sexta-feira, 8 de abril de 2011

ode às vozes anónimas com arco-íris em versos de neve e carvão

                                                                                                fotografia retirada da internet

quem és tu que vives no poema?
os nomes nada significam
e trepam as escarpas do conhecimento.
lá em baixo,
junto das flores das dunas,
habitas versos
e respiras palavras,
como se o ninho da linguagem
soubesse de toda a verdade que mente ao poeta.

quem és tu que vives no poema?
vestes de maneira simples:
inspiração mágoa e delírio.
lá em baixo,
entre a voz e a escrita,
sentas-te no inferno da tarde
e acenas às ondas do corpo
como se todos os abismos
começassem nos lábios que a sombra acendeu.

aprendi a tua história:
abandonaste o nome
e escreveste-te inominável,
correste a estrada
saltaste o muro o pinhal e a corda
ergueste o vendaval em searas de alfabetos
e ciprestes de recordações.

quem és tu que vives no poema?
vénus circe penélope
ou simplesmente quase-mulher?

hoje
toda a poesia me apodrece nas mãos.

philip glass, the hours

96 comentários:

  1. senhora de tantos versos a quem evoca, criatura metade, vênus fantasia


    abraço poeta

    ResponderEliminar
  2. saudações jo pi

    que poema!!! que dança... e apenas, acho um único senão, a tarde nem sempre é inferno...

    diria quase - gato, quase mulher (tudo junto) e quase, com quase a certeza, serpente mundo dando e tirando vida. mas, concerteza que o melhor ou pior, nunca o seu nome poderá dizer, é da sua expiação a natureza que faz o poema!!

    fiquei, Poeta que dedilha emoção e razão, seduzida no poema!!

    beijos

    ResponderEliminar
  3. só uma coisa, porque é a poesia e não o poema que apodrece?? ao longo de todo o versajamento, é O poema que desce, descontrolado... e no fim esse A, a poesia apodrece nas mãos...

    fiquei a pensar, poema é a razão a escrever, o acto activo... e a poesia é a emoção toda contida, um acto passivo, portanto já realizado pelo poema-masculino... no fim, o poema procura a razão maior, a poesia toda alma, contida e apenas basta abrir e ela oferece a emoção...

    devaneios da outra!!! filosofias de meio pacote!!

    até logo.

    ResponderEliminar
  4. "senhora de tantos versos a quem evoca, criatura metade, vênus fantasia"
    nem o nome importa, verdade, poeta amigo? acaso tê-lo-á algum dia tido?
    um forte abraço!

    ResponderEliminar
  5. não-sou-eu-é-a-outra,
    acaso não viverá cada um de nós, à sua maneira, nos poemas que se escrevem com a tinta dos dias e no papel da vida? tantas vezes apenas sabemos o nome... quando a verdadeira essência é anónima. subvertam-se os cânones e deixe-se o poema arder no inferno da tarde (pôr-do-sol, fim do dia, a morte que anuncia o recomeço).
    beijos, amiga inquiridora :)

    ResponderEliminar
  6. voltando, outra-que-não-é-a-própria :)
    porque o poema não se escreve nas linhas que se procuram, toda a poesia acaba por apodrecer nas mãos. sejam elas capazes de não apodrecer junto com a serpente da poesia.
    abraço, amiga!
    p.s. as tuas efabulações tornam qualquer poema (mesmo os não poemas) maior. já nem me atrevo a dizer qual o seu efeito sobre a poesia :)

    ResponderEliminar
  7. Visto-me de poemas,não porque busco respostas que esclareçam o não-eu, mas para desnudar o eu que já nasceu revestido de mentiras...

    Isto foi o que quis ser dito diante da leitura de teu poema, Jorge alado... e o cheiro de tua poesia não me repugnou...

    Beijinho inodoro e um iluminado fim de semana!

    ResponderEliminar
  8. Mais uma vez eu aqui com o papelvirtual virtual em branco e pouco a dizer Jorge...o poema é luz e a mão por vezes não acompanhado a sabedoria da poesia, apodrece por que afinal somos humanos que sentimos apodrecer aquilo que um dia foi o nosso instantes de magia/poesia. Essa música acompanhou tão bem, as mãos do pianista parecem não apodrecer enquanto percorrem o instrumento...e talvez seja assim com cada escritor também :). Beijos desse lado de cá.

    ResponderEliminar
  9. não há tecido mais elástico e eclético do que o da poesia. nele cabem todas as verdades de uns e todas as mentiras de outros. mesmo que o poeta não conheça os seus limites. seria deus, não poeta.
    beijinho, aninha-de-luz!

    ResponderEliminar
  10. blimunda,
    não sei se é do nome [ao contrário daquele que apenas vive no poema, o teu pode ser pronunciado], se das intersecções que inevitavelmente nos convidam a entrar no universo de saramago, a verdade é que sempre que me visitas trazes nas mãos o rasto das vontades com que os homens constroem a sua eternidade. mesmo que sem passarola [falas de pardais e águias], como poucos conheces o céu que se anuncia bem para cá do éter: os corações dos homens. impossível que as nuvens, ainda que plúmbeas, se não tornem ternas e fofas, no teu dizer.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  11. todo aquele que concebeu, gerou e fez viver há-de um dia morrer.
    esta diferença entre a capacidade de dar vida e a de não ser capaz de a segurar é apenas a linha invisível que se ergue entre a voz e o silêncio, os rostos que vivem nos poemas e os que nele fazem morada anónima, os deuses e os homens, os homens e as pedras, a carne e o pó, a poesia... e tudo o resto.
    um beijinho, queridíssima luíza!

    ResponderEliminar
  12. Mal importa quem é, apenas o que sente, a emoção que extravasa ao escrevê-lo, de modo simples e de perfeita entrega ao mundo. Sendo
    inominável, é presente.
    Soberbo.
    [musica perfeita]
    oa.s

    ResponderEliminar
  13. o mundo existe pela capacidade de o nomear, mesmo que sem nome próprio e em minúscula. e assim se faz presente. mas, quantas vezes é que isso basta?...
    um beijinho, oceano azul!

    ResponderEliminar
  14. ao ler um poema assim fabuloso
    deixo que o sangue respire
    o que ainda borbulha
    ...

    forte abraço,
    imenso poeta
    e amigo.

    ResponderEliminar
  15. sei que reconheço sua excelência...

    beijo, poeta majestoso!

    ResponderEliminar
  16. domingos,
    para cada poeta, uma ilha; só o sangue adivinha a sua morada.
    lancei-lhe, um dia, uma mensagem dentro de uma garrafa. sei exactamente em que parte da veia se alojou; já só não sei o teor da mensagem.
    um forte abraço, poeta-amigo!

    ResponderEliminar
  17. sei que reconheço a excelência do teu carinho e da tua amizade de cris.tal.
    beijo, poeta de fina lira!

    ResponderEliminar
  18. E vês quantos abutres a vêm depinicar?
    Na vida nada se perde.
    Beijo

    ResponderEliminar
  19. sejam eles (os abutres) capazes de crescer com as entranhas da poesia...
    beijinho, sandra!

    ResponderEliminar
  20. A natureza, as pessoas, os objetos... tudo tem uma alma à parte que existe só para a poesia. Vc enxerga bem esse ser especial, Jorge.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  21. tocar a existência dos outros, apalpar-lhes o pulso, indagar-lhes a alma e sentir o seu coração por entre gotas e flores. ah, que os olhos no-lo permitam sempre, verdade, larinha?
    um beijo!

    ResponderEliminar
  22. “De tudo haveria de ficar para nós um sentimento longínquo de coisa esquecida na terra — Como um lápis numa península.”(Manoel de Barros)
    O poema é feito com uma motivação de um determinado momento. Depois ganha vida própria. O momento do poeta pode não mais se repetir, como uma musa que se foi. Mas o poema insiste em nos lembrar que existe e passa a ser uma verdade, mesmo vindo de uma mentira, pois só é falso o que não se inventa. E a poesia que apodrece em tuas mãos continua viva nos poemas que compuseste. Desculpe minhas divagações, amigo. É que tua poesia me incita a isso. Bem como as vozes que nela há.

    Grande abraço!

    ResponderEliminar
  23. Jorge, dos meus 3 escritores favoritos 2 são portugueses. E se pensar nos 10 mais, Portugal leva mais da metade.
    Lendo teu blog sempre lembro-me disso e penso que não é à toa.
    Mais um texto maravilhoso.
    :)
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  24. O "tu" que vive no poema é, tantas vezes, aquele por quem vivemos... respiramos e suspiramos... E, mesmo sem nome, sabemos de quem se trata...
    Outras vezes, é o desconhecido que nos faz companhia...
    Beijos, amigo!

    ResponderEliminar
  25. amigo celso,
    "só é falso o que não se inventa". não acredito em verdades, mas como isso me faz sentido inteiro.
    um forte abraço, amigo!

    ResponderEliminar
  26. carina,
    a língua portuguesa atrai a boa escrita :), seja em terras de viriato, de vera cruz ou mesmo da tórrida áfrica.
    um beijinho grato!

    ResponderEliminar
  27. cristina,
    às vezes penso que o "tu" que vive no poema alimenta e morde, sacia e reduz, afaga e mata. e nesta encruzilhada de dúvidas sanguíneas, o poeta emerge como homem restrito na imensidão da sua demanda. será a própria escrita o "tu" que se esconde por detrás do elmo do anonimato?
    beijinho, querida amiga!

    ResponderEliminar
  28. "Quem és tu que vives no poema?"
    Senão o ser, própria imagem e semelhança do próprio poeta, homem-Deus em sua plenitude?
    Aquilo/aquele que nos motiva a ponto de transferirmos nossa alma aos poemas, e tão somente um pouco de nós, de nossos sonhos de nosso SER idealizado. Nosso homem, mulher, o onírico, a vida, a utopia..., de nossa alma para nossas mãos, de nossos escritos à vida.
    E agora te pergunto:
    "quem és tu que escreves no poema?"

    Jorge, maravilhoso! Sou tua fã, do pouco que conheço, admirei muito tudo. Teu trabalho me toca muito. Parabéns!
    Não se preocupe, hoje não falarei do Lorca!rsrsrs
    Grande beijo meu amigo do além-mar.
    Obrigada de coração por sua presença no meu blog, como já te disse, sua opinião é extremamente importante para mim. Ah! Atendido seu repto, Elvis entrará na história em próxmos posts.

    Ótimo fim de semana.

    ResponderEliminar
  29. O meu comentário nasceu assim... sentido, sentido!

    Quase mulher
    Artimanha
    O poema veste saia
    Demanda
    A mentira fêmea
    Faz-se
    Verdade – Será?
    Concreta
    Do instante traído
    Sentido
    Eternizado
    Na voz
    E o verso nasce
    Sangue contaminado
    Anônimo
    Como uma amante.

    Como são cínicos os poemas de vestidos!

    Tua poesia, Jorgito, me contamina. Entra no sangue e espalha nas entranhas, após o combate nasce a inspiração.
    Bravo, bravo!
    Bjs sem nomes

    ResponderEliminar
  30. cissa, querida,
    que poema é aquele em que as vozes se fazem uma e una? na sua pluralidade, escuto brados, impropérios, vilezas, e a boca, lá no fundo, encontra-se coberta de algas, ainda com o sabor a-mar.
    elvis volta? ena, já estou a imaginar a cena: o rei do rock e o príncipe do tango juntos sob o mesmo olhar. frenético, no mínimo :)
    beijinho, querida amiga!

    ResponderEliminar
  31. tá aí...
    alô,,,,Jorge?


    alô...Joege!!!é vc!

    ResponderEliminar
  32. quanta dor nas juntas...



    bjs, querido.

    ResponderEliminar
  33. Jorge, enquanto escrevia, há pouco, estava precisamente a pensar que esse "tu" que vive no poema também mata de várias formas... Mas prefiro lembrar que faz viver! :)
    Beijos!

    ResponderEliminar
  34. ira, querida amiga,
    nada há tão perfeito como a seda de jardins debruçados sobre o desejo masculino, ofício inquieto que avança e recua nos andarilhos da sedução. e os frutos tremem sob as mãos docemente regadas com a seiva e o sangue, em sístoles e diástoles de prazer proibido. nada há de tão perfeito e (quem sabe, por isso mesmo) de tão mortal.
    beijinho imenso!

    ResponderEliminar
  35. alô, carla, daqui jorge... ou a boca dentro do casulo. :)
    beijos e até breve!

    ResponderEliminar
  36. fernand's,
    a dor é tão-somente o livro que se ata com os fios das estrelas. o livro? sim, esse: o que todos sabem [d]escrever com a tinta do próprio rosto.
    beijinho e um sorriso!

    ResponderEliminar
  37. cristina,
    viver e morrer? apenas variantes de um conceito mais abrangente a que se deu o nome de "humanidade" :)
    beijinhos!

    ResponderEliminar
  38. Humanidade tantas vezes desumana... :(

    ResponderEliminar
  39. pode a neve branca iludir o sono de deus?
    pode o sangue vivo desconjuntar a ilusão da ordem?
    pode o choro de uma criança comover o dinheiro?
    diante do olhar, mais distantes se erguem os portões irredutíveis da utopia. :(

    ResponderEliminar
  40. A questão do poder é complexa, mas, por vezes, muito daquilo que desvalorizamos tem mais 'poder' do que julgamos... O princípio poderá estar em mudar/agitar consciências... Já ajudará um pouco. Digo eu...
    Beijinhos, Jorge!

    ResponderEliminar
  41. Quem és tu que és poema e vive a emocionar-me? Quem és tu que nascestes em versos do meu sentir?

    Lindo e lindo, meu querido amigo!!^^

    Beijos

    ResponderEliminar
  42. Meu querido Poeta

    O poema faz amor com as palavras...devora bocados de solidão...despe-se na noite...veste-se de paragrafos...bebe-se lentamente...soletra-se docemente.
    O poema é uma página em branco esperando a ilusão...é a carícia dos dedos...o grito que se deita no papel...um vazio intensamente cheio...uma dança sensual...vestida de ausência e repleta de silêncios...é a maré dos corpos na rebentação das águas...é o inferno trocado por pedaços de eternidade.

    E...já me devias ter mandado calar...dando fim ao meu devaneio...O POEMA ÉS TU.

    Deixo um beijinho de boa noite
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  43. Fui lendo e pensando que esse caminho por onde a poetisa percorreu foi o mesmo onde você andou, mas que por ora se perdeu.
    Engraçado o quanto um poema nos dá interpretacoes, e faz viajarmos com o poeta. Muito bom, poeta lindo, mais uma vez!

    ResponderEliminar
  44. sem querer ser fatalista ou conformista, estou em crer que na generalidade das batalhas não se ganha; perde-se. o triunfo é a ilusão que os deuses depuseram diante do olhar dos homens, instigando-os à cobiça e à ambição, como se a moeda da glória tivesse apenas uma face. digo eu :)
    beijinho, cristina!

    ResponderEliminar
  45. querida suzana,
    enquanto houver demanda sobre as linhas do poema, haverá sempre poesia, encantamento, paixão e olhos inquietos varrendo estradas de pó que não sabe pousar. os nomes de quem se procura? que importam?... :)
    beijinho grande!

    ResponderEliminar
  46. amiga-do-sonho,
    soubesse eu as respostas... perco-me na procura.
    obrigado pelo teu carinho!
    um abraço forte!

    ResponderEliminar
  47. amiga c. vienense,
    este "tu" que se esconde no poema tem olhos de amêndoa doce, vestido de tafetá colorido, com flores pequenas no cós; um colar de coral enfeita-lhe o pescoço de onde escorre, líquido, um aroma a limões selvagens de casca fina. arredonda a anca em passos pequeninos sobre erva fresca, que a persegue num bailado verde de água inquieta. deita-se, todas as noites, na armação da estrofe, fazendo das rimas o seu colchão.
    quando a chamo, ignora;
    mal lhe aceno, finge que não vê;
    assim que a canto, volta o olhar para o sul da voz;
    sempre que a persigo, desaparece nas linhas brancas que me desenham fantasma.
    será ela o poema?
    beijinho!

    ResponderEliminar
  48. Saudações, Jorge,
    não importa o nome ou um nome, pois podem ser vários
    mas não creio nisto
    "hoje
    toda a poesia me apodrece nas mãos."
    nem hoje nem ontem nem amanhã

    um abraço, querido poeta que através de finas mãos tece versos de luzes e sombras

    ResponderEliminar
  49. "hoje
    toda a poesia me apodrece nas mãos."

    A musa, dentro do poema traz luz e calor para que a poesia nunca apodreça nas mãos do poeta.

    Belíssimo!

    L.B.

    ResponderEliminar
  50. vivemos e morremos um pouco
    em cada poema..
    nos desvendamos e renascemos..
    inspiração de nosso sentir.
    beijos querido poeta..

    ResponderEliminar
  51. Teu poema é chama que ascende desejos e sabores, resplandece cromática onírica, arco-íris de versos.

    "Agrada-me esta ideia de ritual imprevisível. Gosto quando um movimento que eu não vi surge à minha frente, e persigo-o como ao pote no fim do arco-íris." (Elaine Summers)

    Beijos, querido Jorge!

    ResponderEliminar
  52. Jorge,
    Que dizer?
    Certamente um dos poemas mais belos que tenho lido.
    Também eu, podendo, faria de um de um poema a minha morada.
    Um beijinho, é verdadeiramente um gosto

    ResponderEliminar
  53. romeu e julieta abandonaram os nomes por causa do amor...

    ResponderEliminar
  54. amiga vais,
    haverá canto sem voz? será possível abraçar sem membros? e que dizer do amor sem coração?... a verdade é que, quando não encontras o(s) nome(s) no poema, perdes-te na poesia.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  55. "eu vivo no poema"
    insana,
    serás tu, então? :)
    um abraço!

    ResponderEliminar
  56. lídia,
    tantas são as vezes em que essa musa canta e encanta, envenena e liquida. ah, mal-dita poesia!
    beijinho!

    ResponderEliminar
  57. querida ingrid,
    o poema é uma outra vida dentro da vida de quem o concebe. e viver duas vidas é o convite à não vida. talvez esse "tu" que se esconde no poema seja mais um "eu" ou mesmo um ser plural. talvez...
    beijinho!

    ResponderEliminar
  58. querida lívia,
    quem arde nas tuas palavras sou eu :) obrigado!
    beijinho!

    ResponderEliminar
  59. e.a.,
    também eu, apesar de o saber "inspiração mágoa e delírio" em putrefacção precoce...
    beijinho!

    ResponderEliminar
  60. "romeu e julieta abandonaram os nomes por causa do amor..."
    pois, mas... deu no que deu :)
    beijinho, amiga de cabelos longos!

    ResponderEliminar
  61. Jorge, meu querido
    Há sempre um enigma, um mistério, um koan a viver dentro do poema...
    Ai, vontade grande de demonstrar o teorema confuso de dentro da cabeça...
    Não é mesmo?
    Maravilhosos os seus versos!
    Abraço apertado, amigo, grande poeta.

    ResponderEliminar
  62. verdade, querida amiga, o nevoeiro que intoxica o jardim das nossas vidas cega-nos, confunde-nos e obriga-nos a permanentemente ter de procurar. aqui e em todo o lado. o x da equação: lugar nenhum.
    beijinho, zelita!

    ResponderEliminar
  63. Lindo poema, Jorge, que faz conviver realidade e fantasia com tanta arte.
    Beijo grande.

    ResponderEliminar
  64. Eu amaria habitar versos e respirar palavras!...:)

    Muito lindo, amigo, como sempre.

    Fique bem, fique em paz.

    Beijooooooo

    Cid@

    ResponderEliminar
  65. Excelente!

    Percorrerei seu blog.

    Um abraço,
    Doce de Lira

    ResponderEliminar
  66. Quanto será possível descobrir as muitas cores que hão entre tons de preto e branco? Tua poesia, Pimenta, costuma ter indagações coloridas em alvura e tição - e é bela como a vaidade do céu em espectro solar.
    um abração pra ti.

    ResponderEliminar
  67. dade, querida,
    é tão bom reencontrar-te nestas viagens. há tempos li que aquele que escreve sofre no silêncio da solidão; tu e tantos outros amigos ajudam a infirmar esta verdade poética.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  68. amig@ cid@,
    se há alguém que vive nos livros, se alimenta de versos e se deita no colchão da palavra, esse alguém és tu; não apenas pelo que escreves, mas também pela tua profissão nobilíssima: bibliotecária :)
    ah, que privilégio!!! :)
    beijinho grande!

    ResponderEliminar
  69. renata,
    sê bem-vinda!
    estas viagens fazem-se a várias mãos, múltiplas vozes e sem cinto de segurança. há quedas que engrandecem :)
    beijinho!

    ResponderEliminar
  70. qurida rejane,
    soubesse eu com que cores se pinta a poesia... tantas vezes é apenas luzes e sombras...
    obrigado pelo teu carinho!
    beijo grande!

    ResponderEliminar
  71. E tudo depende do olhar que leva as vertigens para dentro e deixa de fora aquelas tolices sem sentido que insistimos em classificar. Sua poesia me deixou a deriva, como uma pergunta para a qual não tenho resposta e nem desejo ter, apenas observo e colho...
    bacio

    ResponderEliminar
  72. ontem matei a Penelope, não fosse ela morrer de tédio
    PIM!
    Beijo
    Laura

    ResponderEliminar
  73. menina do sótão,
    há presenças que trivializam o olhar. que dizer, então,das ausências...
    beijinho!

    ResponderEliminar
  74. até porque de que serve tecer peças de vestuário no tear se agora chega o verão e o seu calor insuperável? :)
    beijos, laurita!

    ResponderEliminar
  75. Quando cair o vendaval eu te conto!! rs Gostou da mudança?
    Bom saber que meu texto foi interpretado assim por você (como visao do mundo). Foi o primeiro texto que publiquei receosa em ter publicado.
    Abraco lindo man, lindo sim :-)

    ResponderEliminar
  76. Jorge, querido,
    retornar aqui é sempre um privilégio.
    Vim para agradecer seu comentário, e porque não dizer, palpite, na novela da Xerife, e li, reli seu poema, como na verdade seria a situação ideal, se o tempo permitisse.

    O que está além de nossa mera compreensão, o sentir de fato uma obra: o que verte em quem lê. O amor da leitura, dedicação que nós, meros leitores deveriamos ter, e não apenas a paixão de uma primeira vista.
    Me chamou atenção a expressão: "simplesmente quase-mulher", plena de significados, como se fosse outra faceta de abordagem que antes não havia percebido em seu todo. Reli apartir dessa ótica, e mais coisas apareceram. Mágica? Quem sabe. A mágica da literatura, sem truques, apenas técnica e sentimento.

    Amanhã, dia 13, estarei postando finalmente os meandros: Elvis-Xerife, conforme teu repto. No que dedicarei a você e seu trabalho.
    Se puder, acompanhe.

    Grande beijo, amigo do além-mar.

    ResponderEliminar
  77. toda poesia nasce de tuas mãos como ramos frutíferos. que importa nome, tu ou ele? importa que a luz brilha sempre no teto do teu poema.
    beijo, poeta.

    ResponderEliminar
  78. querida c.,
    há vendavais que arrancam tudo quanto permanece pendurado no varal exterior. temo, sobretudo, as tempestades que agitam o lado de dentro...
    metáfora da vida, hoje, como ela é (ou parece ser) - eis a leitura que fiz do teu esplêndido texto.
    beijinho grande, linda woman!

    ResponderEliminar
  79. querida cecília,
    que bom teres regressado aqui. tenho acompanhado a trama inquietante de dona xerife, mulher aparentemente banal que, todavia, tem um carisma desmedido (ou não gravitassem em torno da sua vida todas as outras, qual epicentro de temporal humano). começa por ser a vizinha, passa para os familiares, já temos o famoso actor argentino da novela das 20h em cena (não tenho a certeza do horário; se falhar, dá o desconto da diferença horária, por favor:)); seguir-se-á elvis, the pelvis? :).
    tens uma capacidade de engendrar estórias e de as coser com fio de seda tais, ao ponto de envolveres os leitores numa inquieta curiosidade que, no dizer dos ingleses, mata, a cada capítulo, mais um gato (curiosity killed the cat). é impossível não acompanhar os próximos desenvolvimentos (mesmo sabendo que vou estar ausente e sem internet durante quase uma semana, mas se não apanhar os posts live, fá-lo-ei depois em diferido :)).
    a propósito de leituras e releituras, quando gosto de alguma coisa que faça, veja ou leia (exemplos: um bom livro, uma filme marcante, uma viagem, um lugar), regresso e vivo-o na plenitude duas vezes, (pre)sentindo que não os estou a viver em duplicado, mas uma e a mesma vez, ainda que com mais inteireza e completude. manias? eu dou-me bem assim.
    um beijinho, querida cecília e obrigado pelos carinhos que por aqui vens dispensando!

    ResponderEliminar
  80. loba,
    a tua presença é mesmo a do mamífero selvagem que carregas no nome: discreta, mas deixando marca. como aquilo que escreves, afinal.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  81. Muito bom o poema, gostei muito do seu blog, parabéns e ótima semana pra você.
    Meu blog
    http://ventosnaprimavera.blogspot.com

    ResponderEliminar
  82. no primeiro verso em que perguntaste "quem és tu que vives no poema?" eu pensei de pronto no nome de alguém que até então eu pensava já haver se mudado da minha cabeça.

    na segunda vez em que perguntaste, não pensei no nome, apenas vi a pessoa esparramada nas entrelinhas de teus versos.

    na terceira vez... tratei de fechar os olhos e ler os versos finais por osmose, mergulhado até a alma nos braços desta mulher que vive no teu poema e em todos os outros de que eu me atrevo a gostar.

    abraços

    ResponderEliminar
  83. universos densos e arames farpados...Corroem a poesia desnudada e crua das veias do poeta

    ResponderEliminar
  84. arnoldo,
    grato pela visita e pela simpatia das palavras.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  85. caro wilden,
    é sempre assim a mulher que faz morada nos versos: felina, subreptíca, sedutora, quase invisível. traja branco sem ser noiva, pinta as unhas de negro sem ser a morte, beija o batom encarnado sem ser o amor. o poeta deseja-a mais do que à imortalidade do próprio poema ou de si mesmo. da tríade, não sei quem morre primeiro...
    um abraço!

    ResponderEliminar
  86. michelle,
    são versos femininos a cruzar poemas nocturnos esculpidos em pedra. na linha dos sons, a rima já esqueceu como se faz a música. e o poeta é violentado pela entidade que se esconde na sua voz, na voz do texto. já nem a morte lava o piar das corujas.
    belas as tuas palavras!
    um abraço de cristal!

    ResponderEliminar
  87. jorgitus, o corpo do verso nunca se esquecerá do reverso, viu? e qto à discrição, é bem menos que isso. não passa de uma antipática timidez. de resto, tem as unhas e o ferino da língua tb escrita! rs,,,
    beijocas

    ResponderEliminar
  88. loba,
    a palavra é seguramente fértil no teu ventre. também eu procuro o verso sem reverso, mas, mesmo que escrito apenas num dos lados, a folha tem sempre duas faces.
    beijinho com discrição tímida :)

    ResponderEliminar
  89. Quem és tu poeta? Lindíssimo poema, me emocionou, beijos.

    ResponderEliminar
  90. quem és tu que vives no poema?
    os nomes nada significam...

    ...
    sei do sonho tresloucado
    que dos castelos ergui
    por entre (meus) dedos ressequidos
    em busca quiçá..(qui-me-eras) de Ti!

    (inspirador este (re)canto..

    Um beijinho
    da
    Assiria

    ResponderEliminar
  91. Este poema diz-me particularmente muito, não sei bem o porquê mas enche-me e preenche-me.

    ResponderEliminar
  92. milene,
    grato pela visita e pelas palavras: que o poema sirva à medida da tua sensibilidade.
    beijinho grande!

    ResponderEliminar
  93. os nomes nada significam; até os pronomes [ti] os substituem para evitar a sua repetição... e neste jogo de significações e ressignificações, a gramática da vida tem sempre valências maiores sobre as etiquetas, verdade?
    beijos, querida assíria!

    ResponderEliminar
  94. arroba,
    sente-o teu, por favor!
    um beijinho em agradecimento maior!

    ResponderEliminar