sábado, 25 de fevereiro de 2012

ode para quereres e olvidos [e outros tantos desassossegos]


Se um dia pudesse adquirir um rasgo tão grande de expressão, que concentrasse toda a arte em mim, escreveria uma apoteose do sono. Não sei de prazer maior, em toda a minha vida, que poder dormir. O apagamento integral da vida e da alma, o afastamento completo de tudo quanto é seres e gente, a noite sem memória nem ilusão, o não ter passado nem futuro.
Fernando Pessoa [Bernardo Soares], O Livro do Desassossego

fotografia de jorge pimenta


é este o peito que respira
a roupa suja
os olhos tristes,
e porque cada madrugada o acorda três vezes
o número basta para detestar a matemática
das coisas
dos nomes
e de tudo o que deseja.

adormeceu um dia com as pálpebras
sobre um olhar de amêndoa
e nada em si conseguiu ser mais amarelo
no trajeto de uma noite
no aroma do poente
no estrebuchar da borboleta em círculos
no mapa do seu sangue.
acordou viúvo,
num céu de rede, crinas negras
pelas bocas que sonham com cometas
e apodrecem nas vias lácteas da deceção.

ofereceu-se a insónia
e hoje respira assim
lentamente, como todos os comboios
que suspiram pela ferrugem das chaminés
[o único brilho que exibem
por entre as galerias de fumo e poeira da viagem],
e hoje respira assim
intermitente, como o corpo
entre os dias em que desperta
e aqueles em que morre,
sempre apoiados nas pernas,
de face macilenta,
o olho direito nas suas ruas vazias
e o esquerdo no movimento da multidão
que não lhe pertence
que não para nem o vê
que esqueceu as feições daqueles
que não gravou no seu rosto.

começou a escrever
sobre o noturno espaço do seu silêncio
e a cada cigarro de bruma
um girassol morria a grande velocidade
diluindo-se no tempo que lhe violou a semente
e lhe roubou o astro do nome.
passou a estremecer nas folhas
na sombra da tinta
e em todos os mundos que inventava
imitando a fórmula com que amava,
já mal iluminado,
pelas entranhas do seu edifício,
algures nos intervalos das telhas
e dos socos do poema,

ali, onde já nem o pó faz morada.

radiohead, true love waits

85 comentários:

  1. Grande poema, Jorge!
    Um abraço. Tenhas um bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. dilmar, viva,
      há instantes falavas do que de essencial procuramos e que na maioria das vezes espreita pelo lado de dentro. este texto senti-o um pouco como um diálogo com esse ser outro que tem verso e reverso.
      abraço!

      Eliminar
  2. caramba...

    tu não tiveste dó desta pele que agora geme acompanhada de tremor nas mãos e olhos orvalhados, hein!?

    a combinação de texto e canção tiveram efeito de abalo sísmico por aqui... daí expressão de tanto exagero...rs!

    esse "adormeceu um dia com as pálpebras
    sobre um olhar de amêndoa" vai ecoar durante bom tempo por aqui, acredite!

    beijinho carinhoso e emocionado, amigo poeta Jorge!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. joelma, minha tão especial amiga-poeta,
      haverá em nós algo mais "rasgável" do que a pele? :)

      beijinho!

      Eliminar
  3. Querido Jorge,

    Tudo bem? Ao ler o seu poema, pensei no rasgo não só da pele, mas do próprio respirar. Obrigada pela intensidade do escrito!

    Beijos.

    Lu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. lu,
      todos os tecidos acabam por, mais cedo ou mais tarde, rasgar, verdade? e as palavras que imitam as sensações são sempre a acha bêbeda na fogueira :)

      um beijinho!

      Eliminar
  4. Mas aqui, você rasgou a alma...!!
    Li em seco e com respiração contida...
    Beijos,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. querida ana lúcia,
      quantas vezes a escrita não é o nosso ponto de respiração [in]contida?

      beijo grande!

      Eliminar
  5. A pessoa do Pessoa e a pimenta do Jorge...sempre a nos mostrar o que é essencial.

    Ah, os desassossegos! quem poderia explicá-los? Assim como Pessoa concordo que o sono merece uma apoteose. E assim como você, sensível e espetacular poeta, pude sentir o rasgo da insônia.

    Beijo, Jorginho! Você sempre brilha!!!
    Amo lert-te...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. querida adriana,
      algures entre os sono e a insónia adivinhamos os nossos pontos de [desas]sossego.

      sempre uma ternura, tu.

      beijinho!

      Eliminar
  6. o que se nos fica da existência: pranto derramado, lágrima de alvíssaras, sol posto, poente deflorado. no corrimão da palavra o equilíbrio tonto, onde a mão segura?


    abraço poeta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é mesmo assim, poetassis,
      ponto desarranjado, mínima de alvíssaras, sol no rosto e poente desflorado.
      tudo o mais é imaculada superfície a despedir-se das formas.

      abraço!

      Eliminar
  7. Sempre muito belos e de uma riqueza enorme seus poemas amigo.Queria lhe agradecer pelas palavras em minha entrevista no blog da Anne, muito obrigado.Tudo de bom pra você amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. arnoldo,
      sinto-o como um privilégio meu, distinção concedida, o teres-me permitido ler-te naquela entre-vista.

      abraço!

      Eliminar
  8. Olá, amigo Jorge!
    Hipnos é improdutivo, apesar de ser genitor de Morfeu, e ainda é irmão de Tânatos.
    O poeta preferirá sempre Hélios para dar luz às sombras de seus alumbramentos, mas sem se olvidar de Cronos, que nos consome um pouco por dia, sem que Zeus nos liberte.

    Parabéns pela maestria poética!

    Abraços do amigo de além-mar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. alegoricamente o teu comentário toca uma franja inaudita do poema, meu bom amigo bento: a de que somos pasto dos apetites mais vorazes dos deuses...
      abraço!

      Eliminar
  9. Amigo Jorge...

    Fico encantada com a dança das palavras coriografadas por ti.Lindo espetáculo!!
    Os comentarios que li..são extensão de seu
    tão belo e forte poema.
    Um beijo..e parabéns por mais esta Obra Prima.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. querida ma,
      há palavras que apontam aos sonhos, até porque tocam as raízes onde assentamos a alma de escrita.
      que bom teres gostado!

      um beijinho grande!

      Eliminar
  10. Olá Jorginho meu amigo portuga!

    Rapaz, rasgaste foi a alma meu amigo! Que belo poema. Falar que você escreve divinamente chega a ser redundância né?
    Hahahahahhahahaha parabens meu amigo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. da alma: é a tinta quem a rasga, meu querido amigo, a tinta, essa corrente silabária que nos preenche as veias.

      abraço!

      Eliminar
  11. [é isto, que o peito do poeta respira
    a poesia
    e, a poesia, é para ser vivida e sentida]

    porque cada madrugada
    é também o grito das coisas
    o inesperado atordoado da dor
    a flor aberta, sugerida na cor

    e cada coisa
    é também a inutilidade
    do silêncio, da aversão ao pó,
    dó do luto onde terra pousa
    que ousa
    destruir, desfazer, e fazer
    enfraquecer a ligação com o sangue
    esse que acorda viúvo,
    esse que voa mais depressa
    e morre na entrada do peito
    efeito do zumbido das bocas
    no cortejo dos sonhos à pressa
    gritando por amor…
    [e hoje respira-se assim, na face macilenta escutada na dor que se ostenta
    na transfusão desta viagem]


    Abraço-te Querido Poeta :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. por mais que respire, alguma vez o peito saberá saciar-se? por isso estremece, se agita, balança, muda de cor, aquece, ganha febre e explode nas sensações que sonhou e que, no delírio de cada vigília, injeta no seu genoma sensitivo.

      e eu beijo-te, querida poeta[isa]!

      Eliminar
  12. Grande Jorge, gosto dessas hipérboles que vc utiliza nos teus poemas, afinal de contas, os bons poemas têm que ter essa linguagem exagerada, e mais um belo escrito teu, gostei bastante da música do Radiohead.

    Jorge, voltei há alguns dias com meu blog, como vc percebeu, dei uma repáginada em tudo, e gostaria de sua ajuda. Vou criar um tópico chamado: "Turismo", onde meus amigos blogueiros que moram em outros estados ou países façam uma matéria mostrando e documentando a cidade onde moram, como vc mora em Portugal, um belo país europeu, então caso vc aceite, gostaria que você fizesse uma bela matéria sobre o lugar onde vc mora, com fotos e, caso vc queira, uma filmagem, caso você tenha alguma dúvida, pergunta no meu e-mail que tiro as dúvidas, caso teu tempo esteja corrido por ai, esquecemos a ideia, ok?

    Abração pra ti.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. paulo, caro amigo,
      deixa-me, antes de mais, saudar o teu regresso, sempre tão ansiado. pois, vejo que te fazes acompanhar de novidades, muito especialmente "turismo", em que te dispões a divulgar lugares e os seus pulsares. braga, a minha terra, tem, na verdade, algumas coisas que poderia e gostaria muito de mostrar, mas peço-te que aguardes por um momento mais propício, dado que as solicitações têm sido imensas. talvez na pausa pascal, período em que gozo de umas curtas férias, certo?
      um forte abraço e saudações reiteradas neste regresso!

      Eliminar
  13. Poema maravilhoso,
    lido num passo acelerado e coração emaranhado de emoções.
    Parabéns poeta

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. querida fernanda de nome tão bonito,
      há palavras que são como as flechas: rápidas e decididas. a vertigem não está nelas, mas nos olhos que as leem. nesses casos, captem-se em aceleração contínua.

      um beijinho!

      Eliminar
    2. Fernanda é meu nome sim, mas sempre tive o "nick name" de Ná.

      Verdade, Jorge.
      Há dias que algumas poesias despertam em mim um alvoroço imenso. Este foi o caso.
      Há palavras que se lêem com o coração saltando.

      Beijo

      Eliminar
    3. querida ferNAnda,
      poesia sempre foi sinónimo de alvoroço, verdade? a emily dickinson diz "quando leio um livro e ele faz o meu corpo inteiro tão frio que nenhum fogo pode me aquecer; eu sei que aquilo é poesia."
      parece-me tão perfeita esta definição...

      beijinho e alguns alvoroços, pois.

      Eliminar
  14. Jorge,
    Obrigada pelas respostas aos meus comentários, aqui. Obrigada pelos pertinentes comentários em meus posts, também. Saiba que o tempo me fez criar uma admiração bastante significativa por sua pessoa. Gosto mais de você, a cada aproximação que possuo. Com todo o carinho e respeito meu amigo, você é um desses tesouros que a vida nos põe no caminho, para ficarmos ricos de alma. Tão raro quanto a citação da Arca da Aliança, que por isso mesmo, nunca fora encontrada, apesar de ter existido.
    Beijos,
    Ana Lúcia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ana lúcia,
      normalmente conotamos o espaço virtual, e a blogosfera em particular, com contactos fugazes, dispersos, pouco estruturados e, nalguns casos, perversos, até. pois, quando as pessoas se tocam por via daquilo que as aproxima, a amizade acaba por florescer e até se fortalecer. tenho exemplos vivos disso mesmo, nestas viagens por oceanos de luz e sombra.

      um beijinho de gratidão por me distinguires com a tua amizade!

      Eliminar
  15. Oi Jorge,

    o frêmito, perceptível turbulência na ânsia que não se sacia. Para cada respirar há sempre um expirar, novo vazio, seguem as buscas.

    Beijos, poeta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. van, minha querida,
      o que será a poesia senão a demanda e todos os seus lugares?...

      beijinho!

      Eliminar
  16. Quando o sono insiste em manter a ausência, o poeta vagueia e se abre, sem se importar com a transparência de seu querer e dos delírios que lhe possam trazer. Você é ímpar.
    Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. marilene,
      todas as palavras transparentes resistem num ambiente de vigília discursiva e coma existencial.

      beijinho grande!

      Eliminar
  17. Das minhas insônias, eu invento o sono do mundo.
    Jorgito, meu queridão, vc e Pessoa juntos, me levam desassossegada, até as sombras e luzes deste Portugal.
    Bj imenso

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ira, minha querida amiga,
      o que seria feito de ti, de mim e de tantos outros sem os [desas]sossegos que aquietam? e a palavra é toda a vertigem desta órbita.

      beijinho!

      Eliminar
  18. É sempre um privilégio ler/escutar a música das suas palavras. Sempre.
    Bom domingo! Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. cristina, amiga-jornalista,
      e que dizer eu da tua presença sempre tão especial?

      beijos!

      p.s. tenho em marcha, para esta edição d'o despertar, um inquérito a alunos de 6º e 9º anos sobre atitudes e hábitos de leitura. preparo um enquadramento técnico; haverá tempo para o tratamento dos dados? :)

      Eliminar
  19. Precisei dum tempo para degustar completamente desse vinho de sabor tão especial que é a tua poesia, mesmo assim o meu paladar é tosco demais e perco os sutiles matizes que a tua palavra encerra. Tal vez se bebo toda a botelha? Sim, já sei que ficarei embriagado de poesía, más a qualidade é suprema e não terei ressaca :)
    Quereres, olvidos…infinitos desassossegos viajando em comboios de girasoles até chegar à estação onde espera o poeta para reinventar 'a fórmula com que amava', pois a pesar de todas as suas mortes vive, ainda no pó que não existe.
    Abraço forte, querido amigo.

    pd. Obrigado pelo teu comentário, ficou melhor que o poema :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eduardo, meu querido amigo,
      seria esse néctar dos deuses o "Amizade Brute Reserve"? :) só esse estimula os sentidos sem nunca entorpecer :)

      um forte abraço!

      Eliminar
  20. "sobre um olhar de amêndoa
    e nada em si conseguiu ser mais amarelo
    no trajeto de uma noite
    no aroma do poente"

    "[o único brilho que exibem
    por entre as galerias de fumo e poeira da viagem]"

    Gosto tanto das imagens e sensações que você cria, Parabéns! Sensacional como sempre.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ela,
      fico tão satisfeito por saber que algumas destas palavras te possam ter tocado. obrigado, pois.

      beijinho!

      Eliminar
  21. Ao ler este poema sinto a inquietação da alma, entre o sonâmbulo e o acordado, entre o silêncio e o ruído...
    Lindíssimo como sempre
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. rita,
      a poesia é sempre o sopro sobre a cinza do que se não tem mas se procura.

      beijinho agradecido pela simpatia da tua presença e das tuas palavras!

      Eliminar
  22. entre quereres o que se olvidou há um vácuo. é lá que repousa a mente dos homens, longe de tantas e contínuas informações.

    tua voz sempre alcança meus segredos. sempre ecoa-me demoradamente entre a pele e o hipocampo.

    grande abraço, meu amigo poeta a quem tanto admiro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. amiga celso,
      essas noites brancas cerebrais de que falas são justamente a matéria pura que resulta da osmose da utopia com a deceção. haja a poesia para nos reerguer nos segredos e nos devolver à genética dos nossos silêncios.

      abraço imenso!

      Eliminar
  23. Jorge, meu amigo, grande poeta
    Este é, sem dúvida, um dos mais lindos poemas que já tive oportunidade de ler! Cheguei a sentir, a ver os movimentos desse diafragma, o sobe e desce ritmado desse peito... Sendo , como sou, simples demais no uso das palavras, não tenho à mão expressão que seja adequada para traduzir o que me vai no peito, mas garanto-lhe, que, aqui, no interior de minha caixa toráxica há um reboliço, um bater descompassado... Bravo!
    Abraço bem apertado, querido!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. zelita, minha querida amiga,
      sempre de uma gentileza contagiante, tu. e comoa tua presença sempre me toca, tu, alguém que conhece como poucos os movimentos dos astros interiores nos seus alternados alinhamentos e desarranjos. e as palavras são as crinas com que cavalgas a paisagem que nos percorre de norte a sul, de nascente a poente, sempre geografia, pálpebra e papoila.

      beijo ainda com um incontido brilho nos olhos!

      Eliminar
  24. Há, sim, Jorge. Claro!
    Fico à espera. :)
    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. cristina, que boa notícia :)
      tenciono, entre esta semana que agora se inicia e a próxima, passar todos os questionários aos alunos e recolher os dados. entretanto, partindo dos resultados dos estudos PISA em portugal [sobre literacia, neste caso interessando-me a literacia em leitura], faço o enquadramento. a tua parte - a parte de jornalista :) - será a divulgação dos dados.

      beijinho e até breve, pois, ainda saboreando a boa nova da tua colaboração!

      Eliminar
  25. Que todos despertassem da insônia do mundo e mergulhassem nos seus delírios tão ricos com um olho direito nas ruas vazias e o esquerdo no meio da multidão.
    Jorgíssimo o quê mais posso esperar de sua maestria?

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. elisa, haikaísta de quem sou fã absoluto,
      essas ruas que ora dormem, ora se agitam, percorrem-nos em milhares de metros dobrados, estendidos, com e sem ângulos, em esquadria ou traço livre, mas sempre pelo lado de dentro. impossível conhecer todos os recantos; possível, sim, procurá-los e, na impossibilidade de a todos tocar, adivinhá-los.

      beijinho, minha querida!

      Eliminar
  26. Dormir...algo que adoro, mas por vezes se pudesse não acordaria jamais...o sono lava-me a alma...adormece-me a nostalgia e tem ainda a particularidade de me deixar sonhar...Amei demais o teu poema. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. rosa-branca,
      o sono ajuda-nos a sentir a terra num só tom, num só gosto, num só gesto, mas em todos os matizes.
      beijinho!

      Eliminar
  27. A cada poema, você cresce como poeta, Jorge.
    Está preparando um livro? Já publicou algum?

    Beijo e muito sucesso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. dade, minha querida,
      já publiquei um livro de poesia e alguns ensaios sobre a escrita poética, mas não prevejo que o volte a fazer nos próximos tempos. para o conseguir, terei de fazer uma antologia e de divulgar o trabalho à espera de que algum editor aposte nele. tenho-me deixado andar, confesso, até por saber que nos dias que correm, com exceção dos consagrados, se publica muito pouca poesia, a menos que em edições de autor.
      se escrevo melhor, hoje, do que dantes? não sei, sinceramente; sei que escrevo diferente e que a escrita hoje me aquieta. não preciso de mais :)

      beijinho!

      Eliminar
  28. Olá querido... sou fã de Fernando Pessoa, desde antes dessa moda que permeia as redes sociais e distorcem assombrosamente os escritos desse autor excelente.... essa citação que vc apresentou no início é perfeita...

    Pude sentir cada palavra de sua poesia, querido poeta Jorge. Intensidade foi a palavra da vez...

    bjks JoicySorciere => Blog Umas e outras...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. olá, joicy,
      fernando pessoa é dos poetas de língua portuguesa com maior projeção literária e seguramente um dos mais lidos em portugal, em todos os países da lusofonia, tendo conquistado também um sem número de leitores em países de língua não portuguesa. essa dimensão permite encontrá-lo, bem como aos seus textos, um pouco por todo o lado e a internet é, seguramente, desse ponto de vista, nicho apetecível. para o bem e para o mal. sejamos capazes de filtrar o que nos interessa, pois.

      beijinho!

      Eliminar
  29. Olá! Jorge gostei do texto,muito bem escolhido e de bom gosto.


    Esta parte deu para fazer uma reflexão.

    O apagamento integral da vida e da alma, o afastamento completo de tudo quanto é seres e gente, a noite sem memória nem ilusão, o não ter passado nem futuro.


    Estou a te seguir, se for do seu agrado.

    Uma ótima semana.Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nati,
      sê bem-vinda!
      na tua leitura percorres vetores de força que representam tantas das pulsões com que nos debatemos na vida da poesia e na poesia da vida.

      beijinho!

      Eliminar
  30. Morava na língua
    Nos olhos
    Na página ao lado
    Qualquer esquina do descuido
    Visava o desvelo
    Ser crisálida cega
    Oiticismo ameaçado
    Ante-sala do tédio
    Horrível desmesura
    Dadaísmo acadêmico
    Beira da loucura
    Jocasta ciumenta
    De beber lebre
    E esconder tartarugas
    Anciã sem rugas
    Eras parte do mistério
    Clamando hospícios
    Expatriadas sílabas
    Que salivo do poeta
    Chamei por Gombrich
    Trocadas as chaves
    Jogos infantis
    Cavalinhos de pau
    (Ar)dor mercy nas palavras.

    Até mais ver, Jorge!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (Ar)dor mercy nas palavras
      Cavalinhos de pau
      Jogos infantis
      Trocadas as chaves
      Chamei por Gombrich
      Que salivo do poeta
      Expatriadas sílabas
      Clamando hospícios
      Eras parte do mistério
      Anciã sem rugas
      E esconder tartarugas
      De beber lebre
      Jocasta ciumenta
      Beira da loucura
      Dadaísmo acadêmico
      Horrível desmesura
      Ante-sala do tédio
      Oiticismo ameaçado
      Ser crisálida cega
      Visava o desvelo
      Qualquer esquina do descuido
      Na página ao lado
      Nos olhos

      até porque morava na língua,
      bem aqui ao lado.

      abraço!

      Eliminar
  31. Hoje pela manhã, por coincidência, comprei e trouxe para casa, um lindo vaso, com um único girassol...

    Ao deparar com o girassol desse seu belo poema, "vesti-me" da certeza de que, sempre que olhar para ele, vou me lembrar de um certo poeta e fotógrafo que habita além mar...
    :)

    Tenha uma belíssima noite, e volte revigorado, para continuar a nos brindar com palavras e imagens que nos aquecem o coração.

    Deus te abençoe!

    Grande abraço,

    Cid@

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. cid@, minha querida amiga,
      por falares de girassois, por eu próprio falar de girassois... há imagens que nos bailam na retina, rompendo o fluxo temporal conforme os deuses o definem e no-lo servem; vi a tela "os girassois", de van gogh, na national gallery de londres, na semana passada. há imagens que jamais esquecemos; porque as captamos com os olhos do coração e não com os do rosto.

      beijinho amarelo!

      Eliminar
  32. Belíssimo, Jorge!

    Poderia falar de tantas coisas que o poema me trouxe, mas não cabe aqui. Sei das noites insones e dos murmúrios e imagens que vem e vão. O LIVRO DO DESASSOSSEGO não sai de perto de mim.

    Mas essa parte: "o olho direito nas suas ruas vazias e o esquerdo no movimento da multidão
    que não lhe pertence
    que não para nem o vê."

    Esta parte me tocou por demais!

    Parabéns, poeta!

    Beijos

    Mirze

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mirze,
      é assim tão estranha a poesia... por vezes faz-se de uma palavra e morre noutra; nuns instantes acaricia-nos, noutros soca-nos o estômago; há instantes em que se faz meiga, todo festas e tegatés, para no instante seguinte se tornar serpente de sete oceanos. é esse o desassossego e nenhum consegue tocar-nos tão profundamente quanto o que pessoa sente por nós...

      beijinho!

      Eliminar
  33. Gostei muito deste poema. É como se me enquadrasse nessas palavras. O desassossego constante de estar acordado, o querer irremediavelmente adormecer..as insónias... os pensamentos, o coração palpitante...
    Óptima poesia que aqui se lê.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. alexandra,
      o sossego e o desassossego são, afinal, duas pétalas de uma mesma flor. a diferença está na terra que lhes acaricia as raízes.

      beijinho!

      Eliminar
  34. Jorge, eis aí, um poema escrito de corpo e alma. Um grande abraço meu amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. paulo, meu bom amigo,
      as tuas palavras são estímulo que considero com imensa satisfação.

      grato!

      um abraço!

      Eliminar
  35. Meu querido Poeta

    A imensidão do poeta que és, mora nas tuas palavras...e eu fiquei sem elas.
    Deixo apenas:

    Escreve palavras nuas...esvazia a alma...embriaga-se de solidão
    A morte é o limite...as mãos em prece chamando a eternidade
    Na sombra dum poema...escreve e descreve a sicuta da paixão
    Louco poeta...caminha entre a luz e a treva...a mentira ou verdade

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. minha querida sonhadora,
      tanto da nossa distância se faz desejo de tornar o deserto habitável. daí todos os sossegos e alguns desassossegos. tão bom ler as extensões de texto que [re]crias!

      beijinho grande!

      Eliminar
  36. socos, pontapés, invenções - não é a toa que o pó não faz morada - é vazio que produz poesia - do mais belo que há em teus versos

    grande beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. luíza, minha querida,
      se a poesia é vida, ela suspira e agita-se, sorri e sofre, dá vida e mata, do mesmo modo que vive e morre. assim são as palavras, a mão que as escreve e os olhos que as tocam.
      beijinho!

      Eliminar
  37. ..."e hoje respira assim
    intermitente, como o corpo
    entre os dias em que desperta
    e aqueles em que morre,"...
    A perfeição...a verdadeira visão da poesia...
    te abraço...num afago de poeta! Sem Tempo...nem lugar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. blueshell, minha querida amiga-colega,
      somos, afinal, tanto das nossas intermitências e descontinuidades...

      beijinho agradecendo palavras que não mereço!

      Eliminar
  38. Há nos teus poemas, Jorge, a garantia da realidade poética. Mas o que eu gostaria de dizer com isso? É que a vida é poesia, reconhecê-la, decodificá-la, é reciclar a existência - é devolver as possibilidades do que nem sempre é vir a ser.
    Da vida, poesia - à vida, poesia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. rejane, minha querida amiga,
      o que somos, afinal, senão as mãos? as que abraçam, as que seguram, as que escrevem e as que ensinam a viver?

      beijos, poemas e vida é o que te deixo nestas palavras que são muito mais do que escrita; são coração, esse que sente a amizade daqueles que se tornam especiais.

      Eliminar
  39. Olá, Jorge,
    fotografia que você nos traz dos lugares comuns e que passam desapercebidos ou ignorados por tantos

    esta parte tocou
    "começou a escrever
    sobre o noturno espaço do seu silêncio"

    beijinho pra ti

    ResponderEliminar
  40. olá, vais,
    se formos apenas os lugares óbvios nunca chegaremos a conhecer-nos verdadeiramente...

    um beijinho com alguns noturnos espaços de cada um dos nossos silêncios!

    ResponderEliminar
  41. toca-me...toca-me sempre ler o que escreves, leio e por vezes volto a ler, sempre no silencio do sentir para que possa interiorizar toda a palavra que brota da tua alma e chega à nossa...

    beijos Jorge
    cvb

    ResponderEliminar
  42. Este é Terceiro comentário neste post

    Jorge,
    Postei comentário na sexta-feira em razão de seu post atual do dia 23 de março.
    Quando senti sua falta lá no Humoremconto vim aqui e percebi que não foi publicado. Muito frustante isso, pois havia feito uma leitura muito atenta. Estou testando neste post, agora mudei de perfil e estou no terceiro comentário. Uso Google Chrome, por isso não sei o que pode estar acontecendo :(

    Meu comentário sobre o post:

    Jorge e Joelma,
    tenho outro olhar a respeito do que mais me chamou a atenção no poema.
    Acredito que em qualquer ser humano é possível nascer miradouros no olhar, contanto que sua alma toque a sinfonia do motor da velha Harley Davidson, sem destino, desbravando a rota como quem viaja para um lugar que jamais esquece. No entanto, só os poetas são aqueles escolhidos pelo miradouro.
    Parabéns aos dois!

    Abraço na Joelma.
    E para ti, Jorge, um beijinho de saudades!

    Será que foi postado este comentário?

    Jorge, caso tenha sido publicado, me avise, estou também lá no Humoremconto com uma postagem onde mostro a cidade em que vivo e a fiz com muito carinho para os amigos que gostaria de receber em minha casa, tu és um deles.

    Vou tentar de novo...
    ah! esse computador não me vence rrrrr

    ResponderEliminar
  43. "há o que renasça por viver em diversas formas" - bárbaro, Jorge!
    ...Há no que vazo a terra, teu poema de argila umedecido em sensações de tudo que resplandece natural. Bela é a possibilidade de renascer onde todo girassol queira ser tudo girassol, e não outra coisa, pois que Van Gogh merece ser Van Gogh e todo Van Gogh, não te parece?
    Estou voltando aos comentários lentamente, querido Jorge, e por aqui, por enquanto.
    Agradeço tua presença tão especial-e-bonita no rejaneando e te deixo um super abraço. :)

    ResponderEliminar