segunda-feira, 14 de março de 2011

etiquetas XII [urbi et orbi]

I. florença
torre, muro, palácio, pedra,
o silêncio atravessa os telhados vermelhos.
apenas as mãos agitam fábulas antigas
reacendendo a fogueira da transparência,
bem ali, onde os livros adormecem de pé
e ressuscitam na gravidade da alvorada.



II. rio arno
da energia breve
ao relâmpago do sol:
as águas rasgam a escrita azul
sobre o espelho da tua mão.
entre o olhar e as pontes
há correntes que se erguem
no encalço do poema líquido.



III. torres [asinelli e garisenda]
deslizam leves
as colunas de pedra
entre as flores da terra
e os olhos do céu:
metade homem, metade desejo.
como alcançar a síntese entre os dedos
de mãos tão diferentes?



IV. ravena
rostos de pele colorida
atiçam-nos ladrilhos escavados
pelos pincéis do tempo.
o sorriso é branco
e o olhar esqueceu de que lado nasce o sol.
afinal, todas as vidas definham
sob os monólogos do tempo.




kings of convenience, parr-a-pluie

91 comentários:

  1. Se à beleza de Itália, juntarmos a corrente dos teus poemas, poderemos navegar num todo perfeito inigualável.

    Abraço
    OA.S

    ResponderEliminar
  2. querida amiga oceânica,
    itália é um mapa de pedra que se ergue com a leveza das águas...
    beijinho!

    ResponderEliminar
  3. Seu post me lembrou isso:

    http://chegadessaudade.blogspot.com/2010/08/como-si-antes-de-ser-me-hubieran-dicho.html

    O tempo é um monólogo mesmo, nossa vida se cala quando ele chega com suas mãos cheias de fim. Porque o olhar esqueceu de que lado nasce o sol.

    ResponderEliminar
  4. mesmo assim...naveguemos na tua poesia para o Lago di Garda...

    Bj

    OA.S

    ResponderEliminar
  5. Sob as mãos do poeta, a vida mais parece um grande livro em braile... as imagens que surgem são sempre puras, pois os olhos que as corrompem, preferiram cegar...

    Beijinho azulado, Jorge alado!

    ResponderEliminar
  6. Bela união, poesia escrita e poesia visual.
    Um grande bj querido amigo

    ResponderEliminar
  7. Passei todo o mês de julho de 1997 em Florença (Firenze), e sempre me emociono ao ver fotos de lá...:)
    Meus avós maternos eram italianos, e a Itália faz parte da minha vida desde que nasci.

    "bem ali, onde os livros adormecem de pé..."

    "as águas rasgam a escrita azul sobre o espelho da tua mão."

    Amo (sempre) a delicadeza e a sonoridade das tuas etiquetas.

    Fique bem, amigo Jorge.

    Beijo afetuoso.

    Cid@

    ResponderEliminar
  8. Encantada com essa viagem poética pela Itália.

    Parabéns pelo seu dia, querido poeta.

    Beijos

    ResponderEliminar
  9. Venho - neste dia nacional da posia, hoje - desejar ao grande poeta querido que a sua poesia possa estar sempre acessível, enchendo minha alma de sonhos e trazendo sempre grandes revelações.
    Mas, ao chegar, deparo-me com mais e mais beleza!
    Parabéns, Jorginho, e viva a poesia!

    ResponderEliminar
  10. A beleza das cidades envoltas em suas belas palavras e no seu olhar detalhado da poesia que se espalha pelo ar.

    A música, as imagens e as letras que enfeitam meus olhos e adoçam o coração!!!!

    Beijos lindo!!^^

    ResponderEliminar
  11. As imagens por si só são muito bonitas, mas ganham outro encanto com as palavras... Se ganham!...
    E ainda que os poemas não sejam escritos para que se goste só de um verso ou outro, gosto particularmente destes:
    «bem ali, onde os livros adormecem de pé
    e ressuscitam na gravidade da alvorada.»

    Beijos, senhor poeta! :)

    ResponderEliminar
  12. no dia nacional (brasileiro) da poesia encontro a poesia portuguesa sobre belíssimas paisagens urbanas!

    ResponderEliminar
  13. uau
    palavras, imagens lindas e harmoniosas.

    ResponderEliminar
  14. encontrei uma suavidade e diversidade nos teus versos. É belo quando conseguimos reproduzir em palavras a beleza que nos arde no olhar. Beijos.

    ResponderEliminar
  15. Não conheço muitos lugares.Imagino sempre que quando crescer mais um palmo, hei-de calcorrear o mundo.E o mundo, ingenuamente, parece-me pequeno para tanta vontade.
    Itália tem para mim o valor de um amor primeiro. Já me sentei na praça da Signoria, pressentindo o Arno lá ao pé. E é lindo, como não sei dizê-lo.
    Do regresso a este país estou certa, não me esqueci de lançar uma moeda na Fontana de Trevi.
    Um beijinho,
    Elisabete

    ResponderEliminar
  16. o arno tem uma amplitude incrível. de qualquer das suas infinitas pontes, ou mesmo ao longo das suas margens douradas, é um caleidoscópio de cores... inclusive, a da saudade.
    um abraço, andressa!
    um beijo em diálogo! [talvez assim consigamos surpreender o tempo]

    ResponderEliminar
  17. o lago di garda... metonimicamentenas águas do arno.
    um beijo, oceano azul!

    ResponderEliminar
  18. aninha-de-luz,
    ora aqui está a contra-tese: as definições não têm necessariamente que ser áridas, estéreis ou frívolas. encontro nas tuas palavras uma das mais belas sobre o que é "ser poeta".
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  19. gisa,
    também eu penso como tu: a escrita e a leitura são mais visuais do que qualquer outra forma de comunicação. quem não conhece lugares, rostos, expressões e sensações através dos livros?...
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  20. amig@ cid@,
    as nossas raízes levam-nos sempre ao encontro do mundo e dos outros, verdade? hum, que privilégio um mês inteirinho em firenze :)
    beijinho!

    ResponderEliminar
  21. amiga da palavra,
    viajar é mesmo isso: transformar (dentro e fora de cada um de nós, mesmo que sem sair do lugar).
    um beijinho, parole!

    ResponderEliminar
  22. taninha,
    ergo, desde aqui, a minha taça à poesia e à blogamizade.
    um beijo, amiga-poeta!

    ResponderEliminar
  23. querida suzana,
    há tantos lugares que fazem morada dentro de nós (alguns que não conhecemos sequer...).
    obrigado pela magia das tuas palavras.
    um beijo!

    ResponderEliminar
  24. amiga jornalista,
    os poemas são feitos... sei lá eu bem para quê. pennac diria que para serem lidos, ou para não serem lidos, ou para serem interrompidos, ou para serem guardados no seu habitat natural (o livro), ou para... o leitor que decida. todos os versos são de toda a gente. :)
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  25. amigo ribeiro,
    um abraço para ti, poeta, neste dia em que aí, brasil, se celebra o dia da poesia (cá é a 21 de março, creio).

    ResponderEliminar
  26. " É belo quando conseguimos reproduzir em palavras a beleza que nos arde no olhar."
    querida luíza, tu que o digas, já que fazes poesia com a caneta bem assim como com o pincel. e nós aqui amarrados à beleza desse poetar.
    um beijo!

    ResponderEliminar
  27. florença não tem recantos; toda ela é um recanto. o arno? apenas o grande escultor da imensa beleza que se lhe espelha nas águas. faltou-me isso mesmo: roma. numa próxima oportunidade. até porque, como bem sublinhas, também a mim parece que "o mundo, ingenuamente" é "pequeno para tanta vontade."
    um beijinho, e.a.!

    ResponderEliminar
  28. alícia,
    desculpa ter saltado o teu comentário...
    deixa-me agradecer as tuas palavras em interjeição :)
    sê sempre bem-vinda!
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  29. fui montando as etiquetas para compor um mapa sentimental da cidade que floresce imaginária,


    abraço

    ResponderEliminar
  30. "entre o olhar e as pontes
    há correntes que se erguem
    no encalço do poema líquido."
    Não serão os olhos a ponte perfeita para alcançar a poesia?
    Beijo

    ResponderEliminar
  31. Não soube nadar entre águas que percorreram este poema, a síntese perfeita, qual é a tua atuação?

    ResponderEliminar
  32. mapas de pedra onde cada artéria é um filamento nervoso ligado ao coração. das cidades... dos homens...
    um forte abraço, amigo assis!

    ResponderEliminar
  33. os olhos, definitivamente, sandra. os olhos do rosto e os do coração. e quantas pontes os ligam entre si...
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  34. cidades de homens
    homens das cidades
    homens com cidades
    homens-cidades.
    a pedra é apenas o caminho que os liga, harmonizando-os. como a poesia, afinal.
    beijos, amiga de cabelos compridos!

    ResponderEliminar
  35. a minha actuação, michelle? ousei traduzir as sensações... e como dizem os italianos, tradutor, traidor (traduttore traditore). as sensações não deveriam precisar de palavras, verdade? em certo sentido, são filtros que as corrompem...
    um abraço e absoluta concordância contigo!

    ResponderEliminar
  36. Hei de confessar que a beleza do teu poema é infinitamente mais bonito que Florença.
    As fotos e a música estao belíssimas! Gosto desse conjunto, gosto de música francesa.

    Um beijo moço,
    C.

    ResponderEliminar
  37. "livros dormem de pé".


    adorei, jorge.
    bjs, querido.

    ResponderEliminar
  38. Jorge,
    me senti num recorte cubista,uma montagem de Itália, que floresce em mim nas tuas imagens e palavras escritas.
    Incrível como o cenário desse país, na duas vezes em que estive, me ampliou as sensações de quase tudo. Senti mais deslumbre a meus olhos; me senti mais culta; mais maravilhada; se havia desamor: (des)apareceu. Se havia paixão: renasceu!
    Trovo abastanza bello questo post, meraviglia. È vero!
    Bacione

    ResponderEliminar
  39. Tens uma forma poetica de retractar realidades,este ano vou conhecer de perto onde as tuas palavras me levam
    bjs

    ResponderEliminar
  40. Tenho certeza passei aqui hoje e comentei... mas nao está aqui agora ;(

    ResponderEliminar
  41. querida c.,
    os lugares são pedras;
    as pedras com pessoas são vida;
    a vida com poesia é o que de mais perto da eternidade poderemos vir a almejar.
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  42. querida ana,
    não me atrevo a responder-te em italiano, pois procuro manter este blogue desinfectado do vírus do erro ortográfico :). tenho pena de que este recorte se restrinja a apenas três cidades (embora no repertório tenha já veneza, dos idos de 2005); pudesse eu regressar e começar bem lá em cima, em milão, ir descendo por verona, repetir florença, passar em roma, nápoles e terminar na sicília... ainda não perdi a esperança :)
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  43. amiga de olhares múltiplos,
    tenho a certeza de que não te arrependerás. sugestão: itália tem uma rede ferroviária fortíssima, com um equivalente ao famigerado tgv a voar a uma cadência regular ao longo do dia. deixa-te levar pelos carris.
    um beijo!

    ResponderEliminar
  44. amiga c.,
    ora cá está ele; não fugiu :)
    beijos!

    ResponderEliminar
  45. Querido Poeta

    Nas tuas palavras a leveza...no teu olhar a beleza das imagens aprisionada no poema,
    e ficarão presas no tempo...eternamente.
    No meu olhar a magia de te ler...uma viagem dos sentidos...sempre.

    Beijinho doce para ti
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  46. Jorge,
    cheias de brilho e emoção na pele, são estas tuas etiquetas...

    Beijinho

    ResponderEliminar
  47. Eis que hoje a viagem foi para além das palavras e dos cafés.

    Contemplei cada etiqueta em sintonia sublime com as fotografias.

    Bela canção para cruzar a ponte.

    Beijo, querido Jorge!

    ResponderEliminar
  48. São pedras com vida por dentro...
    São metade homem, metade desejo!
    E tal como as águas as elevam
    É a mão do homem que as molda, que as transforma...
    E lhes transmite vida!
    Tal como tu com as palavras!
    … quanto de alma imprimiste neste poema!...
    Não apenas nas palavras, mas na música… e no que parece estático...
    beijo, amigo-dos-encantos-meus!

    ResponderEliminar
  49. amiga-do-sonho,
    as imagens enclausuradas no tempo, reescrevendo a eternidade são privilégios de um mundo de essências a que tão poucas coisas nos podem fazer ascender... de entre elas, seguramente, as viagens.
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  50. amiga andy,
    as palavras vulgarizam-se sempre na relação com o objecto que referenciam... a luz trouxe-a nos olhos que ainda explodem a cada instante recordado.
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  51. sandra,
    a itália está bem viva nos portugueses e nos brasileiros: por um passado cá, na península ibérica, que nos modificou irreversivelmente (a língua é disso o espelho mais notório); por um passado no brasil (onde a emigração italiana teve papel de destaque). para além dessa ligação afectiva, há os seus encantos naturais. quem lhes resiste?
    um beijinho e chocolate!

    ResponderEliminar
  52. amiga-de-todos-os-encantos,
    a alma que respira no poema é já a de quem o toca, o acolhe dentro de si, o redimensiona, reescrevendo-o. e o objercto do canto torna-se inevitavelmente plural (porque das diferentes vozes que o reescrevem). só a poesia (e a arte em geral) o permitem, verdade?
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  53. querida lívia,
    e são tantas as pontes que nos aproximam daquilo que perseguimos... nem o oceano será suficiente para travar aqueles que sempre procuram.
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  54. "todas as vidas definham
    sob os monólogos do tempo."
    E todas as vidas se fiam sob a grandeza dos momentos.

    Adorei o blog, voltarei sempre. :)
    Um beijo!

    ResponderEliminar
  55. Olá Jorge, como vai? Quanto tempo... Andei afastada do meu blog mas agora estou de volta! rs

    Adorei teu post, belos poemas e lindas fotos!
    Os poemas são de tua autoria?

    Um ótimo restinho de semana pra ti, beijo!

    ResponderEliminar
  56. Jorgito, meu doce amigo,
    Sempre acreditei nas pontes e com elas atravessei o impossível.
    Adoro as etiquetas e essas misturam-se ao meu sangue carcamano.
    Belas imagens em total sintonia com a tinta.
    Bjs, meu poeta das essências e linda semana

    ResponderEliminar
  57. Belas fotos...adorei esta tua frase "onde os livros adormecem de pé
    e ressuscitam na gravidade da alvorada."
    Beijo d'anjo

    ResponderEliminar
  58. "entre o olhar e as pontes
    há correntes que se erguem
    no encalço do poema líquido"
    perfeito! e traduz com perfeição toda esta bela etiqueta.
    beijo

    ResponderEliminar
  59. Jorge querido,
    ver Florença sob teu olhar de versos,imagens e sons..
    me trouxeste a sensualidade da Itália.. e nas tuas etiquetas jamais esquecer..
    "la douceur de mon avenir"..
    beijos ...

    ResponderEliminar
  60. Oi Jorge
    Como turista (as vezes inconstante), viajei cá para matar a saudade dessas tuas paisagens.

    Grande beijo.

    ResponderEliminar
  61. Os seus poemas são sempre muito repletos de sabedoria e cultura. Lindissimos!

    O homem sonha
    O sonho que comanda a vida
    Enquanto o homem sonha
    O mundo pula e avança!

    Um grande abraço amigo Jorge Pimenta.

    ResponderEliminar
  62. carina,
    ai, esse tempo que não é o momento e o momento que tantas vezes toma o lugar do tempo. e como nós crescemos e definhamos nesta roda-viva...
    um abraço!

    ResponderEliminar
  63. olá, bianca,
    fico especialmente feliz por te saber de regresso às lides dos blogues e por, nesse instamte, te teres recordado das viagens que aqui se fazem no lusco-fusco da razão e do coração. os poemas são todos da minha autoria, sim, com a excepção daqueles onde estão assinaladas as respectivas parcerias.
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  64. querida amiga,
    não há distância que a força do homem não vença: as pontes são os braços; os rios, as correntes sanguíneas que as agitam de cá para lá, de lá para cá, urbi et orbi. como não crer nelas, pois?
    um beijinho desde este lado da ponte, sabendo que chegará inteiro a esse, doce ira [esta combinação final sem efeitos estilísticos, obviamente :)]!

    ResponderEliminar
  65. sonho,
    quando leio não resisto a exercícios como o que acabaste de fazer: apesar de procurar sentidos que se cruzem bem para lá das páginas, há sempre uma palavra, uma expressão ou toda uma frase que, ao tocar-me, fica marcada pela minha mão. o lápis é-me tão precioso quanto os olhos, quando leio. :)
    beijinho!

    ResponderEliminar
  66. querida ingrid,
    sempre terna e doce nas palavras que vais deixando pela blogosfera. ainda assim, digo-te: vale bem a pena tocar a itália na rugosidade das suas pedras; é que nenhuma palavras consegue chegar lá tão fundo [até porque há viagens que são tão mais enriquecedoras quanto se façam à boleia das pernas e das palavras, simultaneamente].
    tenho a certeza de que adorarias, pois, la bella italia. :)
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  67. as paisagens são como os lábios: tornam-se mais vivos quando recebem os olhos e o batom que os saiba completar :)
    beijos com saudades, amiga do batom e poesias!

    ResponderEliminar
  68. caro josé,
    maravilha a tua visita, sempre. tenho de me reorganizar para revisitar todos os amigos que por aqui me vão deixando o seu carinho.
    obrigado!
    forte abraço!
    p.s. este nosso benfica é uma verdadeira máquina :)

    ResponderEliminar
  69. já não consigo comentar, faltam-me as palavras,
    deixo-te um grande, grande, grande:
    SMILE!

    ResponderEliminar
  70. Salve Jorge,

    Ah, o doce som do silencio, atravessando a copa das árvores existentes dentro de nós.

    Assim como na poesia, também me fiz em silêncios para voltar num novo amanhecer...

    Abraços mil

    ResponderEliminar
  71. viagens com poesia. florencia, terra/lugar/aroma/sentido que não visitei. nem sei porque não a visitei! é daquelas coisas que não dá para pensar.
    beijos -JoPi

    ResponderEliminar
  72. " Afinal, todas as vidas definham sob os monólogos do tempo."
    Ah, Jorge, meu querido, como soubeste , bem, fazer o resumo de tudo...
    Lindíssimos versos!
    E o casamento que promoveste entre eles e essas deslumbrantes imagens, resultaram num indescritível deleite para os olhos, ouvidos, alma...
    Grata, amigo, por este momento único que me proporcionaste!
    Abraço bem forte da
    Zélia

    ResponderEliminar
  73. Praticamente poemas-pinturas, e tão bem desenhados!

    Beijo.

    ResponderEliminar
  74. Belas poesias, Jorge!
    Elas possuem imagens muito interessantes.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderEliminar
  75. smile para ti também, querida amiga laura.
    a tua amizade é, ela mesma, viagem.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  76. e como a voz se torna ainda mais maviosa após o silêncio que desce até às mãos...
    é tão bom ter-te de regresso, querida janaina.
    beijos!

    ResponderEliminar
  77. amiga não-sou-eu-é-a-outra,
    florença é livro e leitura, pedra e artesão, história e estória. ali, o homem compreende como pode ser imenso na sua pequenez, enquanto os deuses estrebucham na voz da corrente, imperceptível até aos ouvidos mais gulosos.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  78. zelita, doce amiga,
    a verdadeira voz está lá, guardada naquele altar humanista. fui apenas o seu humilde tradutor - com todas as fragilidades inerentes à condição. crê-me, não deixes de a visitar.
    um beijinho florentino :)

    ResponderEliminar
  79. larinha,
    nunca tive grande jeito para desenho :)
    obrigado pelas tuas sempre tão ternas palavras.
    p.s. sinto falta do teu teatro da vida...

    ResponderEliminar
  80. evandro,
    agradeço-te a viagem até aqui.
    um abraço e sucessos para ti também!

    ResponderEliminar
  81. Olá Jorge

    Não conhecia "kings of convenience, parr-a-pluie" e me emocionei ao ouvír os acordes suaves da música deles e por isso acabei colocando a música em meu blog.Obrigada pela partilha.Muito bom mesmo.

    Bjs

    ResponderEliminar
  82. parole,
    como te compreendo :)
    eu adoro kings of convenience.
    beijinho!

    ResponderEliminar
  83. falar o quê diante esta impressionante arquietura?

    ...

    ResponderEliminar
  84. Gosto disto, Jorge. Textos criados a partir de imagens. Ainda mais neste caso, em que podes somar às images mostradas tantas outras que da Itália trouxeste na bagagem da memória.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  85. amiga-da-lira-afinada,
    por vezes as palavras são mais fiáveis do que as pedras: a torre garisenda está inacabada porque a sua estrutura cedeu, tendo-se inclinado relativamente ao prumo projectado. assim permaneceu através dos tempos.
    na arquitectura da palavra sempre é mais fácil reorientar a verticalidade. :)
    beijinho, arquitecta do ritmo verbal!

    ResponderEliminar
  86. tuca,
    viajar é entrar na porta que nos leva à seguinte, e assim sucessivamente. as imagens que efabulamos do lado de fora juntam-se aos sons, aos cheiros, às cores, às formas, às ideias... que tocamos do lado de dentro. tudo isso é a escrita, verdade?
    um forte abraço!

    ResponderEliminar
  87. tao bonita esta musica.A musica francesa é sublime.É deveras pouco divulgada.

    ResponderEliminar