sábado, 26 de março de 2011

ins(piração)

                                                         e. munch, o grito

a tarde começou a chover
no mecanismo arcaico
da minha meteorologia.

sento-me com o livro nas mãos
à espera de que o mar ferva
na ejaculação das flores.

assim se faz a história:
falecem os homens
renascem as árvores.

que se inspire na sua seiva
todo o rubor das nossas palavras.

a tarde começou a chover
no metaforismo prosaico
da minha meteorologia.

sento-me com o lenço nas mãos
à espera de que o meio ferva
na elucidação das flores

assim se faz a memória:
enlouquecem os homens
esclarecem as árvores.

que se inspire na sua selva
todo o rumor das nossas palavras.

(cris de souza & jorge pimenta)


vivaldi, winter I

90 comentários:

  1. que siga o ciclo da piração...
    abraço aos poetas!

    ResponderEliminar
  2. Poema e vídeo em sincronia perfeita...
    Abraços

    ResponderEliminar
  3. Fortemente treinado para as urgências de TUDO que é humano, A Q U I eu sempre encontro LUZ :)

    ResponderEliminar
  4. que baloucem mais piruetas neste duo de versos ins/piradíssimos,

    abraço e beijo

    ResponderEliminar
  5. As árvores, longevas, alimentam-se do homem, perecível.
    Um grande bj querido amigo

    ResponderEliminar
  6. Vai ter inspiração assim nas casas que habitam poetas, em torres e redemoinhos...

    ResponderEliminar
  7. Que mecanismo harmonioso é esse
    que junta dois seres encantados
    duas almas em uma só?

    Um poema sublime.

    Forte abraço, irmão.
    Beijo carinhoso, poetisa.

    ResponderEliminar
  8. E na tarde, e no teu poema, me inspiram as palavras renovando em mim a esperança floral.

    Parabéns aos poetas.
    um beijinho

    OA.S

    ResponderEliminar
  9. Quebrando tudo, você e a Cris, a Cris e você

    "que se inspire na sua selva
    todo o rumor das nossas palavras."

    Saravá!

    beijos em vocês

    ResponderEliminar
  10. Que parceria incrível!!

    Letras que inspiraram e inspiram palavras verseadas ao entardecer...

    Lindo!!!

    Parabéns Jorge!! Parabéns Cris!!^^

    Beijos

    ResponderEliminar
  11. e que a espiral acenda todas as cavernas com a fina claridade dos dias.
    abraço, ribeiro!

    ResponderEliminar
  12. malu,
    são os invernos que chovem no corpo, mas que sobretudo encharcam nessa engrenagem de mel a que chamamos "ins.piração".
    beijinho!

    ResponderEliminar
  13. "fortemente treinado para as urgências de TUDO que é humano"

    rejane,
    as garras rutilantes acenam com os mapas do ser que escondem a curva acidulada onde o ser humano acaba amestrado. e os panos verdes adormecem nas terrinas esquecidas. a urgência lava os mortos... não queria repetir-me, mas... ainda sonho com as cidades transparentes.
    beijos!

    ResponderEliminar
  14. "a memória é feita de farpas e flores.!

    vanessa,
    porque não há flores sem espinhos, prefiro as farpas. assim saberei com o que contar.
    abraços!

    ResponderEliminar
  15. e que as manhãs se dispam do compasso doloroso da desinspiração.
    abraço, assis!

    ResponderEliminar
  16. "as árvores, longevas, alimentam-se do homem, perecível."
    a meteorologia entrega-se-lhes, na humidade sensual do seu desejo. multiplicam-se no viço do ventre e não arrefecem a êxtase. da morte do homem alimentam as raízes como se a dança do medo fosse apenas um conto ancestral de marinheiros que um dia terão incendiado os corações para não deixarem arder as naus e as respectivas árvores.
    beijinho, gisa!

    ResponderEliminar
  17. às vezes é mais piração do que inspiração, mechelle :)
    beijos!

    ResponderEliminar
  18. amigo e poeta de todos os feitiços,
    a febre táctil é o único abismo que deixa crescer nas fendas do peito a flor-de-lótus desaparecida. com ou sem engrenagens...
    um forte abraço, camarada domingos!

    ResponderEliminar
  19. amiga-dos-oceanos,
    "a esperança floral" é o mais belo poema que as mãos crepitantes sedentas de estrelas ousariam desejar. mesmo que em ardência febril... mesmo que em invernia polar...
    beijinho!

    ResponderEliminar
  20. vais,
    é mesmo assim: a cada composição, tudo se desmancha para, mais tarde, e pacientemente, se iniciar a reconstrução. no entretanto, o sangue gira em asperção silenciosa. a boca perde-se na voz do texto.
    beijos!

    ResponderEliminar
  21. suzana,
    ternas palavras, as tuas, que agradeço em sorriso táctil.
    beijos!

    ResponderEliminar
  22. Eu adoro poemas a quatro mãos, mas as de vcs, juntinhas, são abençoadas! Sai cada coisa linda!!! :)

    AMEI!

    Parabéns aos dois!

    Beijos meus...

    ResponderEliminar
  23. Meu querido,
    que essa ins-(piracao) transborde sempre assim sempre. Vocês escrevem fácil numa conjunção plena.

    Um ótimo sábado!

    ResponderEliminar
  24. "sento-me com o livro nas mãos
    à espera de que o mar ferva
    na ejaculação das flores"

    E sempre ferve, não é mesmo Jorginho?!
    Nas tuas mãos, então, toda o perfume e beleza ejaculados das flores fecundam as palavras e nossos olhos. E é tudo calor...

    Beijinhos...

    ResponderEliminar
  25. amiga-dos-silêncios,
    que saudades de te ter por aqui.
    beijos!

    ResponderEliminar
  26. querida c.,
    a mão da cris é tão certinha que o processo acaba por acontecer com uma certa espontaneidade. sorte a minha :)
    beijinho!

    ResponderEliminar
  27. sim, jo pi, os homens enlouquecem e as arvores esclarecem... como quem diz, só a Mãe acorda todos os homens e mulheres e crianças e velhos e velhas...

    muito bom o poema, a 2 mãos.
    bjú

    ResponderEliminar
  28. sabe Jorge,
    mais loucura do sentir.. mais palavras que se jogam!
    e Vivaldi a fazer correr toda esta poesia pura a quatro mãos!
    estupendo!
    beijos aos dois.

    ResponderEliminar
  29. O grito ilustra bem as imagens sugeridas nos versos...

    Estás bem acompanhado, hein? Sempre ótimas parcerias... Sorte de quem lê!

    Beijinho silencioso aos dois...

    ResponderEliminar
  30. amigo-dos-encantos-meus... esse grito [o de munch] é-me, sempre me foi, terrivelmente arrepiante...!
    não te sei explicar, sei apenas que sempre que o olho..., o ouço..., terrivelmente dentro do meu ouvido..., e como uma explosão na minha cabeça!
    ao vê-lo aqui... não o ouço, mas sinto-o a explodir dentro do peito...
    vou recolher os estilhaços..., juntar e restaurar, tudo direitinho...
    depois volto, para dizer!...
    beijo aos dois poetas, que são bem Grandes!

    ResponderEliminar
  31. belíssimo reverberar das palavras nos olhos. Belíssima parceria. Escolhes bem suas parceiras de versar poesia. :)

    Beijos

    ResponderEliminar
  32. Jorgito, meu amigo tão poeta,
    Na selva dos homens o que nos salva é essa (ins) piração.
    Coesa mãos que nos tocam as lentes, Cris e Jorge.
    Bjinhos com mimos

    ResponderEliminar
  33. Meu querido

    Dois gritos fazendo a memória das palavras...duas mãos tocando a poesia...dois poetas enlouquecendo as flores numa ejaculação perfeita...saciei-me.

    Beijinhos aos dois
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  34. Jorge,
    tem selo para ti no Perfumes e Palavras..
    carinho..

    ResponderEliminar
  35. Inspiração é indissociável da piração, sem uma dose de loucura não há criação.

    Adorei, como sempre. :)

    Um beijo!

    ResponderEliminar
  36. Oba! Adoro Cris e Jorge juntos!

    Perfeita sintonia, poetas. Sou fã de vcs!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  37. querida pólen,
    o mar é a pedra e a chama na combustão dos amantes. mesmo que a tarde chova e os dias sufoquem de calor...
    beijinho com um prazer imanso de te ter de volta!

    ResponderEliminar
  38. Como é inspirador o rumor destas palavras... Inspirado e inspirador!
    Parabéns Cris e Jorge!
    Beijinhos para ambos...

    ResponderEliminar
  39. amiga não-sou-eu-é-a-outra,
    e o mais espantoso é que o jornal segreda-nos, todos os dias, como os homens subvertem os papéis. e as mãos das mãse são cada vez menos verdes, cada vez menos puras, cada vez menos respeitadas, cada vez menos árvores, sob a bota de metal que arranca as janelas que outrora serviram para que as mães abraçassem os filhos. e mesmo com o ganido dos choupos, os gemidos dos plátanos, o sangue dos carvalhos, o homem consegue olhar frio, sem franzir o sobrolho, sequer. quem mora na tua cabeça, louco matricida?
    beijos!

    ResponderEliminar
  40. querida ingrid,
    agradeço-te as palavras e o selo-amizade com que me distingues.
    tenciono passar lá no perfume das tuas palavras dentro em breve; estou em falta com tantos, mas tantos bloguefriends. a verdade é que a semana que findou e a primeira metade da próxima foi/será diabólica (estou com o fecho da edição 63 do jornal o despertar em mãos). mas dentro em breve sei que normalizarei todas as dinâmicas :)
    beijinho, querida amiga!

    ResponderEliminar
  41. aninha-de-luz,
    sempre bem acompanhado, quer por quem comigo escreve, quer por quem lê. sorte a minha :)
    beijinho boreal!

    ResponderEliminar
  42. amiga-de-todos-os-encantos,
    o grito, de munch, é daquelas telas que não comunicam; são. toda a perturbação, toda a melancolia, toda a agonia, toda a angústia moram naquela expressão que só a genialidade consegue captar. desejo muito um dia ir a oslo e uma das razões é justamente poder saborá-lo in loco (antes que, de novo e outra vez, seja roubado :))
    beijinho com ternura infinita!

    ResponderEliminar
  43. luíza,
    é um privilégio para mim escrever junto de mãos hábeis e de fina lira, como as desta nossa amiga de cris.tal.
    beijinhos!

    ResponderEliminar
  44. amiga ira,
    selvas que salvam em salvas de silvas solventes.
    e o homem que continua a morrer no lago das palavras...
    beijinho! o teu mimo mima:)!

    ResponderEliminar
  45. amiga-do-sonho,
    todo o grito que insufla a memória é apenas o delgado arquipélago onde assentam rebanhos de violinos sombrios e seus cem mil tocadores sem dedos. tudo o mais é meramente vestígio... do que foi enorme! ah, e o infinito que é cada vez mais miragem...
    beijinho!

    ResponderEliminar
  46. carina,
    inspiração e piração; cura e loucura.
    em qual dos pólos nos deitamos todos os dias?
    beijinho!

    ResponderEliminar
  47. larinha,
    e como eu, pessoalmente, adoro ter-te por cá :)
    beijos!

    ResponderEliminar
  48. amiga jornalista,
    soubesse eu o que é a inspiração :). talvez o sinta no dia em que as línguas fervam palavras de fogo e o hálito escorra pelo corpo feminino do poema. que a mão seja, apenas, um instrumento de prazer espontâneo.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  49. A voce um abraço nesse lindo Domingo
    desejo que seja ele muito feliz .
    Obrigada por seguir meu blog
    ofereço minha amizade pois não existe riqueza maior que uma Amizade Sincera
    Um feliz Domingo beijos no coração,Evanir.

    http://.aviagem1.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  50. querida evanir,
    concordo em absoluto contigo. seguir o que escreves é um gosto que não dispenso.
    obrigado pelo carinho!

    ResponderEliminar
  51. Não sabe o que é a inspiração? ahah. Vou fazer de conta que acredito. :) Ou melhor, será a poesia resultado da fórmula: inspiração + trabalho + talento natural? Até eu, tão "virada" para a matemática, tenho dúvidas! :)
    Beijos!

    ResponderEliminar
  52. quem o sabe?
    torga prospectava o poema, como os mineiros prospectam o ouro; os românticos deixavam que o raio fulgurante da inspiração os rasgasse... quem o sabe?...
    beijinho, amiga!

    ResponderEliminar
  53. Jorge !
    Que inspiração !
    Homens loucos , são os mais sábios, isso vem incluso nas nossas mentes e vem naturalmente não é mesmo?!
    Nossa mente um emaranhado de imaginação, sentimento,idéias e blá blá rs
    Parabenizo pela excelente escrita , como sempre *.*
    Você entende ou esta no caminho certo , no que acontece na mente humana!
    Beijos na sua Alma , amigo!

    ResponderEliminar
  54. Chuva intensa como os toques no violino, encharcando a alma dos bons sentidos saudosos até do que ainda não foi vivido.

    Bela sintonia de gritos e mãos!

    Beijinhos para vocês...

    ResponderEliminar
  55. O homem é humus...ciclo de vida condimentado com o sal da tarde invernosa.
    Parabéns aos dois.

    ResponderEliminar
  56. que ritmo bom...

    parabéns à dupla!

    bj

    ResponderEliminar
  57. ai, que loucura! escrever contigo é uma experiência absolutamente prazeirosa.

    beijo, meu parceirasso.

    (agradeço a ti e a toda essa gente generosa)

    ResponderEliminar
  58. "sento-me com o lenço nas mãos
    à espera de que o meio ferva
    na elucidação das flores"

    destaco uma estrofe para declinar de elogiar o poema inteiro.
    inveja auto-imunológica, ação profilática contra a associação de dois poetas de primeira: uma covardia com os poetas solitários...

    ResponderEliminar
  59. Que seja piração ou inspiração,ambos juntos se tornam tocantes.
    No seu rastro.
    Boa semana

    ResponderEliminar
  60. Que dupla!
    Assim chega a ser covardia!...:)
    Parabéns aos dois amigos queridos.

    Estive sumida dos cantinhos, pois estava "lambendo a cria da cria", que veio para o aniversário do "padrinho Gu" (Gustavo, meu filho caçula).

    Jorge, em meu penúltimo comentário, você me chamou de "descendente da bella Itália". O que você não sabe, é que eu sou uma verdadeira "salada de frutas"...hehehe.
    Me explico: meu lado materno, realmente é todo italiano, mas do lado paterno, sou descendente de PORTUGUESES, belgas e alemães.
    Ou seja, sangue europeu, e coração 100% brasileiro. É ou não é uma grande salada?...rs

    Tudo de ótimo pra você e para a Cris.
    Tenham uma linda semana.
    Beijão

    Cid@

    ResponderEliminar
  61. A nossa própria meteorologia: nosso clima e tempo.
    A alma sujeita ao sazonal sentimento: do nada, do tudo. Do "frio o tibio", de Llorca; da vida dos outros na nossa, de Neruda; da temporalidade de segundos de reflexão, de mim, através de seu belíssimo poema.

    Meu amigo, maravilhoso! Sem mais palavras!

    Novamente, obrigada pelo carinho da presença em meu blog, sua opinião é extremamente importante para mim.
    Ótima semana!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  62. lidi,
    gratas ao coração são as tuas palavras, mas... quem ousa dizer que conhece as engrenagens que sustentam os batimentos da válvula vital dos ser humano? quem o garanta, mente. procuro conhecer os meus e faço-o mal... :)
    beijinho grande!

    ResponderEliminar
  63. e como aqui chove, querida lívia... os acordes do violino adormecem nos acordes da melancolia e da meteorologia. e o corpo segue-os sem saber como lhes resistir...
    beijinho e gritos!

    ResponderEliminar
  64. sandra,
    na sua geometria descompassada, vai o homem de júpiter até ao centro da terra na fracção de um suspiro. tivesse ele noção da sua verdadeira condição e talvez saltasse para o baloiço de uma maior harmonia. "humus", gritam os lexicólogos! sabem eles o que valem as palavras no plano da linguagem dos homens; soubessem eles o que vale o código das crianças e dos velhos, dos que amam, dos que sofrem, dos que amam, dos poetas...
    toda a universalidade caberia no frasco da cozinha onde se guardam as receitas sagradas que um dia pertenceram à avó...
    beijinho!

    ResponderEliminar
  65. cris, parceira de lira e amiga,
    esta ligação poética já tem algum tempo, mas cada texto nosso é um desafio que em mim se renova. obrigado por isso!
    beijos de cris.tal!

    ResponderEliminar
  66. wilden,
    hihihihi! como é saborosa esta covardia :)
    um abraço! é um gosto ter-te por cá; desfruta da viagem!

    ResponderEliminar
  67. emiliana, a demanda pela inspiração acelera a expiração que arremessa contra a parede da piração. e o poema nasce :)
    beijos!

    ResponderEliminar
  68. amig@ cida,
    haverá tempo mais saboroso do que o que passamos junto daqueles que mais amamos? fico feliz por ti e ainda mais pela cria da tua cria :) que tem uma avó especialíssima. italiana, portuguesa, alemã ou brasileira, a tua linguagem é uma só: a dos afectos. e como és prolixa, querida amiga!
    beijinhos desde um portugal em primavera húmida e fria. raios!

    ResponderEliminar
  69. querida ana cecília,
    e que dizer eu dos teus comentários? com llorca, neruda e... tu mesma. mais é impossível. agradeço-te a presença e o olhar atento ao coração do poema!
    beijinho de veludo!

    ResponderEliminar
  70. Levitei o meu sentir
    Ao ler este teu poema
    E até senti abrir
    Uma fresta, que dilema

    Eu vi o sol a brilhar
    Na tua meteorologia
    E vi o mar a gelar
    Porque de ti não sabia

    Vi árvores a enlouquecer
    E homens esclarecidos
    E vi-te a ti a escrever
    Poemas deveras sentidos.

    Lindo esse dueto meus amigos. Parabéns aos dois poetas. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  71. Fico devastada com os teus comentários Jorge...sem ar, sem fôlego...não te consigo acompanhar nesse imenso sentir das coisas. És grande!

    ResponderEliminar
  72. a tarde começou a chover
    no mecanismo arcaico
    da minha meteorologia.

    E foi uma tarde densa
    completamente angustiada
    e cheia de nostalgia.

    Parabéns

    ResponderEliminar
  73. num metaforismo nada prosaico, uma pseudo-simetria de estrofes escritas por dois excepcionais escritores. A beleza das figuras, a sonoridade, as sutis mudanças das pseudo-repetições, o todo e cada verso levaram-me ao encantamento. quem aprecia poesia agradece.

    abraços!!!

    ResponderEliminar
  74. Jorge, observa a cena, que foi verdadeira; nada de ficção, tá bom? Eu estava agora tomando nosso típico cafezinho, neste instante aqui no Brasil são 16h35, e fui ler os comentários no meu blog.
    Me deparei com o teu comentário, meu amigo...
    derrubei todo o café na minha roupa (sorte que escura), de tanto rir do teu texto.
    Sim, pois foi um texto, não um comentário!!!
    Me confesso surpreendida tamanha criatividade e versatilidade, ora..., produzes poesia, humor e o quê mais???
    Fico feliz de ter encontrado alguém tão inteligente na blogosfera. E esse tipo de inteligência da Cria-Atividade, é coisa de gente de alma livre. E o que mais gosto nas pessoas, em que as têm, é isso!
    Esse jeito de quem pega a Harley Davidson e sai por aí, procurando a vida, vagando sem destino definido, mas com a sabedoria da vida!
    Me emocionei!
    Meu amigo do além-mar,
    grande beijo para você!
    PS.: Se quiser me adicionar, estou no Facebook como Ana Cecília Romeu.

    ResponderEliminar
  75. eu me inspiro em teus escritos, em teus verso, nas tuas palavras...

    ResponderEliminar
  76. Jorge, meu querido
    Que post!
    Poema deslumbrante, lindamente ilustrado e tendo como fundo musical, essa obra prima...
    A tarde começa a chover ...
    Quanta inspiração a partir daí!
    A meteorologia da vida, sempre sujeita a raios, relâmpagos, trovoadas, mas também, vez por outra, a chuvinha mansa, dessa que serve tão bem para refrescar a alma...
    e que parceria feliz!
    Bravo, meu querido amigo, grande poeta!
    Com cópia para Cris...
    Beijos aos dois.

    ResponderEliminar
  77. Líndíssima composição de imagem, palavras e música!

    voltarei para desfrutar de novo.
    parabéns a ambos!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  78. E é no renascer que se completa a vida...
    Beijo d'anjo

    ResponderEliminar
  79. rosa branca,
    só agora consigo replicar aos comentários dos meus amigos bloguers que tiveram a gentileza de por aqui passar. cria que as flores, pela beleza, pelo olor e pela graça eram, elas mesmas, a poesia. a tua presença aqui torna esta suposição efectiva.
    obrigado!
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  80. sandra,
    quem leia os teus versos (como eu) sabe bem até onde a tua respiração te leva!
    um beijinho terno!

    ResponderEliminar
  81. sabes, amiga cintilante,
    finalmente as tardes deixaram de chover [lá fora :)].
    beijos!

    ResponderEliminar
  82. caro celso,
    a cris é a diva do ritmo e da melopeia poética. é sempre um estímulo intelectual e poético emparelhar com ela.
    obrigado pelas tuas palavras!
    um abraço desde portugal!

    ResponderEliminar
  83. querida ana cecília,
    ora aí está uma boa razão a justificar que sempre tome o café em pijama e antes de tomar banho :)
    olha, a responsabilidade é tua: quem te manda escrever narrativas abertas que nos deixam sempre pendurados e a efabular acerca do que não é mas poderia ter sido?... só há uma solução: abrir os portões da garagem e rasgar o vento no dorso da harley. a auto-estrada é sempre a da escrita.
    um beijo grande!
    p.s. não tenho facebook :(; sou apenas um bloguer arcaico :)

    ResponderEliminar
  84. amiga dos cabelos longos,
    e que dizer, eu, do teu blogue, onde, sejam textos teus ou alheios mas criteriosamente seleccionados, cada post é uma nova descoberta pela escrita. afinal, só os poetas sabem, que 2 e 2 são cinco :)

    ResponderEliminar
  85. zelita,
    é sempre tão fresca e arejada a tua presença aqui, nestas viagens com luzes e sombras. só agora me é permitido agradecer, mas faço-o com o carinho de quem sabes te sente pessoa-pessoa. obrigado, amiga! tantas saudades tinha eu já...
    beijinho!

    ResponderEliminar
  86. querida andy,
    estou em falta com os meus amigos... contigo, em particular. mas esta edição 63 do despertar foi mesmo um parto difícil. felizmente está já na gráfica e terça-feira o jornal sairá para nos sujar as mãos com suor e tinta :)
    beijinho grande com saudades!

    ResponderEliminar
  87. amiga do sonho,
    é saltitando de renascer em renascer que vulgarizamos todas as mortes.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  88. Eu me inspirei por Scliar, Scliar por Kafka, Kafka por Dostoiésviski e, novamente eu por todos eles. Assim crescemos igual ao que você está fazendo conosco agora: uma releitura, passando pelo seu crivo de poeta, sobre a tela de Much. Esse sim é um grito digno da benevolência de todas as nove musas que inspiraram tantos poetas. Os pais das divindades devem estar orgulhosos a essa hora. O que estariam pensando Mneumósine e Apolo de suas nove filhas depois dessa construção tão bem alicerçada na inspiração?
    Adorei... Abraços do e para o além-mar!!!!

    ResponderEliminar