depender para se constituir como nova acção, todavia, a assunção de que depende de algo é, já em si, e de novo, decisão.
    em síntese, a cavalo do advérbio, trotamos pela semântica mais do que pela morfologia ou sintaxe, acreditando que ao adiar [talvez...] o relativo [só... apenas...] acabamos por assinar o absoluto.
    beijos gramaticais.

    ResponderEliminar
  56. querida cristina,
    e por falar de citações lidas, ou de já ditos e quase ditos, acrescentaria que cada homem não é apenas o tempo, mas todo o tempo.
    quanto à possibilidade de a água poder lavar os mesmos pés por mais que uma vez: hum, na maior parte dos casos não lava; leva :)
    beijos!

    ResponderEliminar
  57. caro dilso,
    fico especialmente feliz por sentir teres gostado deste mergulho em seco. ainda que a luta pela palavra possa ser vã, como bem sustentas na argumentação de um dos maiores [drummond], só nela nos confrontamos com o que não sendo dito nos possa escapar.
    um abraço com os músculos em agradecimento!
    p.s. estou seguro de que aquele que ousar afinar o silêncio fará da música a religião de todos os homens.

    ResponderEliminar
  58. evanir,
    sê bem regressada. é sempre um gosto sentir a tua delicada presença nestas viagens.
    beijos e até breve!

    ResponderEliminar
  59. querida lívia,
    a nossa relação com os silêncios e as palavras é tão adversa e controversa que nunca se revelará definitiva, verdade? assim como aqueles milhões que se castigam com o cigarro, mas que se tornam ainda mais sofredores sem ele...
    oh, as palavras e o seu cântico sedutor...
    beijinho, amiga!

    ResponderEliminar
  60. amiga brasileira em terras da boa música, do chocolate irresistível, do mágico klimt [a propósito, belvedere é daqueles lugares obrigatórios pelo menos uma vez na vida, verdade? :)] e de tantos encantos mais [desde logo, o ter ligação directa a praga :)], desejo-te, igualmente, um belo fim-de-semana!
    um beijinho e uma flor, querida c.!

    ResponderEliminar
  61. querida fátima,
    ainda me ardem os espinhos na garganta :)
    obrigado pelo carinho!
    beijo grande!!

    ResponderEliminar
  62. em síntese, amigo assis:
    em meia água ou água nenhuma, com os pés frios ou atravancados em borracha, rosto empedernido ou macilento, botija de oxigénio ou respiração livre, em corais ou sob sargaços, todos os mergulhos com as palavras do tempo são o próprio presente. porque estão. porque são.
    abraço, poeta maior!

    ResponderEliminar
  63. ei, luíza,
    artista multifacetada de rima em cor sobre telas de palavras com asas, beijo recebido e retribuído! :)
    que bom ter-te por cá.

    ResponderEliminar
  64. querida sonhadora,
    os silêncios que matam são os mesmos que sabem dar vida. terá sempre o coração ouvidos para os escutar e força para os entender?
    bela incursão pelas galerias silenciosas que nos habitam em segredo. como não temê-las?
    beijinho, querida amiga!

    ResponderEliminar
  65. primeiríssima pessoa,
    que saudades tuas! tenho-me perguntado como andará o jornalista mais brasileiro dos states e, da primeira linha dos blogues, o amigo maior. sempre que visito ou sou visitado pelo assis, pelo pedro, pela tânia, entre tantos outros, recordo-me das tertúlias que sobre tudo [e especialmente - e deliciosamente - sobre nada] deixávamos germinar na nossa mão; e como nos fizemos próximos à distância do tento e da saudade, mas na proximidade imbatível da palavra.
    como corre o projecto que alinhavaste com a fita-métrica do sonho, querido amigo? sei que futeboisticamente, menos mal, com o super-cruzeiro na final do brasileirão. já o meu benfica, reescreveu o significado da palavra "quase" em tudo o que se envolveu; e o pior de tudo, concedeu ao rival azul [que para a geração do meu pai foi conjuntural, mas que para a minha é estrutural] a glória que nos prometeu. e a águia perdeu as asas, como o passarinho que a tua pequena guardou na gaiola das saudades. mas essa, que não conhece grades, há-de abrir-se em voo de açucena até à terra dos sorrisos, lá onde até a chuva aquece o corpo e o vento penteia o olhar.
    um abraço com saudades imensas, robertílimo!

    ResponderEliminar
  66. muito contrariada, tenho andado afastada daqui... sei que há sempre um belo poema que estou a perder! o tempo falta e as faltas só fazem crescer.

    bj

    ResponderEliminar
  67. Belo o seu blog, poema perfeito, parabéns.

    ResponderEliminar
  68. querida ana,
    cada visita tua anuncia-se como se a primeira. porque toda a poesia espera por aqueles que a sentem com os olhos do coração.
    beijo com carinho!

    ResponderEliminar
  69. flor-de-pétalas-tristes,
    agradeço-te a visita e a ternura das palavras [não sem um certo rubor de face, confesso :)]

    ResponderEliminar
  70. É difícil dizer qual poema mais lindo que já li por aqui, mas esse, digo sem medo, é um dos mais belos...

    Talvez eu regresse, e não deixe mais o barco a deriva. Mas talvez eu fique por aqui, ancorada em terra firme, em águas distantes...

    Belo demais, querido...

    beijos

    ResponderEliminar
  71. E se regressar que seja em aguas serenas...beijos achocolatados

    ResponderEliminar
  72. Meu bom amigo Jorge!
    Que haja um regresso!
    Boa semana

    http://www.transpondo-barreiras.blogspot.com/

    Um abraço

    ResponderEliminar
  73. um dia, quando as palavras queimarem as promessas, regressaremos. talvez este dia seja hoje. ou talvez nem seja dia. importante é ser palavra sempre.
    beijo!
    ps. tou levando um pedacinho de vc pra mim.

    ResponderEliminar
  74. ..."cansei-me de fugir das palavras
    e de esperar a boca que apodrece silêncios
    como se o grito de luas de coral
    fosse pecado inscrito no peito
    e a voz a maior culpa dos que morrem."...

    Amigo,
    ler-te é sempre um regresso, ao encontro com a minha alma.
    Beijinhos, Jorge!

    p.s. obrigada pela tua viagem no Lua, sempre uma alegria :-)

    ResponderEliminar
  75. Queremos ou não queremos regressar... mas, muitas vezes, há condições inultrapassáveis...
    Um abraço, caro Jorge.

    ResponderEliminar
  76. Que lindo teu poema, Jorge!
    Você faz mágica com as palavras.

    Beijo

    ResponderEliminar
  77. Um poema cheio de nostalgia. Um dia quando as palavras fizer moradia na alma, sempre há regresso. Ótimo começo de semana.Abraço meu amigo!

    ResponderEliminar
  78. querida suzana,
    [há já tanto que te conheço e só agora me dou conta de que vinha escrevendo o teu nome erradamente, ao grafá-lo com dois "z" :)]
    que regresso pode ser mais assustador? o que deixa o barco à deriva, ou o que amarra definitivamente ao cais? se as respostas fossem fáceis, ninguém fugia das perguntas...
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  79. sandra, amiga com voz de chocolate,
    há serenidades que devastam tanto quanto a mais cruel das procelas...
    beijinho doce!

    ResponderEliminar
  80. josé, caro amigo,
    que nenhum regresso nos devore as pernas ou o desejo de viajar.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  81. loba,
    a palavra não queima nos teus lábios; arde. e arde, porque não é promessa, antes palavra, ela mesma, singela, sem subterfúgios e fogueiras de papel.
    um abraço!
    p.s. passei ontem, num furo na correria, pelo teu blogue e percorri o que levaste desde aqui. envaideces-me com o gesto. obrigado!

    ResponderEliminar
  82. andy, amiga,
    há regressos que não dispenso. à tua lua, desde logo, evidentemente.
    beijo grande!

    ResponderEliminar
  83. "Queremos ou não queremos regressar... mas, muitas vezes, há condições inultrapassáveis..."

    caro nilson,
    há quem regresse sem nunca o ter desejado, do mesmo modo que há quem o deseje e não o saiba fazer... a chave para a verdadeira epifania poderá residir na [ir]resolubilidade deste dilema - a nossa condição.
    forte abraço!

    ResponderEliminar
  84. querida dade,
    a tua simpatia só é comparável à grandeza da tua alma poética.
    obrigado!
    beijinho!

    ResponderEliminar
  85. smareis,
    de regressos todos sabemos um pouco até porque a forma plural do termo é o sintoma maior de que falamos de viagens múltiplas e diversas. como bem fazes notar, desde logo na escrita e, em especial, na escrita poética: sempre que a palavra faz morada no peito, há regressos que se tornam inevitáveis.
    beijos!

    ResponderEliminar
  86. Jorge..Vim especialmente agradecer ao gentil comentário em forma de poesia que voce deixou em meu blog.
    Saiba que é um prazer recebe-lo. Sempre.
    Um beijo!
    Ma Ferreira

    ResponderEliminar
  87. Sempre que a palavra faz morada no peito, ela se faz viajante por lugares de “caminhos-por-descobrir” [olimpo], a partida e o regresso são constantes. E concordo contigo, o “talvez” é a certeza tímida do regresso permanente. Gosto desse pormenor romântico de Azenha.
    também o som, sempre fantástico. hum...[não consigo traduzir..., mandas p'ra mim :))]
    beijo, encanto de amigo, desculpa o meu atrazo.

    ResponderEliminar
  88. Jorge,
    regressar e viver o que nos molda e nos marca..
    tão fortes são as palavras em tuas mãos..
    beijos querido poeta..

    ResponderEliminar
  89. ma,
    é absolutamente fantástico o teu trabalho e o modo como o harmonizas com imagens e palavras de outros num todo tão pessoal. impossível não apreciar.
    bneijinho!

    ResponderEliminar
  90. amiga-de-tantos encantos,
    a azenha do mar é um dos lugares que mais me surpreenderam nesse litoral alentejano de tantas faces e um só esplendor! ora aí está como todos os regressos, mesmo que anestesiados pela dúvida em advérbio, acabam por se tornar certeza inequívoca.
    o som de que falas é de uma banda que adoro: sigur rós. é totalmente alternativa e faz assentar a sua pessoalidade em melodias lentas e melancólicas, bem suportadas pela voz segura [num tom aparentemente frágil] do vocalista. uma das experiências mais curiosas a que assisti é a de uma parceria dele com o dj tiesto[!?]; combinação bizarramente irresistível :) sobre a tradução... como fazê-lo? são finlandeses!!! :)
    beijinho e encantos, querida amiga!

    ResponderEliminar
  91. querida ingrid,
    que as partidas e os regressos não se desenhem antípodas no globo do coração.
    um beijinho terno!

    ResponderEliminar
  92. Um comentário seu no blog da Sandra aguçou minha curiosidade e vim conhecer este espaço.
    Tenho que admitir que é mais envolvente do que podia imaginar. Suas palavras, além de muito bem colocadas, demonstram a qualidade de seus escritos. Parabéns!

    ResponderEliminar
  93. olá, marilene,
    agradeço-te a visita bem assim como as palavras-carinho que aqui deixas.
    um bem-hajas!

    ResponderEliminar
  94. A cada vez que a atribulação do dia-a-dia desse mundo moderno em que vivemos me permite ler-te tenho a sensação de ter recebido um presente. Tuas palavras sempre encantam, acalentam e acalmam qualquer pressa.
    Lindo demais esse... Vontade de navegar e naufragar por aí...
    Um beijo!

    ResponderEliminar
  95. querida carina,
    e porque as viagens não se fazem na solidão das vagas, a tua presença é porto-de-abrigo do mais negro dos abismos.
    um beijinho com maresia!

    ResponderEliminar
  96. Tudo diluído em oco!Ah... não passei antes não por que deixei de ler, não conseguia entrar no blog... Porém suas palavras mesmo longe são sinfônicas e orbitantes..

    ResponderEliminar
  97. querida michelle,
    sei que o blogger tem andado desorientado, ainda que creia que aos poucos se vai realinhando.
    por falar de palavras circunflexas e orbitais: temos algumas que se uniram num texto de uma boca só. a ideia é publicá-lo? por mim, com certeza.
    beijinho grande!

    ResponderEliminar