sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

etiquetas XVIII


fotografia de jorge pimenta


I. os aromas do tempo

para a assíria,
[http://soprodevidasemmargens.blogspot.com]
a propósito do seu texto …excluído das horas


uva negra
grainha serôdia
em lábios gretados por todos os verões interiores
[aqueles que nunca explodem
senão do lado de fora do calendário].


II. apelo
não me deixes só em cada um dos meus morreres…


III. [in]confidência
são assim as estrelas:
luz sobre todos os lugares onde o corpo aprende a morrer.


IV. a linguagem e [os] nós
saber remexer a treva
pelo reverso dos signos.


V. transfusão
o que muda primeiro:
este inverno ou a tua estação?


VI. floresta: a árvore e o homem
há tantas raízes finas, delicadas, que nos trepam pelo corpo
agitando oceanos de lava e sangue.


VII. errância [ou a segunda vida de prometeu]
continua a fugir e não sabe se alguma vez se encontrará.
[prometeu que não se deixaria apanhar].

canto de ariana, canção IV [poemas de hilda hilst; música de zeca baleiro]

100 comentários:

  1. Para ler, ouvir e sentir...

    Magnifico Jorge!
    beijinho
    cvb

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. cecília,
      a única voz que se lê, que se escuta e que se sente é a do "oceano azul".
      beijo grande!

      Eliminar
  2. Bom dia, amigo. Ando com dificuldade em comentar no seu blog, pois anda demorando demais.
    Valeu apena vir, depois de insistir.
    Um belo poema.
    Adorei tudo, e me identifiquei-me muito quando dito sobre a errância.
    Um beijo na alma, e fique na paz de um dia lindo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. patrícia,
      são tantas as pessoas que me dizem isso... disseram-me, ainda assim, que a instalação do google chrome enquanto motor de pesquisa resolve esses problemas... pois, não sei...

      beijinho! [ao contrário de errância, este deixando-se apanhar]

      Eliminar
  3. Olá Jorginho, tudo bem?
    Caramba meu amigo! Cada frase e cada texto hein! É de se navegar pelo pensamento.

    Muito bom como sempre! Parabens!

    Um abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. andré, meu amigo paulista,
      cada frase e cada texto... apenas lamparinas ao vento no estertor de uma tarde de sol.
      abraço!

      Eliminar
  4. nascemos para morrer...
    mas continuamos a viver, para no fim de tudo perder...

    abraço
    LauraAlberto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "para no fim de tudo perder..."
      ganhemos alguma coisa antes do fim, laurita.
      abraço!

      Eliminar
  5. as etiquetas trazem essas ânsias de quem tem na pele a resignação do arrepio...

    bela referência a Hilda Hilst, dona de uma voz que não dá sossego a minha pele.

    beijo carinhoso, meu amigo querido!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. na entrevista que deve estar a sair, joelma, assumo a minha quase ignorância relativamente à imensa literatura brasileira. hilda: conheci-a aqui, na blogosfera, pela mão do amigão roberto de lima. e é mesmo assim, como dizes: hilda não dá sossego à pele...

      beijinho!

      Eliminar
  6. saudações, Jorge
    é sempre de grande valia as paragens nestas viagens onde nas sombras um pouco de descanso ou de tormentos ou na luz uma descoberta mesmo que queime as retinas

    etiquetas, foto, vídeo, por onde começar?
    a fotografia, de uma abertura a outra uma passagem pela fechada escuridão, um risco.
    etiquetas de odores das estações, de urgências, das transformações do que está vivo, nossas transformações nosso tempo, e do que não está, e que ainda assim também tem seu tempo de duração, os ciclos intermináveis que a cada volta anda e não é o mesmo, nunca é, mesmo que seja nos mesmos lábios, sob o mesmo céu, na mesma terra, ruas, casas, caminhos e estradas, nos encontros e desencontros
    simplesmente maravilhoso este canto de ariana

    beijos, querido Jorge

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. vais,
      quando chegas, os textos tremem de emoção; sabem que vão chegar bem acima dos beirais que a mão de tinta projetara para si. afinal, o cais pode ser a porta aberta ao mundo para o marinheiro, mas também o jardim improvável para a margarida espontânea que ali encontrou o repouso do seu olhar.
      um abraço!

      Eliminar
  7. Meu querido amigo Jorge,

    Muito mais do que outrora..., mas por ora não me pergunte o porquê, simplesmente MORRI DE AMORES... Parabéns...!! Prá mim, você superou.

    Beijos,
    Ana Lúcia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ana lúcia,
      seja de amor ou de horror, que o morrer em apelo nos ate nós nos nós dos outros.
      beijinho!

      Eliminar
  8. Jorge, querido poetAmigo!

    Os aromas do tempo não cabem em um único frasco de perfume.
    Essência pura de um compartimento que faz e desfaz, sem cronômetro, mapa ou bússola.
    Apenas vento perfumado.

    Lindos fragmentos em conjunto impecável.

    ... que fotografia!
    Contes aqui para mim, Jorge, foi proposital aquela porta lá no fundo colocada um pouco mais para à direita?
    Também fiquei com curiosidade a respeito de onde foi tirada essa foto.

    Grande beijo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. cecília, minha querida amiga,
      esse tempo que desprende aromas acaba por se conjugar numa só essência: a do que fomos/somos no próprio tempo.
      admiráveis as tuas leituras da leitura.
      sim, eu confesso: a ideia foi captar uma linha contínua, como se a janela abrisse galerias de luz sobre galerias de luz, na simetria de olhares assimétricos. o ângulo não era fácil [de baixo para cima], talvez por isso o resultado não tenha correspondido às expetativas do disparo. o lugar é são frutuoso, freguesia com a tal capela visigótica num conjunto mais recente [barroco] e onde fotografei, por exemplo, o banco do nosso "notícias do tempo". um filão para explorar, sem dúvida!

      Eliminar
    2. Jorge,meu querido amigo!
      A tua sensibilidade para a fotografia é ímpar! Genial!
      Se colocasse aquela portinha lá do fundo centralizada, ou um pouco para à esquerda, a percepção da foto seria alterada totalmente, por incrível que pareça.
      Creio que te deixaste levar pelos aromas do tempo, além-tempo :)
      Esse lugar deve ser maravilhoso!

      Eliminar
  9. Jorge,
    em tempo, como brasileira tenho que te agradecer por teres colocado este vídeo com o poema da grande Hilda Hilst (e música de Zeca Baleiro).

    A Hilda, além de expoente na prosa, poesia, dramaturgia, foi uma pessoa importante em tempos difíceis aqui no Brasil (quando da ditadura militar). Por curiosidade, ela tinha um sítio, se não me engano em Campinas, onde abrigava alguns artistas perseguidos pelo regime, dentre eles o grande Caio Fernando Abreu, escritor gaúcho de Santiago, que escolheu falecer em Porto Alegre em 96.

    Por um desses "milagres" da vida..., conheci pessoalmente o Caio, numa conversa informal para os alunos universitários de Artes Plásticas (éramos uns 15 na sala). Quase troquei na época para o curso de Letras. Inesquecível, posso te afirmar, inesquecível. E esse vídeo me trouxe na memória toda aquela conversa.
    Lindo!
    Obrigada por Hilda, por compartilhar teu talento, querido amigo!

    Grande beijo!

    PS.: Emocionei-me...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. cecília, e agora sobre hilda. conheci-a pela mão do roberto de lima, amigo de minas mas radicado em nova jersey. a música que se serve dos poemas de hilda chegou-me pelas mãos da rejane martins, queridíssima amiga do blogue rejaneando. a blogosfera é mesmo algumas das linhas das nossas mãos...
      beijinho renovado!
      p.s. arrepio-me com o teu post scriptum. a palavra pode ser tanto e simultaneamente tão pouco... simultaneamente...

      Eliminar
    2. Jorge, tenho uma admiração especial por Post Scriptum.
      Sempre lembro-me da caixa-preta de um avião: segura, que guarda os dados, e os revela se for necessário.
      Mas por que o avião todo não é feito do mesmo material da caixa-preta, já que é quase sempre a única que sobrevive de um desastre aéreo? Por que o avião ficaria tão pesado que não conseguiria sair do chão.
      O mesmo é o P.S., um pós, a lembrança necessária, quiçá, sua essência, ou ainda sendo mais ambiciosa: a essência de tudo, do tamanho que permita as decolagens. Ali, num material seguro, como uma caixa escondida ou quase, a falar, pensar, por vezes gritar.
      Aqui meus apreços aos P.S.!
      Perdão pela viagem :)

      Beijos!

      Ps: Tu és um grande amigo!

      Eliminar
  10. Jorginho, tuas etiquetas sempre aderem à minha pele.

    o apelo ficou ecoando em mim, e eu pensando que cada morte é sempre solitária, ninguém nos pode alcançar enquanto morremos... é como a consciência se apagando durante a anestesia... ninguém alcança o escuro da nossa mente inconsciente.

    sobre floresta, sim, há tanto que, delicadamente, se enraíza em nós, e só percebemos quando os agitados oceanos engolem a calmaria das praias, quando já é demasiado tarde...

    beijo, querido amigo!

    ResponderEliminar
  11. andrea, querida,
    a morte é, na minha opinião, um fenómeno transindividual: quando alguém morre, quanto de tanta gente morre consigo?...
    beijinho grande!

    ResponderEliminar
  12. Em cada frase um sentido profundo do sentir, do estar, do viver.Parabéns.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. arnoldo,
      toda a linguagem nos faz sentido em cada viagem à própria terra.
      um abraço com amizade!

      Eliminar
  13. Bom dia, Jorge
    Não é preciso escolher, pois não?
    Assim fico mais descansada; doutro modo entrava num delima terrível :)
    BOM. Muito BOM!

    Quanto a Ilda Hilst é do melhor que podemos desfrutar.

    Bom fim de semana. Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. mariazita,
    não deixei de esboçar um sorriso pelo teu comentário :)
    hilda hilst: o que andei a perder durante todo este tempo...

    beijinho!

    ResponderEliminar
  15. e nesses morreres, poeta, há tantos amanhecimentos: a linguagem é este caminho de morte e renascimento: pele que se dissolve n'água



    abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. verdade, assis,
      morreres e viveres tantos... numa só poesia.
      abraço, poeta!

      Eliminar
  16. Olá amigãop lusitano, confesso que às vezes fico sem saber comentar suas poesias ou poemas, este é mais um caso, então só me resta te parabenizar por esse maravilhoso dom dado por Deus que você, com maestria e singeleza desenvolve tão bem.

    Breve estarei de volta, me manda um e-mail me dando sugestões para a minha nova fase do blog, ok?

    paulocheng@paulocheng.com

    Abração pra ti

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. paulo,
      estamos todos a aguardar o teu regresso com ansiedade e redobrada expetativa.
      grande abraço!

      Eliminar
  17. A estação do poeta não muda. Você está, constantemente, a plantar e ver florescer o seu jardim. O aroma percorre seus versos e nos chega, sem necessidade de etiquetas. Venho aqui, colher. E não saio de mãos vazias, já que muito me é oferecido. Enriqueceu, ainda mais, seu post, com Hilda Hilst. Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. marilene,
      as tuas palavras aderem à paisagem quase sempre trémula, porque alicerçada em todas as nossas estações.
      beijinho!

      Eliminar
  18. As estações são como as flores...se renovam. Só a nossa alma continua sempre amarrada aos nossos sentidos. Impossível a liberdade quando se recusa. Ás vezes morre-se em cada amanhecer. Adorei. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não recusemos, pois; procuremos em cada pétala de liberdade todos os amanheceres e suas gotas que brindam aos nossos renasceres.
      beijinho, rosa branca!

      Eliminar
  19. Há nos aromas do tempo o apelo da vida e a (in)confidência da morte. Dos tantos morreres, das tantas estrelas, dos tantos ciclos, há de ficar do poeta a palavra. Tuas abordagens sobre o tema são fascinantes. Aqui realmente se viaja em luz e sombra.

    Grande abraço, querido amigo-poeta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. querido amigo celso,
      assim são as nossas viagens: ora em asfalto macio para cada planície, ora em terra batida sem corpo. assim é a vida, também.
      abraço!

      Eliminar
  20. Olá, grande amigo Jorge!
    Imagem: é por pequena janela que vemos o paraíso.

    I.Cronos por onde passa nos deixa sua marca e seu odor.

    II.Se a morte for moral, morremos sós.

    III.Toda luz está fadada a se apagar.

    IV.A linguagem é luz da caverna.

    V.Nossas fases são mais instáveis que as translacionais.

    VI.As artérias nos aquece e nos traz a essência vital.

    VII.Prometeu é, antes de tudo, resiliente.

    Poema com grande sageza e exímia poesia.

    Parabéns pelo alumbramento!

    Abraços do amigo de além-mar e ótimo fim de semana para ti e família!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. bento, meu bom amigo,
      são assim as palavras: mesmo que inócuas, nunca desprovidas de sentido. e somos nós quem as atualiza, impregnando-as de respiração e, nesse sentido, fazendo-as saltitar de vida em vida quase até à imortalidade.
      abraço!

      Eliminar
  21. Sentimos...
    Sentimos que os dias são todos os dias
    Fragrância vigilante fresca e doce
    Fruto das horas em espiral
    Que teimam desvendar o aroma
    da corrida contra o tempo…
    .
    .

    Meu Querido e admirável Poeta
    Faz-se-me brilho no rosto…porventura do meu sorriso
    Colhendo de ti esta viagem de luz e sombra
    De mão dada comigo…

    Abraço-te…tanto…

    E claro - verdadeiramente emocionada levo tudo…faço questão de arquivar para além das minhas memórias…

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. minha querida assíria,
      impossível para mim é passar no teu blogue e não me surpreender. afinal, todo o tempo e os seus aromas se fazem únicos nos contornos irrepetíveis das palavras - das tuas palavras.
      beijinho e admiração nunca contida!

      Eliminar
  22. Regressei para te dizer que, Palavras Nossas pag 46 Poema Medusa, tem como introdução um comentário teu no meu blogue, tal como te havia pedido licença…

    bem-hajas por me dares tanto a beber…que mais poderão querer, as mãos da Poetisa!



    p.s: espero que os comentários surjam, pois não tenho conseguido comentar no teu blogue :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. bem o sei, mas sempre senti que sou eu o distinguido nessas tuas "nossas palavras"; afinal, pude ser ao lado do teu dizer. e todas as mortes se fazem apenas arrepio que passa.

      beijinho!

      p.s. várias pessoas mo têm dito, já, mas não sei como solucionar o problema. falaram-me da instalação do google chrome como chave na resolução desse engulho, mas não sei... importa dizer-te que há momentos em que eu próprio acedo ao teu blogue e me deparo com a indisponibilidade no acesso à área de comentários :(

      Eliminar
  23. A tua poesia parece emergir, sem esforço, como água da nascente. Tão fresca, tão límpida e pura que apetece beber até à última gota.


    L.B.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. querida lídia,
      umas vezes água, outras lama, outras, ainda, apenas leve recordação da sede...
      beijinho, grato pela visita e pelas palavras!

      Eliminar
  24. O que admiro num escritor, poeta ou artistas em geral é a coragem e aquele identidade que passamos na nossa arte.

    Somos todos influenciados. Eu tenho muito de escritores malditos, adoro o tema e sigo a influencia. Mas ao mesmo tempo tendo pôr no papel algo meu, seja minha cidade, a cultura ou a realidade que me cerca, etc.

    E você tem algo muito característico que é uma imensidão de jogos de palavras. A cada verso surgem novas maneiras de você se expressar. E aqui está um exemplo. Achei demais cada palavra!

    VI. floresta: a árvore e o homem
    há tantas raízes finas, delicadas, que nos trepam pelo corpo
    agitando oceanos de lava e sangue.

    Abraço


    ----
    Site Oficial: JimCarbonera.com
    Rascunhos: PalavraVadia.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. jim,
      absolutamente convencido do que dizes: todos os textos provêm de outros textos, sejam eles materialmente constituídos, sejam apenas vivências, ideias vagas ou sensações adivinhadas. o filtro que distingue os diferentes dizeres é a voz de cada um. a tua, por exemplo: inconfundível. apenas lamento não conseguir aceder ao jimcarbonera.com; sacio-me com palavravadia.blogspot.com

      abraço-te desde aqui, bem longe e tão perto!

      Eliminar
  25. Caríssimo Jorge,

    belíssimos todos eles. Cada um com sua fragrância!
    Muita paz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. marcell,
      obrigado pelas palavras-reforço!
      um abraço!

      Eliminar
  26. Jorge querido,

    aspirei o aroma dos seus fragmentos poéticos, o perfume foi inebriante, prendeu-me por várias leituras.

    Estes morreres que o corpo aprende, compõem a vida em seu brilho mais intenso, tal como a foto, contraste de luz e sombra. É a sombra que realça a luz. São os morreres que realçam a vida.

    Que lente no olhar você possui, que imagem capturaste!

    Ilda Hilst e Zeca Baleiro, uma bela moldura para o quadro belíssimo que pintaste neste post, ficaria aqui por horas a admira-lo, a descobrir suas nuances a cada novo olhar.

    Amei, Jorge, poeta que encanta!

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. van, minha querida,
      procuro em cada post a convergência de materiais que, no momento, se me tornam significativos. nestas etiquetas, dioniso e a sua ariane [aqui no poema de hilda hilst e na voz de jussara silveira] são a metáfora de que há nasceres e morreres intermináveis para os deuses e ainda mais para os homens. a fotografia é uma sobreposição de luz e sombra, vida e morte, fim e recomeço.

      beijinho com ternura!

      Eliminar
  27. Doce Jorgito,
    Há muito, eu fiz deste apelo minha voz:
    Não me deixes só em cada um dos meus morreres…
    A poesia estendeu-me a mão e ainda o faz, nos dias em que morro.
    Submeto-me as etiquetas, como quem delas é morto e (re)nascido. Não da pra passar impune.
    Bj imenso

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ira, minha amiga-poeta,
      em todos os meus morreres, tenho sobretudo medo de duas coisas:
      - de morrer mais do que renasça;
      - de morrer enquanto a poesia durma.

      estou certo de que bem me entendes...

      beijo beijo!

      Eliminar
  28. se não existe o vão na parede
    ainda daria pra ver o escuro e a porta
    atravé dos olhos
    das tuas palavras

    ...........
    áspero esfarelando nos dedos
    porque os olhos as palavras são nós em nós.

    agradecida pelos comentários.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. quantas vezes as palavras escondem retinas no horizonte? e acabo por não ver o que suponho ver, mas aquilo que se deixa ver...

      dani, um beijo e um verso!

      Eliminar
  29. Como as gotas que caem pouco a pouco duma árvore depois da chuva repentina e breve: uma imagem em cada gota, uma '[in]confidência', uma 'transfusão' de poesia diluída. Assim é que eu percebo o teu poema,mas já sabes que faço associações um pouquinho dalinianas :) Ainda assim, cada gota vale um poema em si mesma.
    Abrazo forte, meu amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. meu querido amigo eduardo,
      os grandes poemas chovem, molham, agitam para, depois, se retirarem devagar, muito lentamente, como aquele ator que acaba de dizer o derradeiro mundo no palco...
      já os meus versos são apenas ideias suspensas em beirais esquecidos, depois da tempestade, algumas gotas dispersas como dedos numa árvore... e, de vez em quando, caem, suspiram, e, mesmo não agitando, fazem desviar o olhar antes de desaparecerem, por fim, na água que escorre no chão.
      sente-te abraçado, meu bom amigo-poeta!

      Eliminar
  30. Jorge!

    Partículas deixadas que ficarão sempre em mim.

    Belíssimo

    Beijos

    Mirze

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mirze,
      uma pétala com o aroma do agradecimento!
      beijinho!

      Eliminar
  31. A doce magia das palavras nos encantos da poesia. Amigo Jorge, feliz do homem que consegue criar frases que ganham vida e vida em poesia. Um grande abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. paulo, meu amigo de olhar seguro e voz certeira,
      as frases que a poesia nos rouba pertencem-lhe por inteiro. nelas, alguns pedaços das bocas que a ousaram...
      abraço!

      Eliminar
  32. É estranho Jorge,
    cada vez que passo por aqui, que mergulho em alguns de seus poemas, é como se fosse algo novo, uma leitura nova, ainda que esta seja do mesmo poema... Teus versos me transportam para tantos lugares, despertam em mim tantos sentimentos, que nem sei explicar... isso é o belo da poesia, o mergulho, o transporte, a transmutação, a dúvida...

    Parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. bruno,
      talvez seja por o verso ser maior do que todos os artífices: junta ao mundo que o constrói todos os mundos que ousa tocar.
      grande abraço!

      Eliminar
  33. Solta e lívida como o dia quando amanhece, assimé a tua poesia.

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. fernanda, minha querida amiga do nome bonito,
      hoje especialmente lívida e pouco solta, num final de domingo plúmbeo como o próprio tempo que o emoldurou.
      beijinho!

      Eliminar
  34. Um chamado ao encontro do tempo, sublime!

    beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. palavras ao encontro do tempo. e como ele foge sem [se] querer sequer escutar...
      beijinho, querida luíza!

      Eliminar
  35. Jorgíssimo

    Em eruditas sinfonias
    vem agitando mares
    com gosto de grainha madura
    Vai desatando nós
    da minha garganta seca
    ávida da mais linda poesia

    Um bom domingo
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. querida elisa,
      sobre mares, marés e agitações: se o mar não revolve, revolvemo-lo nós. e como a poesia o sabe fazer...

      beijinho grande!

      Eliminar
  36. a nos lembrar que morremos a cada dia..
    a nos esquecer de sentir cada aroma..
    são confidências que vertem súplicas..
    e nunca me deixam só, mesmo quando me sinto morrer nas palavras..
    belíssimas querido Jorge..
    sempre!
    beijos perfumados..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. cada palavra arrancada ao peito é muito mais do que uma pequena morte; é todas as mortes do que, mesmo dito de novo, se não repete jamais.
      beijinho, amiga ingrid!

      Eliminar
  37. Enquanto as etiquetas, entram pela retina, e se colam (calam), na alma, os lábios suspiram...

    Parabéns, querido amigo, pela foto e todo o resto.
    Magnífico!!

    Grande e fra[terno] abraço, com desejos de uma excelente semana.

    Cid@

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. cid@, minha amig@,
      palavras doces e meigas, as tuas, mas sei que todas as etiquetas acabam por perder a aderência, com o tempo, e por adormecer junto das palavras caídas...

      beijinho grande!

      Eliminar
  38. Cabe tanto nas palavras...

    ResponderEliminar
  39. Simplesmente lindo Jorge! Parabéns!

    Um beijo grande em seu coração..
    Verinha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. verinha,
      é sempre um gosto imenso ter-te por aqui.

      um beijinho!

      Eliminar
  40. Etiquetas coladas na música e com a foto como moldura: incrível!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. bel,
      ah, se eu soubesse das artes como sugeres no teu comentário...

      que bom ter-te por cá a compartilhar connosco toda a tua simpatia!

      um beijinho!

      Eliminar
  41. Obrigado pelo lindíssimo momento
    Bjs e boa semana

    ResponderEliminar
  42. Confesso que voei um pouco, é como diz um poeta amigo meu: Não tente compreender a poesia alheia, apenas a admire.
    Bjos achocolatados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sandrinha,
      as sensações tocam-se e tocam-nos, mais do que se entendem, não é mesmo?
      beijinho e chocolate!

      Eliminar
  43. Meu querido Poeta
    Lá onde as ondas agonizam e o olhar é um grito à deriva...as sombras são o colo onde a noite adormece...onde a cinza das palavras são o desencontro das bocas...onde todos os sorrisos têm medo de existir e os olhos são o lago sombrio de todas as recordações...a agonia de todos os silêncios...lá onde todas as mortes tocam a alma e todos os anseios são muros.

    Não tenho outras palavras para comentar a beleza lírica da tua alma...apenas senti.

    Beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. amiga sonhadora,
      de cada vez que pousas as tuas retinas por aqui, as sombras recolhem-se à sua pequenez, enquanto a luz inaugura instantes.
      beijinho!

      Eliminar
  44. Um poema talentoso, e zeca baleiro de quebra, beleza!

    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. dade,
      estou incorrigivelmente apaixonado por esta beleza da ode descontínua e remota para flauta e oboé, do zeca, com os poemas da hilda hilst. mas, é fácil de entender, verdade? :)
      beijinho!

      Eliminar
  45. Olá, Jorge.

    Combinação divina de imagem, palavras e som, constituindo poesias do que os olhos vêm e o coração sente, produzindo suavemente o que a alma capta da vida em momentos de felizes inspirações.

    Parabéns pelo encanto, onde canta a poesia do poeta nas múltiplas formas.

    Abs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. evaldo,
      é um gosto ter-te por cá.
      grato pela visita e pelo comentário-estímulo.
      um abraço!

      Eliminar
  46. Querido,

    Amo ler-te, você sabe disso. A anca do seu poema mais uma vez me arrebatou...

    Ouvir Zeca Baleiro e tomar uma cervejinha enquanto leio um de meus poetas favoritos sob um céu estrelado... é tudo de bom!!!

    Beijo, Jorge Manuel!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. adriana, minha querida,
      ouvir zeca baleiro é, neste momento, para mim, um dos verdadeiros prazeres dos sentidos. quanto à cervejinha gelada... neste inverno de temperaturas tão baixas, acho que vou ter de me voltar para um vinho a 14 graus :)
      obrigado pelo teu carinho.
      um beijo grande!

      Eliminar
  47. Boa noite, Jorge. Saudades de ti! Muitas! Sempre fico muito feliz quando aparece, comenta com o seu estilo tão carinhoso.Adoro ainda mais quando dá atenção não só ao que está em evidência.
    Você é um poeta maravilhoso do qual eu gosto muito.
    Um beijo na alma, e fique na paz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. patrícia, minha querida amiga,
      há lugares que sinto como meus. visito-os, ainda que nem sempre com a disponibilidade que quereria, com o carinho, o prazer e a alma aberta que me merecem. o teu blogue é um desses.
      beijinho!

      Eliminar
  48. Poema complexo, e como todos os outros, belíssimo. Sempre noto um certo mistério e um erotismo discreto nos teus poemas.

    E a imagem é ótima, trabalho com fotografia e sei reconhecer um belo trabalho quando vejo um.

    Parabéns!

    Uma ótima semana para ti e obrigada pela visita lá no blog,
    beijo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. bianca,
      sobre mistério e erotismo: aquele que escreve nunca se revela totalmente :)

      agradeço as tuas palavras, confessando-te que, para mim, a fotografia é apenas exercício intuitivo de que gosto muito. não tenho quaisquer conhecimentos técnicos, mas procuro sentir aquilo que me toca. soubesse eu fotografar...

      beijinho!

      Eliminar
  49. Eu sou apaixonada pelo vídeo aí e por tudo que o Zeca fez com essas poesias.

    "Não me deixes só em cada um dos meus morreres."
    Lindo demais!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. andressa,
      "Não me deixes só em cada um dos meus morreres."
      e o que mais dói é saber que nenhum desses lugares é geografia, verdade?

      o zeca fez poesia sobre poesia. a melodia que veste as mais belas letras apanha-nos nus e não mais nos larga.

      beijinho!

      Eliminar
    2. Sim, é um morrer vertical e contínuo, por isso vários. Bem pior.

      Eliminar
    3. os morreres a formar o plural do ser e aquele que morre a ser cada vez mais apenas singular...

      Eliminar
  50. http://www.youtube.com/watch?v=8PF1vLxBujw

    ResponderEliminar
  51. http://www.youtube.com/watch?v=Mx06JKyCsrw&feature=related

    ResponderEliminar