sexta-feira, 2 de março de 2012

etiquetas XIX


fotografia de jorge pimenta


I. nudez
há segredos que não desvendamos;
desvendam-nos.


II. utensílio de troca
o [desa]linho da vida:
ser fósforo e lixa em combustão lenta
nos invernos de rosto magro.


III. rastos
silêncio vertical
deitado num pedaço de solidão
com o meu nome gravado nos bolsos.


IV. memória e olvido
1.
entre o corpo e a palavra
habita tudo o que não esqueceremos.

2.
todas as flores murcham
nas mãos que se desprendem do seu passado.


V. como no cinema
[dedicado à minha amiga da poesia [e] da vida laura alberto
http://lauraalbertopossiveldiario.blogspot.com/, a propósito do seu texto balada XIII]

acerta em cheio.
vira o estendal e esmurra o nariz.
sabes que a cor do sangue também salva?



nina simone, wild is the wind

94 comentários:

  1. Etiquetas do que ressoa nas luzes e sombras dos dias, tudo tem seu tempo da vida e da morte, tudo tem seu perfume.

    beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. luíza, minha querida,
      tudo tem seu tempo. por vezes pergunto-me se o tempo o saberá...

      beijinho!

      Eliminar
  2. "todas as flores murcham
    nas mãos que se desprendem do seu passado."

    Você tem toda razão. O passado é a seiva bruta e também a elborada da planta que parece ainda arder no caule da planta que arrancamos de dentro de nós!

    Somos o somatório do escolhemos para exercer no aprendizado do pretérito.

    Parabéns, amigo de além-mar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. marcell, meu amigo haikaísta emérito,
      o passado em si mesmo nada representa, mas a verdade é que nada no nosso corpo e na nossa alma é alguma coisa sem aquilo que a construiu. assim é a memória: vento, pedra, erosão e marca indelével - simultaneamente.

      um abraço!

      Eliminar
  3. desnudados ante o tempo, habitamos a melancolia da palavra, o sangue espirra



    abraço poeta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e quanto mais nos vestimos de tempo, mais desnudos ficamos. e o sangue espirra, espirra, espirra...

      grande abraço, poeta maior!

      Eliminar
  4. "entre o corpo e a palavra habita tudo o que não esqueceremos"
    habita a essência do teu ser, a eternidade do tempo...

    Beijinhos e bf de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. uma vez escrevi, rita, que metade de nós é corpo e a outra metade memória. estou tão convencido disso...

      beijinho!

      Eliminar
  5. há segredos em mim que o silêncio não consegue reproduzir, no entanto, a nudez dos versos grita em letras de papel...

    Beijos meu querido!!^^

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e algures entre a palavra - a dita e a por dizer, a verbo e a silêncio, mas sempre ela - nos redesenhamos, realinhamos, redefenimos, realizamos e... morremos.

      beijinho, querida suzanita!

      Eliminar
  6. Nossa, Jorge!

    Tantas verdades em forma de poesia. Amei "NUDEZ" e RASTOS"

    Excelente!

    Beijos

    Mirze

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mirze,
      sobre as verdades [mesmo que da poesia]: pressinto palavras a arriscar a verdade... mas às vezes penso que quanto mais a procuramos mais longe dela estamos... baste-nos a poesia, essa sim, verdade, porque grito nu a espalhar todos os nossos rastos.

      beijinho grande!

      Eliminar
  7. depois de lidas as etiquetas, foram registrados, na pele (e no Transfigurações), os (im)pulsos de voz...

    beijinho carinhoso, meu amigo sempre "inspiralívio"...rs!


    p.s: a pele sempre suspira com Nina!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. joelma, querida poetamiga,
      passei no teu blogue, há instantes, e deparei-me com um diálogo: as luzes contra as sombras em constante e permanente transfiguração. como nós, afinal, homens e mulheres a degladiarem-se com a eternidade que apenas alcançam nos fios verticais da voz.
      agradeço todos os carinhos com que tantas vezes me distingues.
      um beijinho muito especial!

      Eliminar
    2. joelma,
      regresso aqui, a ti, porque li e reli o teu texto: um corpo, algumas sílabas e a pele, toda ela a deslizar sobre o rosto da terra. e tantos acendes diálogos...
      a tua poesia é centelha e olhar.

      um beijinho muito especial!

      Eliminar
    3. caminhar por fio de voz sempre foi meu equilíbrio, Jorge, meu amigo poeta necessário!

      beijinho carinhoso sempre!

      Eliminar
  8. Navegar onde nunca navegamos, apesar das tempestades que chegam e desalinha o mar.
    Remir o tempo porque como as flores também fenecemos.
    lindo Jorge
    saudade!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. remir o tempo e conquistar a eternidade na urdidura da demanda. até porque a tempestade apenas existe para nos recordar da existência do mar.

      beijinho, lis, regozijando-me com este reencontro!

      Eliminar
  9. Boa tarde, amigo poeta.
    Etiquetas maravilhosas, que você sempre
    escreve muito bem.
    Todas elas fazem um sentido, e eu amei a da nudez!
    Um beijo na alma, e fique na paz de um dia abençoado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. patrícia, querida,
      obrigado pelas tuas palavras-carinho!

      beijo grande!

      Eliminar
  10. não há palavras que consigam exprimir a minha gratidão...
    obrigada querido amigo

    o nosso abraço, de sempre
    Beijinho
    LauraAlberto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. laura,
      a tua amizade, sim, é a chave, o ouvido encostado à árvore, a parede que se trepa, a chuva que instiga sobre aquele chão que nunca se molha.

      o nosso abraço de sempre!

      p.s. para sexta, dia 9, convidei almada negreiros ao sarau de poesia para dizer o seu manifesto anti-dantas :)

      Eliminar
    2. O "Almada" está ligeiramente doente, até sexta terá de se recompor.
      Contudo afirmou-me a sua presença, ainda que sem dentes ou pulmão...

      Beijinho

      Eliminar
    3. o almada nunca adoece, pim!
      o almada, mesmo doente respira saúde, pim!
      o almada tem vírus na voz, pim!
      o almada infeta todos os dantas, pim!
      até porque os dantas são feios, são porcos, são maus, pim!
      e os dantas têm dentes podres, cheiram mal da boca e escrevem poesia como se estivessem a instalar caleiros num telhado, pim!
      e sexta-feira o almada vai jorrar o sangue, pim!
      e todos os dantas vão aprender o que é cantar, morder, rugir e sangrar, pim!

      viva o almada, pim!
      abaixo os dantas, pim!
      viva sexta-feira, pim!

      Eliminar
  11. Quando fui colocada na escola de Viatodos, o Jorge Pimenta foi, provavelmente, a última pessoa com quem falei.
    As primeiras impressões que guardo dele, eram de alguém distante, com um ar um pouco a fugir para o convencido. Provavelmente as primeiras impressões que o Jorge tem minhas, são de alguém um pouco estabalhoada e lunática. Nessa altura, a Laura ainda não tinha nascido, mas começava o seu embrião.
    Não recordo as primeiras palavras que trocamos, mas quase posso garantir que remontam ao dia em que ganhei coragem para lhe pedir um livro do António Gedeão.
    Com o decorrer do ano, começaram e continuaram, as trocas de cds, de livros e claro, de amizade.
    Sem pensar duas vezes, aceitei o seu convite para trabalhar no jornal da escola, O Despertar. Nascia também a Laura Alberto, data de nascimento: 21 de Fevereiro de 2008. O Jorge sabe bem o motivo.
    [Amigo, não sou tão boa como tu com as palavras, mas a minha gratidão não se consegue expressar da forma que tu bem o merecias. Obrigada]
    Da vida e da poesia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. confirmo tudo isto, sim senhor. vias-me como sobranceiro, quase pedante; eu via-te como espalhafatosa. como as aparências são, tantas vezes, o nosso maior inimigo :)

      beijos!

      Eliminar
  12. I. nudez
    há segredos que não desvendamos;
    desvendam-nos.

    IV. memória e olvido
    1.
    entre o corpo e a palavra
    habita tudo o que não esqueceremos.

    Não esquecemos principalmente dos nossos segredos desnudados pelo outro, e esse outro sendo um amor, nada melhor do que ficar nas lembranças do corpo e da palavra. Belíssimos Jorge. Bjim

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. giomara,
      absolutamente verdade o que dizes, mas, crê-me, quanto mais me conheço mais sinto que há coisas por conhecer. e o muito por desvendar para sempre permanecerá silencioso, incompleto... segredo, afinal... até de mim.

      beijinho!

      Eliminar
  13. Jorge,

    Nina Simone é para os fortes, sempre. Maravilhoso o texto!

    Penso que não desistimos das coisas, mas que talvez elas desistam de nós. Então os segredos,a memória e a troca se vestem de realidade.

    Beijos.

    Lu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. luciana,
      há coisas que perdemos, mesmo que nunca tendo desistido delas. sejam de argila, de água ou de sangue.

      beijinho!

      p.s. quem escuta nina simone [que, como dizes, é para os fortes] não sabe conjugar o verbo "desistir" :)

      Eliminar
  14. Querido amigo Jorge, é um grande prazer, nas vezes que posso e tenho oportunidade, poder passar por aqui e ler as belas publicações do amigo. De fato, é um grande escritor, viu! Um grande abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. meu bom amigo paulo,
      que palavras atenciosas as tuas. vindas de quem sente a vida como a própria verdade, porque filtrada pelo seu olhar, ainda mais me tocam. grato.

      um abraço sentido!

      p.s. quisera eu ter mais tempo do que o tempo que o tempo me concede. se há leituras que estimulam a reflexão e a discussão, as do que escreves figuram na linha da frente.

      Eliminar
  15. A tua escrita é bela! Já o disse mil vezes e se não o disse, com certeza mil vezes o pensei!
    Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. margarida,
      ...

      um abraço em silêncio rubro de agradecimento!

      Eliminar
  16. "Fica sempre um pouco de tudo" Carlos Drummond de Andrade

    "As flores murcham, mas não se desprendem do seu passado"

    Jorginho, coisa mais linda essa constatação! Tudo na vida nos é importante, grandioso e salutar.
    As pessoas que cruazam nossas vidas nunca vêm por acaso, são peças de um todo muito grandioso que somos nós mesmos...

    Quando olho pro meu passado, fico grata a cada fracasso, a cada experiência e concluo que na vida só tive mestres.

    Não sinto raiva de uma só pessoa, pois com todas elas-até com as que me desentendi-, pude aprender Muito.

    Se saírmos à procura de nossas verdades, nos despirmos de nossa pequenez e considerarmos, todas as pessoas nossos mestres, a verdade não nos faltará...

    Viu só como você me inspira, tô eu aqui chorando e divagando acerca do tempo, nosso grande professor.

    Belíssima amizade! Beijocas à você e a Laura Alberto:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. adriana, querida amiga,
      não poderia concordar mais com alguém, hoje, do que contigo. nada do que passamos pode ser em vão, pois o coração é tão feito da erva que afagamos com o olhar como da pedra onde nos sentamos para a sentir, ou mesmo da chuva que nos convidou a levantar e a sair do prado nesse esboço de primavera.

      um beijo com todo o meu carinho por ti!

      Eliminar
  17. Engraçado, ontem mesmo, eu estava com minha netinha nos braços e de repente comecei a cantarolar uma música, dessas que ensinam comportamentos as crianças (tipo: dar bom dia, um sorriso), mas não lembrava, de jeito algum, de onde vinha essa canção, apenas percebi que ela estava em mim, em algum lugar do meu corpo, da minha memória silenciosa, de um tempo que não havia passado. Não insisti em reconhecê-la em lugar e tempo e deixei-a passar.
    Hoje, na leitura das tuas etiquetas, ela veio e veio com toda identidade. Era uma canção que cantávamos, num internato onde estudei aos 9/10 anos, quase todos os dias, pela manhã. A música habitava um tempo, entre o corpo e a palavra, que talvez não me fosse simpático, mas certamente marcante, pois não foi esquecido, apenas aquietado.
    Esses momentos com tua poesia é que me fazem voltar, e voltar, e voltar aqui.
    Conheci a Laura Alberto através de você e a tinta desta mulher me prendeu de cara, mais uma pra te agradecer, pois é impossível vir à blogosfera sem lê-los.
    Bj imenso de cá, Jorgito querido

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. queridíssima ira,
      mesmo quando o sentido não está em parte alguma, construímos os nossos sentidos e aqueles que acontecemos, ao longo dos dias, das horas, dos acasos e dos imprevistos, é tanto do que deseja ser como do que já foi. desta equação, tantas vezes tensa e violenta, nos reafirmamos deserto e sede.
      a morte não é aquele conceito fechado que a mão traça devagar; a morte é a perda da memória.

      beijinho, querida amiga!

      p.s. a laura tem uma escrita de fogo. é uma pessoa que me é muito especial porque vive a amizade como a sua poesia: com paixão por aqueles de quem gosta.

      Eliminar
  18. Jorge,
    Depois de exposta cada etiqueta no varal das constatações, encantou-me uma peça em especial, pois realmente é a mais pura verdade e usaste propriedade para lança-la:
    "entre o corpo e a palavra
    habita tudo o que não esqueceremos"
    Parabéns!
    Beijokas doces

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. marly,
      só se esquece o que nunca foi, verdade?

      beijo!

      Eliminar
  19. Belas frases e belas idéias! Você sabe das coisas viu Jorginho! Parabens!

    Tudo o que escreve é bom!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. andré,
      palavras de amigo as tuas, hein :)
      obrigado por tudo. hoje é dia de ronda pelos blogues; há verdades e bobagens à minha espera :)

      um abraço e até já!

      Eliminar
  20. Poxa, Jorge, não tem jeito de ficar sem repetir os lindos e os parabéns
    a foto tá uma coisa de ficar reparando em todos os detalhes, o cantar de Nina Simone e a imagem da janela no vídeo fez-me lembrar de outras janelas.
    Putz, e fica difícil, se é realmente preciso escolher alguma entre elas se todas as etiquetas tatuadas, desenhadas grudam na pele, nos olhos, nos ouvidos e tocam de maneira sentida em silêncio e ao som

    beijinhos

    ResponderEliminar
  21. vais,
    a voz é curva; nem sempre atinge o alvo;
    a imagem é líquida; não tem raízes nos pés;
    a música é boca; cultiva silêncios.

    tentei um dia conjugar os três e senti-me ainda mais longe da completude, porque o que consegui está tão longe do que sonhei.

    beijinho!

    ResponderEliminar
  22. Caro Jorge

    Bela sequência de Pensamentos, para se meditar a toda a hora.

    Abraços

    SOL
    http://acordarsonhando.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sol da esteva,
      percebo este epíteto ao ler as tuas simpáticas palavras. um muito obrigado.

      abraço!

      Eliminar
  23. Belos pensamentos, brilhantes como sempre, Jorge!
    Grande poeta!
    Abraço e muito sucesso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. evandro, caro amigo,
      é sempre um gosto sentir-te por cá.

      um abração!

      Eliminar
  24. Olá, Jorge, como vais?
    Vida sem reflexão não é vida, é existência.
    Encontrar novos significados e reconceituarmos coisas e valores faz parte de nossa insaciável natureza humana.
    É bom estar de volta na blogosfera e rever as belíssimas palavras de meus amigos blogueiros.
    Abraço e bom fim de semana, Jorge.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. viva, jacques,
      que maravilha ter-te de volta. a inteligência e a ironia da tua escrita são iguarias finíssimas para o espírito.

      um abraço!

      Eliminar
  25. "vi[r]-ver" a roda gigante
    no instante parada lá no alto
    sorriso dilatado,

    de olhar a beleza de vocês.


    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. vi[r]-ver toda a imobilidade da roda que nos segura e retém; ao seu lado, as asas aproximam-nos de oceanos e olhares. e assim nos acontecemos.

      beijinho, dani!

      Eliminar
  26. Cada frase, cada uma com sua própria essência.
    E a nudez é algo que desvendamos,que pode ser o corpo, ou também a alma.As flores murcham, como o passado ficado para trás,esquecido no tempo que passou.Adorei todas as frases.

    No deserto árido,o vento soprava ruidosamente sobre a areia que ia em direção as dunas,e no deserto frio os ursos buscavam seu alimento para hibernar no inverno.Nem no deseto de areia e nem de gelo, o homem não está só,pois ele tem o espetáculo da natureza.Nati

    Um Feliz Sábado e Luz no seu caminhar.Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nati,
      a nudez sobre o tempo liberta as candeias com que acendemos a vida em conjunção com a escrita. e sim, é verdade, jamais estaremos sós.

      beijinho!

      Eliminar
  27. Todas as suas colocações demonstram, mais uma vez, suas perspicácia, talento e sensibilidade. RASTOS foi a que mais encontrou resposta no meu coração. Cada uma dela traduz verdades que, na maioria das vezes, não paramos para observar, salvo quando um grande poeta às traz à colação.
    Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. marilene,
      palavras de sabor recortado sobre palatos que as não merecem, enquanto o meu [a]braço as toca.

      um beijinho em agradecimento vivo!

      Eliminar
  28. como adorei estas etiquetas ao som melancólico de nina simone!
    a fotografia, leva-nos num voo rasante às emoções que moram nas tuas palavras.

    beijinhos, querido amigo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tuas palavras junto da janela, sentindo acordes, traços e tons, enquanto as palavras respiram.

      beijinho, querida andy!

      Eliminar
  29. há segredos que não desvendamos, há palavras que nos habitam antes de existir, há silêncios que caem como chuva e há um passado que é presente e nos compõem em segredo nas sombras. e quem consegue captar e cooptar à vida suas impressões é quem nos ajuda a desvendá-la. tu consegues.

    abranço grande, jorge.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a nudez é a expressão máxima das minhas sensações quando expostas às tuas palavras-leitura, meu querido amigo.

      um forte abraço!

      Eliminar
  30. Sensibilidade à flor da pele, habilidade com as palavras, sexto sentido para decifrar a realidade.
    Nada mais é necessário para fazer boa poesia.

    Abraço grande.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é, sim, dade: ter olhos capazes, olhos que saibam ler reescrevendo as palavras, reinaugurando a voz, reinventando a poesia... e a vida. os teus.

      beijo grande!

      Eliminar
  31. Há nisto tudo tanto de talento como de beleza.

    "o [desa]linho da vida:
    ser fósforo e lixa em combustão lenta
    nos invernos de rosto magro"

    Adoro, quando as palavras me prendem assim, e me fazem rodeá-las de perguntas e me surpreendem com a justeza das respostas!...

    Um beijo

    Obrigada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ...

      posso apenas suspirar diante do bailado das tuas palavras, lídia?...

      beijinho!

      Eliminar
  32. Boa noite!

    o passado sempre estará
    dentro de nós e murcharemos ele eu .

    maravilhoso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o passado redescobre-nos todos os trilhos do presente e cada suspiro do futuro. assim é o tempo: cada um de nós como os pulsos da clepsidra.

      beijinho!

      Eliminar
  33. Love me, cause my love is like the wind ...
    Escolha magnífica da diva Nina Simone.
    Obrigada por este momento l i n d o!

    retive "entre o corpo e a palavra
    habita tudo o que não esqueceremos." por alguma razão!


    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "wild is the wind" não é apenas uma música; é uma sensação do outro mundo, amiga fernanda. e é-o, seja na voz de david bowie, na de cat power ou, talvez em conjugação ainda mais absoluta, na da imortal nina simone.

      beijinho!

      Eliminar
  34. Com saudades da nudez das tuas palavras, amigo!
    "rastos" simplesmente genial.
    Os teus versos pertencem ao mundo.
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sandra,
      saudades de ti neste hiato que nem todas as palavras preenchem.

      beijinho feliz pelo reencontro!

      Eliminar
  35. ...retive-me aqui já por duas vezes esquecendo-me das horas...

    a tua inspiração é surreal Poeta!

    parabéns igualmente à tua amiga. Consultei o seu blogue e escreve com beleza d'alma. Gosto disso!

    Abraço-te

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. assíria, minha querida poeta[isa] que inunda sem alagar,
      a escrita da laura é como ela mesma: flui com as sombras brancas da tinta da vida.

      beijinho!

      p.s. acreditas que ainda não consegui encontrar-te no "palavras nossas", vol. I? o que estará a escapar-me?...

      Eliminar
  36. Meu Querido Poeta

    Julgo que te esteja a escapar o facto de procurares o pseudónimo Assíria e os poemas efectivamente não estarem assinados por ela, mas sim, pelo meu nome de baptismo ;)

    Concentra-te nas pag.42 a 51
    na pag.46 encontra-se o poema Medusa com a introdução de um comentário teu no meu blogue.

    beijinho daqui até aí...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ups. e tão lógico, afinal :)
      vou ler com todo o gosto.

      beijinho!

      Eliminar
  37. Quantos segredos
    em desalinho
    queimam na lentidão
    se solitários,
    tatuados no silêncio
    nem corpos nem palavras
    perdidos na memória
    flores que se apagam

    Jorgíssimo, nem sei o que comentar, mas vou dizer a Laura

    O ego fala mais alto
    e ele nem sabe
    a marca que deixou?

    bjs desta aprendiz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. querida elisa,
      segredos e silêncios são a parte mais sensível da nossa pele, a primeira a queimar ao sol, a primeira a ganhar sede, a primeira a aprender a linguagem daqueles que se nos fazem papiro e poema, a primeira...

      beijinho grande!

      Eliminar
  38. Palavras borbulhantes,em metamorfose,como seu talento,constante e inteligente.Abraço de leitor.:-BYJOTAN.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. byjotan,
      "borbulhantes, em metamorfose" - são mesmo assim, as palavras, verdade? mas eu apenas procurei escutá-las e deixar que, no seu sussurro, se alinhassem, alinhando-me com o seu bailado. estou convencido de que essa é a verdadeira essência da poesia.

      um abraço!

      Eliminar
  39. Gostei de todas as etiquetas, mas a primeira me fez refletir um pouco mais. E não é pura verdade? Desvendam-nos mesmo. Ledo engano pensarmos o contrário.

    A fotografia veio como um belo complemento.

    bjks JoicySorciere => Blog Umas e outras...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. joicy,
      o jorge sousa braga, poeta que admiro profundamente, dizia que quanto mais se veste mais nu se sente... há tanto que nos expõe para lá daquilo que procuramos ocultar...

      beijinho!

      Eliminar
  40. Meu querido amigo, Jorge,

    Há muito o que se dizer/descobrir sobre a nossa unidade e perante a dos demais seres racionais.

    E podemos nos fazer do passado, mas ele se modifica ao longo do tempo, perdendo a sua razão de ser, de estar... As flores vão murchar e o perfume poderá ou não permanecer.

    Beijos,
    Ana (Lúcia).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ana lúcia,
      poucas palavras rimam melhor com o ser humano do que a palavra "metamorfose". e kafka levou esta associação ao expoente máximo.

      beijinho!

      Eliminar
  41. As palavras já estavam prontas desde sempre, mas só mesmo um poeta, com a sua sensibilidade, poderia juntá-las dessa forma magnífica.

    Queria escolher uma só etiqueta para levar comigo, mas, na dúvida, levo logo todas.
    :)

    Grande e afetuoso abraço.

    Tenha uma semana bem linda e feliz

    Cid@

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. minha querida amig@ cid@,
      como atrás dizia ao byjotan, as palavras sempre nos pré-existem; nós apenas procuramos escutá-las e deixar que, no seu sussurro, se alinhassem, alinhando-nos com o seu bailado.

      beijinho e votos de uma excelente semana para ti também!

      Eliminar
  42. Mestre Jorge, a primeira foi matador "há segredos que não desvendamos; desvendam-nos." é interessante essa relação que temos com a vida, por mais que ela seja uma eterna colcha de mistérios, que por vezes são desvendados, também somos um mistério para ela, que também somos revelados. A frase é curta, porém profunda e reflexiva. Como vc consegue com poucas palavras nos levar a uma profunda reflexão Jorge, e a música da Nina é sensacional, ótima escolha.

    Abração amigo.

    ResponderEliminar
  43. Olá, amigo Jorge!
    Os segredos da vida são inesgotáveis. Quanto mais se deslinda um tanto mais surgem outros.
    Cada vocábulo conceituado por ti é luz e colorido magnífico.

    Parabéns pela sagacidade!

    Abraços do amigo de além-mar!

    ResponderEliminar
  44. Ler para mim é uma viagem, Jorginho, onde sou uma chave em busca de um cofre e quando se encaixam abre-se um mundo novo e cheio de possibilidades.

    Te ler é maravilhoso.Sempre.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  45. Meu querido Poeta

    Em cada vereda do teu poema...os clamores da vida em instantes eternizados no amor que se perdeu nas esquinas do tempo...no silêncio dos muros...na sombra da ilusão.

    Como sempre...ler-te é divino.

    Beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  46. parece que o Almada está melhor

    até sexta

    PIM

    ResponderEliminar
  47. Jorge, querido PoetAmigo,
    estou de volta, após pequena pausa e já com saudades de tudo e todos!

    Etiquetas maravilhosas e linda e merecida dedicatória à Laurinha que é uma queridona que estou conhecendo aos poucos, mas gostando um tanto.
    E a poesia dela é feita com letras cravadas a ferro e fogo, com sensação de plenitude e alívio na alma.
    Admiro muito a pessoa e a Poesia LauraquelAlberto!

    Grande beijo!

    PS.: A 'London eye' é um dos meus sonhos de consumo como turista, mas com seus 135m de altura, e 30 minutos para dar volta completa..., meu medo de altura concede apenas o respeito:) Linda foto!

    ResponderEliminar
  48. Nossa, Jorge!
    Como esqueci de Nina Simone?
    Apesar de que a versão da Wild is the wind com o "David Lee Jones" é a que mais escuto; a Nina é divina, pois.
    Beijos

    ResponderEliminar
  49. Tão lindo te ler ao som de Nina Simone.

    Adoro, Nina Simone, Sinnerman é meu hino gerador de energia, dentre tantas dela que adoro.

    Beijos!

    ResponderEliminar
  50. Tuas etiquetas, querido Jorge, são um prazer à parte: cada uno integrando um todo, tal como um quebra-cabeças ainda inconcluso, cavidade ou vão, segredos são segredos, não há entrave entre eles; outros lados, os vestígios de pegadas são os rastros, roda ciclo na (in)completude do tema.

    ResponderEliminar
  51. adoro as tuas etiquetas! acho que vou colá-las na minha parede...

    e acompanhadas por nina simone, é perfeição :)

    beijinho, querido Jorge!

    ResponderEliminar