sexta-feira, 1 de abril de 2011

petróleo: a candeia que se escreve com as letras do teu nome

                                emil schildt, the end of the world

faço tudo para que o poema arda
mas já só tenho a certeza de nada.
às vezes penso que a poesia não existe
e que o poeta é apenas mais um homem
que deambula pelas ruas da respiração,
entre lixos e detritos,
e grita, rouco, ao medo esquecido
na tempestade da sua cidade.

aprendi que a poesia atravessa os silêncios
e campos de açucenas,
distribui primaveras
no inverno dos homens,
e costura flores e perfumes
em rostos sujos de tempo e rejeição.
mas a voz perde-se na doença anónima
que há-de costurar o seu corpo seco.

sabes,
eu fui poeta
antes do corpo virar do avesso
e fui amante
depois que as mãos se tornaram pequenas
fui também homem
antes da escalada ao sol
sobretudo fui louco
nas letras que navegam o teu corpo.

hoje,
a poesia já não é mais que o sangue adormecido nas veias:
todo o canto tem verso branco
e métrica imperfeita
nas mil e uma noites de distância
do teu nome.

placebo, protect me from what i want

121 comentários:

  1. "- Você não existe. Eu não existo. Mas estou tão poderoso na minha sede que inventei a você para matar a minha sede imensa. Você está tão forte na sua fragilidade que inventou a mim para matar a sua sede exata. Nós nos inventamos um ao outro porque éramos tudo o que precisávamos para continuar vivendo". (Caio Fernando Abreu)

    ResponderEliminar
  2. sacio a sede com a própria sede. e a água torna-se dispensável...
    beijos, vanessa!

    ResponderEliminar
  3. Tu és poesia, Jorge!E o teu sangue (aposto)não está adormecido nas veias.
    Beijo

    ResponderEliminar
  4. mil e uma noites de distancia e todo o périplo para nunca se fazer chegar, as palavras consomem os dias com seus castelos de versos, o sangue do poeta é puro destilado há que se sorver dos avessos,

    abraço grande

    ResponderEliminar
  5. Tua poesia me atinge em cheio. Impacta, adentra-me, rasga o banal e destrói clichês. Placebo tomamos em comum, mas tuas palavras não são inócuas, não é placebo: ativa neurônios.

    Enorme prazer te ler.

    Abraços!

    ResponderEliminar
  6. sandra,
    as veias são vigilantes; não deixam que o sangue durma, mesmo quando amolecido pelo ópio do tempo, da memória e da melancolia.
    beijinho, querida amiga-poeta!

    ResponderEliminar
  7. são mil e uma noites
    mil e um poemas
    mil e tantos ideais.
    que a viagem se faça inteira na roda dos números de magia indefinida.
    abraço amigo, poeta assis!

    ResponderEliminar
  8. amigo celso,
    temos, certamente, muito em comum para lá de placebo (refiro-me à banda, mas também, quem sabe, ao lexema): o gosto pela poesia.
    é um prazer e um privilégio meus esta tua presença e todas as tuas palavras-estímulo nestas viagens que se fazem nunca solitariamente.
    um forte abraço!

    ResponderEliminar
  9. "..faço tudo para que o poema arda.."

    ..arda de mão em mão, na fragilidade do poeta!

    Gostei da sua poesia!Parabéns!

    Um beijinho
    da
    Assiria

    ResponderEliminar
  10. como um sopro de vida na fragilidade do poema :)
    beijinho!

    ResponderEliminar
  11. nos corre nas veias o sangue e o branco, unos na escalada da loucura que libertamos em nossas mãos..
    viagem onde o rumo é traçado a cada verso.
    mais um encantamento aos sentidos as tuas palavras Jorge..
    beijos querido amigo e obrigada sempre!

    ResponderEliminar
  12. querida ingrid,
    quem te agradece o carinho imutável sou eu. tu sabes como costurar os remendos dos versos, porque tens nos dedos a poesia dos sentidos.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  13. Jorginho, teu poema é exatamente assim: ardente! Não o toco, porque queima a mão, mas o incêncio se faz no olhar. Abraso-me quando te leio. E é tão bom! Gosto imensamente, imensamente....da tua escrita, você sabe, não?
    Beijos,

    ResponderEliminar
  14. taninha,
    porque o fogo restaura e purifica, deixe-se arder!
    sabes tu o quanto me é grato ter-te por cá, verdade, querida amiga?
    um beijinho com a imensidão do fogo!

    ResponderEliminar
  15. Que intensidade Jorge.
    Uma busca quase que ininterrupta daquilo que o poeta poder ser.
    às vezes sinto que a poesia nos invade de forma sorrateira, como uma serpente bem grande.
    Depois essa mesma serpente nos enrola e nos quebra os ossos, tritura cada parte de nós. Mas ao invés de nos engolir, como próximo passo, ela nos larga ali, quebrados e, aos poucos, vamos nos recompondo de novo, até a seguinte poesia nascer...
    Um abraço

    ResponderEliminar
  16. malu,
    o poeta remexe, busca, persegue... quando julga que alcança, olha para o lado e vê alguém remexido, quebrado, vencido; o espelho faz morada nos seus ossos. só a poesia lhe concede a mão e o olhar moribundos para poder reencontrar os pés e os passos...
    beijinho!

    ResponderEliminar
  17. Adorei o blog..
    estou ficando aqui, retribui?


    beijos,
    http://pathyoliver.blogspot.com

    ResponderEliminar
  18. Jorgito, sempre!
    Tua poesia me rasga a pele e invade o osso, o sangue acorda, ao invés de dor, ânimo, pois o fogo que queima o avesso me purifica, ainda que nas mil e uma noites de distância do teu nome.
    Bjs do avesso

    ResponderEliminar
  19. olá, patrícia,
    claro que sim :)
    agradeço a simpatia das tuas palavras.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  20. ira, querida amiga,
    tudo o que nos define recta e bússola começa do avesso. é a mão que entalha a imperfeição quem tudo move.
    beijinho de viés [etapa 2 entre o avesso e o direito :)]

    ResponderEliminar
  21. "sacio a sede com a própria sede. e a água torna-se dispensável..."
    Bonito...vou ser-te bem honesta,nunca curti muito poesia...rsrs,pode me censurar.Mas estou aprendendo a gostar lendo alguns poetas brilhantes como tu.
    Bom fds,bjk

    ResponderEliminar
  22. a palavra enfeitiça, emiliana. o perigo é dizer-se, um dia, que estamos a dar-lhe uma oportunidade. enreda-se-nos nos corpo e nunca mais nos liberta. mas... é tão bom!!!
    beijinho!

    ResponderEliminar
  23. Na minha certeza do nada, e na amplitude da tua poesia aprendi que os silêncios conseguem ser invadidos por palavras que lhes tocam.
    És poeta.

    beijos
    OA.S

    ResponderEliminar
  24. A poesia é uma das mais belas maneiras de se expressar os silêncios, Jorge alado! E tu a utiliza com grande sensibilidade! Saiba que te escuto...

    Beijinho de Luz e um fim de semana ritmado!

    ResponderEliminar
  25. JoPi, acho que encontrei mais um pouco do rio onde ela extravasa... mas juro-te pelo mais sagrado, que não sei da poesia, nem do poema. não sei conhecê-la, não me atrevo a conhecê-la... somos desconhecidos, mas conhecidos que se encontram sem saberem o espelho um do outro.

    e, ai, até atiro-me à raiz do palco, traves de madeira, e as palavras bailam certeiras, qual essencia desnuda cantando ''sabes,
    eu fui poeta
    antes do corpo virar do avesso
    e fui amante
    depois que as mãos se tornaram pequenas
    fui também homem
    antes da escalada ao sol
    sobretudo fui louco ''

    pois, acabo eu, agora
    porque a lua, ser lunário, com brilhantina alisou meus cabelos, e desceu às raízes da própria costura que me habita as veias... azuladas tal como o fundo da noite, de onde partem todos os segredos.

    - /// bem, extravasei... ///

    ResponderEliminar
  26. palavras de mar que perscrutam o silêncio dos homens. os olhos, líquidos, perdem-se no encantamento da voz que um dia lhe mentiu o poema.
    obrigado, amiga-dos-oceanos!
    beijos paea ti!

    ResponderEliminar
  27. aninha-de-luz,
    soubesse eu dos silêncios tanto quanto julgo saber do ruído...
    beijinho grande!

    ResponderEliminar
  28. não sou eu é a outra,
    maior poeta não é aquele que verseja como as aves; é o que é ave sem saber que verseja.
    um abraço, poeta!
    p.s. "porque a lua [...] desceu às raízes da própria costura que me habita as veias... de onde partem todos os segredos." poderoso!

    ResponderEliminar
  29. Minorias, esquecidos, e tudo o que era rejeição o poema acolhe e distribui.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  30. larinha,
    pudesse ele, na generosidade da tua voz, conceber-se maior...
    beijo!

    ResponderEliminar
  31. O Jorge, mesmo sem o São, vence..
    Sua espada é a palavra..
    Seguindo seu espaço, claro!

    ResponderEliminar
  32. Bem intenso esse poema, tem uma forca nele irrefutável. Você é todo poesia Jorge, te admiro assim.

    #Beijinhos lindo man.

    ResponderEliminar
  33. Poesia é combustível incombustível, arde, queima, mas nunca consome-se por completo.

    Lindo, lindo, lindo, Jorge. Cada vez mais fã dos teus escritos.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  34. "aprendi que a poesia atravessa os silêncios
    e campos de açucenas,
    distribui primaveras
    no inverno dos homens"

    A poesia tem esse dom de transmutar estações, sensações, emoções...

    Amo a tua poesia.

    Um lindo e primaveril fim de semana.bjs

    ResponderEliminar
  35. Lindo poema, meu amigo do além-mar.
    Me senti na estrada, acelerando, freiando, ao ritmo do poeta, do seu poema. Me senti livre, por ora presa, "sangue adormecido nas veias".
    Interessante como esse poema tem álternância de "velocidade" no que significa, mas próprio ritmo.
    Me lembrei de novo do Llorca, me desculpe, mas pela palavra "açucenas" e depois pela própria alternância do poema. O "duelo de tigre e açucenas" de llorca, em "o poeta diz a seu amor que lhe escreva".
    Por certo tens identidade própria, autenticidade, mas a lembrança de outro grande poeta, é bonito, também sangue correndo nas veias.
    Grande beijo, te cuida.
    PS.: Também tenho restrições a certas redes sociais,neofita talvez, mas percebi que o Facebook é uma boa ferramenta para divulgação do meu trabalho.

    ResponderEliminar
  36. querida raquel,
    de são jorge, apenas tenho o facto de combater o dragão (na imagética desportiva portuguesa, o grande rival do meu clube do coração :)).
    a palavra pode bem ser uma espada, já o diziam camões, eugénio de andrade e cesariny. mas a minha palavra só arranha :)
    um beijinho e uma agradecimento!
    p.s. amarante, o topónimo que levas no nome, é uma cidadezinha portuguesa, no norte, muito bonita e de que gosto particularmente.

    ResponderEliminar
  37. doce c.,
    todos os homens que procuram alguma coisa, levam consigo livros, tinta e pelo menos um nome numa mão; uma forca, um canivete e terra na outra. e o mais curioso de tudo é que, na sua diferença, ambas as mãos aprenderam a conviver uma com a outra. as más línguas dizem que esa é a razão para o nascimento dos poetas e da poesia.
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  38. querida carina,
    essa é a verdadeira magia da poesia; arde e faz arder sem nunca queimar. é a rota do fogo!
    beijinho com carinho!

    ResponderEliminar
  39. Jorge, este poema é belíssimo... E, desta vez, não há versos que me chamem mais a atenção do que outros, ou que ache particularmente bonitos. O poema vale assim mesmo, completo. E vale muito! Muitos parabéns!
    Um beijo!

    PS: Saltou-me aqui à vista "dragão"... Combate o dragão?! Não gostei de saber... :/

    ResponderEliminar
  40. parole, ninfa da palavra,
    a poesia define-se na expressão-limite do dizer. emily dickinson diz "quando leio um livro e ele faz o meu corpo inteiro tão frio que nenhum fogo pode me aquecer, eu sei que aquilo é poesia". e porquê? porque nela, e só nela, os contrários se harmonizam de tal modo que aos olhos de quem lê parecem apenas retórica.
    um beijinho em verso!

    ResponderEliminar
  41. cissa, contadora de histórias que amarra [a propósito, como vai a dona xerife? :)],
    lorca é um monstro sagrado. não me recordava do poema a que aludias no teu comentário, razão por que o fui reler. e lá estão os topoi do tigre e da açucena na convivência belicosa daquele que rasga as veias para se conhecer. afinal, de que serve não se ter a si mesmo? talvez a carta chegue a com ela o sangue volte a remexer a terra...
    é admirável, lorca, verdade?
    beijinho! é tão bom ter-te nestas viagens!

    ResponderEliminar
  42. pois, é bem verdade, cristina. este jorge, no estrito cumprimento das responsabilidades de que foi investido por baptismo e nome próprio, só podia combater o dragão :). e neste fim-de-semana, de modo ainda mais especial, hehehe!
    beijinho, querida-jornalista!

    ResponderEliminar
  43. Ser poesia, ter poesia, escrever poesia, sentir poesia...ler em uma letra a poesia do infinito...Te imagino assim.Beijos achocolatados

    ResponderEliminar
  44. Depois deste fim-de-semana falaremos, então... Bem seriamente! eheh.
    [Estou a pensar com os meus botões: benfiquista?! tchhh...]
    Beijinho!

    ResponderEliminar
  45. sandra,
    obrigado pelo teu carinho sempre tão docemente achocolatado!
    beijinho!

    ResponderEliminar
  46. pois,
    prefiro então aguardar por domingo às 22.30h :)
    o meu orgulho é sempre tão encarnado :)
    [portista? tchhhhh...]
    beijinhos de [ainda] campeão :)

    ResponderEliminar
  47. Portista, pois claro! E com um orgulho bem azul! :))
    A propósito, gostei muito desse "ainda"... eheh.
    Beijos azuis... bem portistas!!

    ResponderEliminar
  48. Jorge, após a leitura do poema, só tenho uma coisa a lhe dizer:

    UUUUUUUUUUUUUUUUUU
    AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
    UUUUUUUUUUUUUUUUUU
    !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    :)

    ResponderEliminar
  49. ... e a labareda dessa candeia vê-se ao longe, mesmo antes de chegar ao poema, porque o combustível que a ateia é poderoso, não apaga com um sopro, muito menos com essa ventania de "emil"
    ... aqui tudo é vivo, desde a primeira palavra
    ... o sangue corre ardente na veia do poeta em aflição, na guerra das contradições que lhe guerreiam dentro do peito... "é um não querer mais que bem querer...", ou será o contrário...
    ... e a poesia acontece e escorre ardente pela pele de quem a lê...
    e é curioso... parece um poema escrito a quatro mãos...
    estrofe sim é raiva... estrofe não é grito urgente...
    há poetas imortais [perdoa repetir-me]nunca o seu sangue secará, tu serás um deles!
    beijo, amigo-dos-encantos-meus

    ResponderEliminar
  50. :)... é que esqueci de fazer referencia ao video... que [após o arranhão que o nome do poema me causou] o meu primeiro "acto" foi fazer-lhe um escalpe da letra :))
    lindo:)
    tudo perfeito, sempre:)
    [tenho uma curiosidade imensa nesse sofrido jornal...:)]

    boa sorte para o jogo [seguro que vai haver muito mais que arranhões, logo à noite, eheheh, eu?!.... pois... eu sou "verde" como o título deste poema ;)]
    mais bjin, num sorriso.

    ResponderEliminar
  51. cristina,
    vê lá se amanhã não vais estar azul... de raiva :)
    beijos com desportivismo (ei, mas não com tanto desportivismo quanto possas julgar, hehe!)

    ResponderEliminar
  52. as tuas interjeições são sempre uma maravilha, cid@ amig@. fazes-me sorrir :)
    beijinho enorme!

    ResponderEliminar
  53. amiga-de-todos-os-encantos,
    a poesia é, também, o grito e a fúria que, na sua unidade, convertem, refratariamente, o poeta em outro(s) eu(s). olha, os teus olhos sabem ver para além das palavras, são olhos que desnudam [raios, a sensação de nudez pública (aquela que tantas vezes nos atormenta nos sonhos, acintando o suor) é bem pior na realidade :)]; e isso é simultaneamente extraordinário e assustador.
    o título do poema: foi justamente na construção do último número d'o despertar que surgiu este trocadilho, lá no gabinete dos jornalistas-amadores. a frase "o que não se escreve com as letras do nome" ficou a bailar-me na cabeça [na verdade, foi até mais no peito do que na cabeça :)] e ontem, quando consegui ter algum vagar, juntei-lhe a candeia e a combustão e deixei que este mote se desfiasse. deu no que deu. parece que não posso dispor de tempo livre [hehehe].
    placebo é uma das minhas bandas de referência. curiosamente, nunca assisti a um concerto seu ao vivo. a letra desta música é verdadeiramente inquietante. incrível como esses olhos de leopardo conseguiram desviá-la do breu da noite.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  54. Que poema, Jorge!
    Que poema, meu querido amigo!
    Eu quis destacar um verso, que me servisse de mote para o comentário, mas qual... Como destacar um só verso?
    Bravo, amigo!
    Abraço bem apertado, do lado de cá do mar.

    ResponderEliminar
  55. zelita,
    sempre especial a tua visita.
    beijinho salgado desde o lado de cá do mar (o advérbio "cá" subitamente tornou-se ambíguo; serve a ambos os lados do oceano :))

    ResponderEliminar
  56. O desportivismo de quem aceita, com normalidade, uma vitória do FC Porto e a derrota do seu clube?! Pois claro! eheh.
    Beijinhos, Jorge...

    ResponderEliminar
  57. Querido Jorge,

    Seu poema é arte que arde no corpo o grito da alma e perpetua a sede no infinito.

    Beijo!

    ResponderEliminar
  58. Amigo Poeta, que coisa magnífica é esse poema! Estou aqui de boca aberta, literalmente, viajando nas metáforas que vc bordou com mãos tão sensíveis. Parabéns, amigo. Vc é maravilhoso!

    Fique com mais um dos meus silêncios, pq, sinceramente, não sei dar-te outra coisa nesse momento que o meu silêncio e a minha admiração.

    Abraços poéticos. :)

    ResponderEliminar
  59. JP, no principio dos meus 20 anos escrevi mil e tal poemas. Era obsessivo. Queria escrever, escrever. Escrevi de facto muito, em bruto. Aquele, é apenas um, que já lapidei, mas não o suficiente. Há anos que mantenho um baú fechado cheio de papelada escrita, bem longe de mim. Nunca mais mexi. Um dia, alguém, disse-me que quando fosse velha iria ter muito tempo e trabalho para escolher e ''endireitar'' as palavras... em suma, corrigir /alterar/ lapidar!! Mas até chegar a velhota (se lá chegar), muita água rolará debaixo da ponte, logo, ainda muito mais papelada/netada escreverei... portanto, irá ser uma velhice que nem conto, de muita escrita. Quem sabe se até lá, desbloqueio o meu péssimo talento para a Língua Portuguesa. No entanto, infelizmente, tenho ''medo'' da escrita, em tempos escrevi um pequeno poema em que vociferava tantas razões, existências; anos depois encontrei-o, e fiquei chocada... existem muitos outros textos dentro do mesmo conceito de escrita, não tem de ser necessariamente poesia!!
    Não sei se algum dia crescerei, o suficiente, para saber escrever e dizer alguma coisa com juízo!!!

    Beijos...

    ResponderEliminar
  60. Meu querido Poeta

    Tu és o POEMA...não tens sangue...o que te corre nas veias são palavras...a tua sede, só a poesia a mata...a poesia é o grito profundo da tua alma...a poesia é o que te veste...fazes amor com a poesia...escreves-TE.

    Deixo o meu beijinho carinhoso e a minha admiração profunda.
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  61. Muito prazer.É assim que te conheço,todinho pelo avesso.Todinho sentimentos velozes que se espraiam e se aninham neste meu coração testemunha que te le.

    com carinho,

    Cris


    Apareça

    ResponderEliminar
  62. Nooooossa,
    já o título é tudo de delirante, e vem: doido.
    pois é, e os versos, heim?
    poeta homem amante louco
    alfaiate tecelão
    a agulha uma pena
    os fios sinais gráficos ordenados com precisão
    a perfurar os silêncios
    beijinho, Jorge

    ResponderEliminar
  63. Achei que certo tipo de dormência poética estava atada aos meus sentidos,um frio estremecido invadia as ruas e vielas das minhas palavras,emudecendo-me.Hoje,ao ler-te(e não li apenas esse poema), deparo-me com uma espécie de combustão,doando-me um tipo de freqüência cardíaca absolutamente nova.Deparo-me com um coração desejoso de um sangue a pouco repleno de friúra e agora completamente dotado de fervor poético...
    A tua voz nunca há de perder-se, pois ainda que diante da ausência de sons, tua poesia e arte sempre gritará mais alto,por ti e por todos!

    Obrigada,

    Paz no coração!

    ResponderEliminar
  64. hoje à noite falamos :)
    beijos, cristina!

    ResponderEliminar
  65. lívia, querida,
    a única sede que não sacia com a água é a do coração! haja infinito e fortça para o nomear.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  66. lou,
    poesia é vício. como [quase] todas as coisas boas da vida :)
    beijinho e um sorriso pela tua visita!

    ResponderEliminar
  67. amiga do silêncio,
    quantas vezes nos é mais difícil saber talhar o silêncio do que gerar/ir as palavras...
    um beijinho com ternura vozeada!

    ResponderEliminar
  68. voz anónima,
    as palavras acompanham-nos inevitavelmente; a uns, rompem o éter e fixam-se no papel; a outros, são apenas ar. num ou noutro caso, como nos silêncios, as palavras são as mantas que acolhem e a brisa que conforta. todas elas, com uma certeza: a de que nascem de uma voz que ganhou asas no tempo, no lugar e nas circunstâncias certas. por isso se fala em percurso de escrita, evolução na escrita, perfis de escrita, ou seja, aquele que aos 20 anos escrevia, sendo a mesma pessoa que o que escreve 20 anos depois, sofreu já a erosão e o polimento que inevitavelmente lhe é imposto e se impõe.
    concretizando: tenho um livro de poemas que escrevi num determinado momento da minha vida; hoje, ao lê-los, sinto-os como qualquer coisa que não voltaria a escrever. e crê-me que nada tem que ver com a qualidade material, linguística ou estilística; tem que ver com a boca que os solta, que é, hoje, diferente.
    em síntese, seja em poesia, seja em carta, seja em prosa, seja em nota dispersa, seja..., a escrita faz-se no tempo e no lugar próprios; deixá-los no baú das memórias é amadurecê-los, como com aquele vinho que bebe o casco de carvalho para ganhar corpo, aroma e gosto especiais. mais tarde, quando aberta a garrafa, será um vinho único - mesmo que não necessariamente o melhor de todos.
    um beijinho e grato pela partilha aqui.

    ResponderEliminar
  69. amiga-do-sonho,
    serei eu isso tudo? acho que sou apenas eu, mesmo... e cada vez o sinto com mais propriedade.
    obrigado pelo carinho que envaidece!

    ResponderEliminar
  70. verdade, cris,
    do avesso... nem tempo tive para pôr o meu melhor fato :)
    beijinho e até já!

    ResponderEliminar
  71. vais,
    já diz o povo que "de médico, poeta e louco todos temos um pouco" :)
    beijinho!

    ResponderEliminar
  72. dica,
    há gritos que não conseguimos suster. que bom que há quem também os escute e os sinta como seus...
    um beijinho imenso!

    ResponderEliminar
  73. Um poeta é o que inventa caminhos novos a cada palavra, a cada verso.
    Foi o que encontrei aqui. Uma delicadeza e uma harmonia que me deixou sem palavras.
    Realço:
    "aprendi que a poesia atravessa os silêncios
    e campos de açucenas,
    distribui primaveras
    no inverno dos homens,
    e costura flores e perfumes
    em rostos sujos de tempo e rejeição."

    Esta poesia bebe-se, até à última gota.

    L.B.

    ResponderEliminar
  74. Olá Jorge,
    Que nenhum vento apague a candeia que ilumina tão bela poesia, e por baixo tem o seu nome!

    Bjs dos Alpes

    ResponderEliminar
  75. Gostei do ritmo da sua poesia. Descobri esse caminho graças a menina de asas e gostei de alçar vôos por aqui. Sim, é sempre bom ver alguém que se descobre poeta e amante no avesso da vida, dos dias, das horas e se entende com as palavras como se fosse um canto. Delicioso seu ritmo. bacio

    ResponderEliminar
  76. Jorge, não quero ser mazinha, mas não resisto a dizer-lhe que, das 20.30h até às 22.30h, estive a fazer pesquisa/trabalho académico, mas sempre atenta a um certo jogo… :))
    Um beijinho com desportivismo, não é? [caso para dizer: que não se apaguem as luzes…]

    ResponderEliminar
  77. Jorge,
    Porque a beleza também constrange, hoje retiro-me em silêncio.

    ResponderEliminar
  78. Ser poeta é ter seus versos belos que pulsam no papel, encontrando alma que clama por cada letra. A poesia de seus versos escorre em minhas artérias trazendo tantas outras inspirações... Ser poeta é ser assim, como vc!!!!

    Lindo meu querido amigo!!!

    Beijos

    ResponderEliminar
  79. contradições do verso, "sonho que sonha só é só um sonho - mas sonho que se sonha junto é realidade" - diante de tantos poetas como não acreditar em um sonho coletivo - todos que sonham a poesia. Sonhamos juntos, o sonho pela utopia- a poesia.

    Beijos grande Jorge, abarca o mundo do pensamento, da poesia, do que não possui certeza de nada, do mistério.

    ;)

    ResponderEliminar
  80. Jorge o poeta realmente deambula pelos destroços de sentimentos quaisquer, mas capta de todos os escombros esperanças que transformam-se em letras e essas letras em novos sentimentos, as vezes não para nós, mas para enfeitar histórias alheias.

    Nada como a incerteza para deixar o poeta ainda maior, e quanto menor ele se sentir, maiores serão as suas palavras.

    E tu?

    Tu és um dos maiores poetas que já tive oportunidade de ler.

    Abraços e ótima semana pra ti.

    ResponderEliminar
  81. "eu fui poeta
    antes do corpo virar do avesso
    e fui amante
    depois que as mãos se tornaram pequenas"
    isto é tão imenso em significados!
    aliás, é raro uma estrofe sua não conter uma epígrafe pra mim! rs...
    beijo

    ResponderEliminar
  82. Ô amigo!!! Esse me acertou em cheio...lindo poema. Os versos "todo o canto tem verso branco/
    e métrica imperfeita" seguem ecoando por aqui. Bjo, saudade das grandes!

    ResponderEliminar
  83. Um beijo, Jorginho,
    Pelo carinho de ter me apresentado o Trovante.

    "Quem foi que provocou vontades
    E atiçou as tempestades
    E amarrou o barco ao cais
    Quem foi, que matou o desejo
    E arrancou o lábio ao beijo
    E amainou os vendavais"

    (Perfeito. É como a sensação que temos de que estamos vivos sempre que um sopro suave acaricia nossa nuca)

    Obrigada, querido!!!

    ResponderEliminar
  84. Passando pra desejar-te uma linda semana.beijos achocolatados

    ResponderEliminar
  85. a poesia não nos abandona... mesmo sem as inspirações...

    ResponderEliminar
  86. Jorginho, há um livro de Borges, uma reunião de palestras que tratam do ofício do poeta, onde podemos sentir toda a intimidade dele com a palavra e ver sua relação com a literatura. Lembrei-me daquele Jorge porque neste poema que acabo de ler pude sentir (mais uma vez) a força e a profundidade da poesia deste Jorge.

    "às vezes penso que a poesia não existe
    e que o poeta é apenas mais um homem
    que deambula pelas ruas da respiração,
    entre lixos e detritos,
    e grita, rouco, ao medo esquecido
    na tempestade da sua cidade."

    Como diria Jorge Luís...
    O teu escrever é "uma ocasião para a beleza"

    Beijinhos, amigo.

    ResponderEliminar
  87. "aprendi que a poesia atravessa os silêncios
    e campos de açucenas,
    distribui primaveras
    no inverno dos homens,"

    Adorei isso... e sim, a poesia encanta e alimenta nossa alma, por mais rigoroso que seja o inverno e a neve caindo lá fora.

    Mais uma vez espetaculoso poema lindo man!

    ResponderEliminar
  88. Jorge,
    sem palavras para a beleza enorme do teu poema...tão bom ler-te, amigo!

    p.s. nova fotografia do perfil, aprovada!! :-)) hihi
    beijinho, amigo!

    ResponderEliminar
  89. arde o poema, arde a poesia.
    e ardem naturalmente, sem o poeta fazer maior esforço.

    e arde menos, certamente bem menos, do que ver os dragões comemorando mais uma, jorgíssimo.

    no ano que vem, vamos à forra.

    saudades de vir aqui.

    abraço do seu amigo

    roberto.

    ResponderEliminar
  90. Menino...
    Nossa Jorge, quanta inspiração!
    Tudo isso é o petróleo que queima?
    Que energiza
    combustão?
    Parabéns!
    com carinho
    Fátima

    ResponderEliminar
  91. Jorge, precisei de mais de uma visita para comentar este poema, porque há os que são assim, nos emudecem e nos aquecem.

    senti-me a percorrer um corredor de sombras antes de um fogo redentor, perpassando as imagens dos teus versos, com mãos de primavera sustentadas por pés em terreno de outono. E a sonoridade da palavra açucena não abandona meus lábios.
    Resumindo: Bravo!!

    (vou guardar esse poema entre aqueles que quero reler muitas vezes ao longo dos anos, ou pela brevidade do tempo da minha existência)

    beijo, amado amigo poeta!

    ResponderEliminar
  92. o poema só se realiza no leitor, nossa palavra não tem sentido sem isso

    ResponderEliminar
  93. não te pode adormecer nas veias, não pode
    deixa-a dormir, descansar um pouco
    o despertador tocará e será livre
    beijo
    Laura

    ResponderEliminar
  94. lídia,
    simpatia e ternura em cada palavra! obrigado!
    beijinho!

    ResponderEliminar
  95. amiga dos alpes,
    há momentos em que não sei bem se o melhor é deixar a candeia extinguir-se ou permitir que me arda nas mãos...
    beijinho com carinho!

    ResponderEliminar
  96. cristina,
    há luzes que ardem mesmo que os olhos se percam no breu da ilusória vitória. we'll be back! we're back! :)
    beijinho!

    ResponderEliminar
  97. e.a.,
    o silêncio das tuas palavras é sempre eco do mais fino dizer.
    um beijo sem constrangimento :)

    ResponderEliminar
  98. suzanita,
    tivesse eu nas artérias toda a generosidade que es.corre das tuas palavras.
    obrigado, querida amiga-poeta!
    um abraço!

    ResponderEliminar
  99. querida luíza,
    os conceitos de poema e poesia nunca se fizeram tão abrangentes e tão colectivos quanto nos últimos anos. as tertúlias tornaram-se espaços menos elitistas e o próprio conceito de lirismo redefine-se no sangue da própria democratrização do verso. os blogues são lugares onde o canto e a voz se redefinem e ajudam a redefinir. e a palavra entumece; e a voz alça-se; e o homem reconstrói-se... pluralmente.
    beijinho imenso!

    ResponderEliminar
  100. querida janaina,
    de começos, tropeços e recomeços se faz a estrada que cada um leva no bolso. a quantidade de sangue e pus que as feridas vertem é proporcional ao amadurecimento e à resistência dos próprios tecidos. a sua regeneração? apenas a chave de uma nova vida. sempre com poesia!
    querida amiga, as tuas palavras fazem-me estremecer.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  101. loba,
    que todo o corpo de reverso ainda se recorde do verso.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  102. daniela,
    nenhuma flecha conhece tão bem o caminho do peito quanto a que guia a poesia, verdade? até o sangue se torna mais vivo sobre a pele.
    beijinho com saudades!

    ResponderEliminar
  103. ai, a doçura do teu pólen!.
    que dizer-te? borges é toda a literatura! trovante, muito da boa música. este jorge... apenas aprendiz de feiticeiro que não sabe mais dizer do que "a tua presença aqui é uma ocasião para a beleza".
    beijinho de primavera!

    ResponderEliminar
  104. sandra,
    como as tuas visitas têm o aroma quente e o travo doce do mais requintado chocolate :)
    obrigado! já só vou a tempo de retribuir os teus votos desejando-te um óptimo fim-de-semana! :)

    ResponderEliminar
  105. "a poesia não nos abandona... mesmo sem as inspirações..."
    tantas são as vezes em que a maior das inspirações sobrevem da mais funda das transpirações... até o éter sabe como se escreve a palavra "chumbo".
    seja num ou noutro caso, a poesia é fiel, sim, fabi.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  106. querida c.,
    a poesia aquece e encanta a alma talvez porque seja ela mesma a alma ou o que de mais luminoso nela possa reverberar.
    um beijinho de primavera com as açucenas a bordejar as pedras da estrada onde um dia namorou a neve.

    ResponderEliminar
  107. querida amiga andy,
    de todas as palavras que me visitam, as tuas têm a força de uma amizade e de um carinho que atravessam o tempo e o espaço. fico, por isso, feliz quando os versos cruzam a inércia do papel e se vestem de sentidos nas tuas mãos.
    um beijinho!
    p.s. esta foto é um espontâneo numa sessão de poesia lá da escola. é horrível ter de fazer pose, verdade? :)

    ResponderEliminar
  108. há luzes que se extinguem mas as do que vive no peito dos homens não conhecem a escuridão. o futuro começou a construir-se ontem mesmo, primeiríssimo amigo: 4-1 ao psv de eindhoven, em casa, na primeira mão dos quartos-de-final da liga europa.
    a luz arde bem viva, apesar do percalço do pretérito domingo!
    um forte abraço, robertílimo!

    ResponderEliminar
  109. fátima,
    o petróleo é apenas o combustível. pudesse eu saber da candeia :)
    beijinho com ternura!

    ResponderEliminar
  110. querida amiga andrea,
    há corredores de sombras que abrem em labaredas em demanda pela sacralização dos astros, esses corpos que um dia arrefeceram no flanco do espaço. nunca soube se são a verdade do homem, se a mentira dos deuses, se, ainda, a utopia da aliança divino-humana. não sei, mas ainda não desisti de procurar entender.
    um beijinho! sabe tu que a tua presença neste corredor dual ajuda a desequilibrar o espectro cromático. em favor da luz, vulgarizando o breu. obviamente.
    beijinho imenso!

    ResponderEliminar
  111. "o poema só se realiza no leitor, nossa palavra não tem sentido sem isso"
    ediney, obrigado por teres ajudado a dar sentido a esta composição, passando por cá.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  112. de sonos e sonhos quem não sabe? e quem não esquece?
    um beijinho, laurita!

    ResponderEliminar
  113. Jorge, querido

    Que poema belo ! Adorei o verso :"às vezes penso que a poesia não existe
    e que o poeta é apenas mais um homem
    que deambula pelas ruas da respiração,
    entre lixos e detritos,
    e grita, rouco, ao medo esquecido
    na tempestade da sua cidade."

    Forte.. muito forte.

    Ótima semana, bjos.

    ResponderEliminar
  114. thami,
    bem-vinda! fico felicíssimo que tenhas gostado desta amaragem aqui ao viagens.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  115. Jorge,
    Estive a rever/reler (ainda que algo “por alto”) o nº 63 d’“O Despertar”… Continuo a achar que fazem – alunos e professores – um excelente trabalho. Superam a vulgaridade, a banalidade; vão para além daquilo que “os outros” podem fazer… Mais do que um jornal escolar, vejo “O Despertar” e outros tantos projectos do género como uma verdadeira escola de cidadania e participação cívica. Muitos parabéns, novamente!
    Para além de reler “O Despertar”, tive de reler este poema, uma vez mais, para juntar a tantas outras. E depois de tantas leituras, ele continua imensamente bonito!... É, aliás, de uma beleza quase arrepiante! (sem exageros) Fiquei “colada” a ele…
    Beijinhos, amigo poeta!

    ResponderEliminar
  116. Caro Pimenta,
    ...mas é fazer uma pequena viagem e, ao retornar, deliciar-me com o fato de que a meteorologia é apenas uma contingência menor. Venho te agradecer o que encontro por aqui e conforta tempos instáveis a qualquer tempo e temperatura. No momento em que retorno à ativa, sedenta, dedico-me em ler os amigos que se ocupam com copos-de-leite, que muito me fazem bem depois de rejanear na vida e antes de rejanear agora pela internet, em sombra de belos lírios.
    um abração.

    ResponderEliminar
  117. querida cristina,
    o despertar é uma das maiores marcas de identidade da nossa escola. a sua cédula de nascimento é, inclusive, anterior à inauguração da nova escola (data de 1984, enquanto esta foi inaugurada em 1985). gerações de professores e alunos passaram-lhe as mãos, quer na elaboração, quer na colaboração, quer na leitura. não pode haver janela mais ampla e mais aberta para o mundo do que essa. na hora da aceitação do desafio percebi que a responsabilidade era maior do que as pessoas. por ter noção disso, tratámos o despertar como só ele merece. falhámos aqui e ali, mas nunca deixámos de procurar um rumo que nos parecesse aquele que valorizámos numa publicação escolar. aos poucos estamos a chegar lá. sempre a uma só voz mas com a voz de todos. a tua, inclusive :)
    obrigado pelas palavras-estímulo. quanto ao poema de que tanto gostaste, sente-o teu também.
    beijinho, doce amiga!

    ResponderEliminar
  118. querida rejane,
    a geografia é mera contingência menor :). as viagens fazem-se com os pés na estrada ou mesmo sem se sair do quarto. até porque todas as viagens são partidas: as de ida e as de regresso.
    é admirável o modo como vivencias os textos e, sobretudo, o modo como disso dás conta.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  119. Jorge,
    É bom que O Despertar seja essa janela aberta ao mundo… Afinal, é por ele que a comunidade vai espreitando o que se passa na escola…
    Lembrei-me, aqui há uns tempos, do jornal da minha escola. Escrevi para ele algumas vezes, mas nunca me senti muito “agarrada” a ele. Julgo que foi sendo abandonado um pouco pela comunidade escolar… Mas quando, ao contrário disso, um jornal é uma marca identitária da Escola, isso é fantástico!
    Assim sendo, senhor Director, continuação de bom trabalho! ;)) Olhe o peso da responsabilidade! Eheh.
    Quanto ao poema, é seu (que o escreveu), de quem o leu, comentou, gostou, sentiu e de quem, tal como eu, se sentiu pequenino face à grandeza do poema ou quase purificado… Também é um pouco meu, portanto.
    Beijinho grande!

    ResponderEliminar
  120. querida cristina,
    talvez a diferença resida no carinho que a generalidade da escola/comunidade dispensa ao despertar. é, na verdade, uma instituição dentro da instituição, o que sempre torna mais fácil o trabalho a quem o gere. tenho de to deixar em papel rapidamente :)
    beijinho grande!

    ResponderEliminar