sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

perfumes

                                berenika

perdi, um dia, o mar a gemer sob as aves
mas ainda recordo o brado do promontório.

não sei porquê,
desdenho de todo o âmbar da memória
mas temo a urgência do olvido.

os seus olhos de sal
e as unhas de pedra
onde se espreguiçam o vento e o tempo
fizeram falésia no meu peito;
investem com frémito conta a pele
decapitando os caminhos que percorri
e assombrando os que não ousei pisar.

hoje, são os atalhos além da maré
que soletram o meu nome.
terei ido a tempo de assistir ao parto das árvores
que sabem germinar flores e frutos
no silêncio do mar?

hoje, em tudo creio.
[apenas duvido da viagem].



evanthia reboustica, the railway station
[tema do filme a touch of spice, realizado por tassos boulmetis]

nota: a touch of spice ["politiki kouzina"] é uma pélícula grega, com a assinatura de tassos boulmetis (2003), que toca a ligação secular (sempre tensa, no mínimo) entre as culturas grega e turca. fanis, um jovem grego, aprende com o avô, cozinheiro de profissão em istambul, que, tal como a comida, também a vida deve ser bem condimentada. acaba, ele próprio, por se tornar cozinheiro e seguir a sua vida. mais de 30 anos volvidos, fanis regressa às origens, onde reencontra o avô e o amor da sua vida; nesta confrontação com o tempo e consigo mesmo, acaba por chegar a uma conclusão: esquecera-se de temperar a sua vida.
a banda sonora tem a assinatura de evanthia reboustika. recupera a mais fina tradição bizantina na sonoridade e na delicadeza sofrida da voz. é impossível resistir-lhe.
agradeço à minha querida amiga eleni ter-me ajudado/ajudar-me a compreender um universo cultural que apenas tocara através dos canais informativos e pelos compêndios de história.
um beijo, eleni!


evanthia reboustica, allspice

[tema do filme a touch of spice, realizado por tassos boulmetis]

84 comentários:

  1. E os seus olhos de mar, que tragavam.

    Remeteu-me a Capitu, e seus olhos de ressaca. Escrevi há tempos sobre. Vou colar aqui - mandaria por e-mail, mas não tenho seu e-mail.

    "E o que são os olhos de ressaca de Capitu? A tormenta, o que atormenta Bentinho, que é incapaz de dizer o que o estonteava e tonteava. Até a queda. “Se me faltassem os outros, vá; um homem consola-se mais ou menos das pessoas que perde; mas falto eu mesmo, e esta lacuna é tudo” (Dom Casmurro).
    Em Dom Casmurro dá-se o ato da traição quando o outro faz falta e abandona. E essa falta, que é só nossa, traz ares de ressaca. E o desencontro. Pois qualquer direção que ele pudesse tomar, jamais a encontraria."

    Li "Perfume", sim.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Olá a todos os que vão ler este comentário neste blogue ou noutro muito bom como este. Pois é, estou encantado com todos estes pratos tão bem confeccionados. Pois, eu gostava de fazer igual, mas não consigo. A vida é dura e obrigou-me a morar sozinho, e a cozinha não é de todo o meu local favorito. Mas estou a tentar conhecê-la, mas as aventuras têm sido imensas. Fiz um blog humilde para colocá-las em forma de crónica pouco extensas. Gostava muito que todos vocês o visitassem e se possível o seguissem. É que tentar cozinhar e depois não ser ajudado, é algo muita mau.
    Cumprimentos a todos!

    http://tenhosalfaltamecolher.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. vanessa,
    li machado de assis há muitos anos, na altura em que estudei eça de queirós, no ensino secundário, primeiro, e na universidade, depois. são autores intemporais, porque conhecem o homem e os seus comportamentos acima de qualquer contexto social ou histórico. essa é a receita da eternidade, verdade?
    um abraço!

    ResponderEliminar
  4. caro joel,
    pois, tenho a certeza de que quando há sal na medida certa, não só as colheres aparecerão; podes também esperar os garfos e as facas.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  5. Amigo querido, que magnífico o seu poema! E os vídeos... tudo! Em perfeita harmonia com a beleza do seu poetar! :)

    Eu sempre saio daqui melhor do que entrei. Obrigada por isso, por me permitir crescer poeticamente e culturalmente lendo vc. :)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. amiga dos silêncios e minha amiga,
    há blogues que não são palavras mas a própria vida - o teu.
    há pessoas que rapidamente se vestem de poema - tu.
    obrigado!
    um beijo!

    ResponderEliminar
  7. você cria imagens que nem zeus duvida!

    sua lira enriquece meus dias...

    beijo, precioso!

    ResponderEliminar
  8. e a tua lira, então, querida amiga? é o trem que a tantos guia poeticamente...
    beijos com pimenta!
    p.s. zeus? acho que nunca fez a 4ª classe e suspeito mesmo que não saiba ler. :)
    beijos renovados!

    ResponderEliminar
  9. Olá Jorge,
    Perfume de mar?
    (não resisto)... Saudade!

    Bjs dos Alpes

    ResponderEliminar
  10. Jorge,
    hipnotizada pelas músicas que me levam a ler e reler teus versos enquanto elas durarem..
    uma maré que verseja idas e vindas, e a cada releitura sensações únicas..
    (ouvi as duas juntas inclusive, e me causaram bela sensação)
    beijos querido poeta... perfumados!

    ResponderEliminar
  11. Lembrei-me dos delírios de Bentinho em Dom Casmurro de Machado de Assis...principalmente em...
    "os seus olhos de sal
    e as unhas de pedra
    onde se espreguiçam o vento e o tempo
    fizeram falésia no meu peito;
    investem com frémito conta a pele
    decapitando os caminhos que percorri
    e assombrando os que não ousei pisar."

    beijinho de Luz, alado amigo poeta...

    p.s. tu ririas do meu jeito de ler-te...

    :)

    ResponderEliminar
  12. Jorge. A velocidade do apalavrar como Fênix reconstroi o dicionário, que de gerações a forjar o amor no aço do rancor, com pequenez véu de contemplação entre a redenção, faz o oceano a gemer sob as asas. Há sempre uma ausência que se instala e de tão precisa clarea a pele - o prisioneiro, descobre-se? [Re]descobre-se no brêu uma constelação, e de notas faz a casa reflorir o que desapercebido no tempo o rensacer da alquimia. Pássaro ferido é paraíso no que quis sair de si pelo preto e branco que deixara de estrelar em pena. Na poética adormecida, quando o frio vem aquecer o coração na memória, com a noite se faz nascer a esplêndida emoção. Das linhas o tapete vermelho abortado, com olhos molhados em regar revelado passarinhar e jogar as iscas do transpor as leis face a face as grades que se desfazem com sopro. A música que reativa a dor perfeita ante o imperfeito ego mortal fortemente nas pétalas, que de perfume da escrita trovão, relâmpago e raios, com sinais remodelando o alfabeto por uma borboleta na parede que fala o porvir, e dos vôos denuncia a página do adeus, no selado maduro. Dos livros não entendidos, o sol rascunhando num chamado azulado e que reescreve oscular desvinculado do sistema.


    Abraços

    Priscila Cáliga

    ResponderEliminar
  13. olá, flor dos alpes,
    perfumes de mar, mas dos cultivados na montanha :)
    um beijinho com maresia!

    ResponderEliminar
  14. ingrid, querida,
    estas duas faixas são apenas dois exemplos de todo um álbum verdadeiramente... condimentado. a não perder, mesmo.
    sabes, sou exactamente como tu, na leitura: tudo faz mais sentido se embalado na marulhagem da boa música.
    um beijo!

    ResponderEliminar
  15. aninha-de-luz,
    já a vanessa aqui invocou o dom casmurro. ena, juro que não plagiei :)
    pois, qual é o teu jeito quando me lês?! :)
    beijos luminosos!

    ResponderEliminar
  16. querida priscila,
    ainda arrepiado por esta tua leitura alegórica, onde os sentidos e os seus tidos extrapolam a lógica verbal para se inscreverem, exclusivamente, em alfabetos que elegem os batimentos do peito como maiúsculas mais-que-perfeitas.
    é como dizes: o oceano geme sob a pele e a ausência cola-se à superfície da derme. o único ruído que perturba os tons gris da tela são leves e breves, quanse indistintos. talvez uma aranha esfomeada sobre uma borboleta perdida...
    a teia? incinerada nas asas coloridas.
    as asas? bateram com estrépito e elevaram-se na cinza do céu.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  17. soletro o teu nome, AMIGO, mesmo nos atalhos, mesmo escrito no sal, no suor e nas lágrimas
    Beijos
    Laura

    ResponderEliminar
  18. Jorge,
    hoje fui ladra do teu espaço...
    roubei uma pontinha da alma de ti, uma Luz que te envolve e cega
    o video fascinante, porque fiquei presa nela e eu não podia ficar aqui, tinha que ir embora, para minha casa
    metade de um abraço, não vá que te perca e eu não saiba reencontar o caminho para a viagem.
    É fascinante ler-te, mas sobretudo senti-te.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  19. amiga dos encantos,
    o sentido maior do que aqui se posta é o da partilha. agradeço-te pela vinda e pelo furto (con)sentido :)
    outro meio abraço! :)

    ResponderEliminar
  20. Eu no momento em que leio ñ soletro o meu nome, mas o nome de alguém, de um alguém que nasceu,vive, e mora em mim.
    Bjossss e obrigada pela visita lá no mundo das letras.

    ResponderEliminar
  21. Jorge, da leitura alegórica os enunciados são como os leques que se abrem, e em cada movimento se diz e re-diz com voz através das retinas e, do transportar-me para o recôndito onde o vinho brilha repaginação, recapitulando minhas paredes, no arrancar preciso do hostil [perverso, egoísmo] alojado em meu caráter. E, através desta veia, ser chamada de banhada do sangue pelo verbal comum ao inverbal incomum, com traços das gotas despejadas nas madrugadas longas, quentes e frias ante a cabeceira das borboletas falantes: o oceano geme sob a pele.

    Abraços

    Priscila Cáliga

    ResponderEliminar
  22. mais um primor da safra 2011, poeta. fico aqui com o aroma


    grande abraço

    ResponderEliminar
  23. “e não é que a eternidade
    inscreve o seu nome na queda?” ...sempre bom tombar os olhos por teus escritos, dar uma apimentada no dia passando por aqui, Seô Jorge! 2011 aleluias! Salve Jorge e a Capadócia de letras condimentadas matando o dragão do enfado! Hum.

    ResponderEliminar
  24. Sempre é tempo quando temos fome, querido Jorge.

    A vida bem condimentada desperta nossa experiência afetiva.

    "Fome é afeto. O pensamento nasce do afeto, nasce da fome. Não confundira afeto com beijinhos e carinhos. Afeto, do latim ‘affetare’, quer dizer ir atrás. O afeto é o movimento da alma em busca do objeto de sua fome. É o eros platônico, a fome que faz a alma voar em busca do fruto sonhado" (Rubem Alves)

    Um beijo!

    ResponderEliminar
  25. giomara,
    será essa a diferença entre identidade social e identidade emocional?
    um beijo!

    ResponderEliminar
  26. são as vozes aspergidas em leque sobre a borboleta que, mesmo com as asas perdidas, teima em querer voar. talvez na pluralidade destas marés enunciativas se consiga tocar a exclusividade das sensações... sob e sobre a pele.
    um beijinho, priscila!

    ResponderEliminar
  27. carla, feiticeira do alfabeto,
    todas as palavras que aqui moram esperam a tua varinha de condão para ressignificarem acima dos sentidos que a mão cansada ousou tributar-lhes. salvé!
    um abraço!
    p.s. ainda espero as nuvens prometidas :)

    ResponderEliminar
  28. "A vida bem condimentada desperta nossa experiência afetiva."
    lívia,
    estou em crer que adorarias o filme de tassos boulmetis. estou seguro de que rubem alves gostou :)
    um beijo!

    ResponderEliminar
  29. Olá amigo Jorge Pimenta!
    Os seus textos deixão sempre uma o nosso censo deslumbrado! Muito lindo.

    Um bom ano 2011

    Abraço

    ResponderEliminar
  30. Jorge, de repente, um lírio borrifa visão presente que se restaura o óasis. E na loucura absorvida dos traços soprados sob e sobre a pele, grita-se a escrita do espelho da alma na pesca dos detalhes, e se aponta o lápis de cor sem ter fim como reflexão familiar; dias surgidos das cinzas e de gama gotiladas líricas fronte as asas teimosas às voltas, com mapa labial à porta ante a ação fisiológica.

    Abraços

    Priscila Cáliga

    ResponderEliminar
  31. Jorge, hoje, logo ao entrar aqui, me perdi por um momento na imagem... embrenhei nessa neblina, e meu pensamento viajou... coisas da mente...rs

    Depois, ao ler o poema, fiquei, literalmente, sem palavras!
    Só encontro uma:
    B E L Í S S I M O!!!

    Parabéns, amigo, você sempre nos surpreendendo e se superando. Que bom!

    Beijinhos de chocolate com pimenta :)

    Cid@

    ResponderEliminar
  32. Jorgito, mais um perfume de forte essência, que aos meus sentidos embriagam.
    Ah, a urgência em olvidar! Como se fosse possível apagar os temperos.

    Um lindo fds e bjs repletos de codimentos

    ResponderEliminar
  33. Jorge Pimenta,
    tu és um poeta estupendo!

    Dá-me um abraço,
    meu amigo!

    ResponderEliminar
  34. tão profunda a solidão da árvore na fotografia, jorgíssimo...

    viajando pelo poema constato o que já foi constato zilhões de vezes: "viajar é preciso".

    viaje, portanto.
    a poesia soprará a sua vela.

    abraços saturninos,


    r.

    ResponderEliminar
  35. caro josé,
    são cristal as palavras que depões sobre esta mesa. agradeço-te a simpatia.
    um abraço!

    ResponderEliminar
  36. priscila,
    o lírio acomete contra a mão lasciva que o desejou, porque um dia o maltratou, arrancando-o da terra à qual havia jurado fidelidade. gemeu, chorou, entregou-se à noite como se o sol passasse a viver apenas sob as chamas de um inferno que sabia aquecer a sua maldição. e o que fizera para o merecer? nada. as suas pétalas de veludo e o pé viçoso encheram-no de garbo; a si, primeiro; à borboleta deambulante e de asas alquímicas, depois; às mãos travessas, por fim... o mapa? perdido algures entre o horizonte e a mão alheia; os pés? sem raízes que o ajudem a caminhar... já nem o espelho ousa tocar. a desventura é a sua derradeira companheira.
    um beijinho, querida poeta de estímulos imagéticos infinitos!

    ResponderEliminar
  37. amiga cid@,
    nem imaginas como gosto de chocolate, em geral, e de chocolate com pimenta, em particular :). sou aquilo que pode ser chamado de "guloso incorrigível" :). há, em braga, um pequeno restaurante vegetariano que tem uma tarte com essa combinação na dose perfeita - irresistível, no mínimo!
    obrigado pelas tuas palavras sempre sem névoa!
    beijos de chocolate (com uma pitadinha de pimenta) :)

    ResponderEliminar
  38. querida ira,
    o olvido é a maior mentira que ousamos impor a nós mesmos. na maior parte das vezes, é meramente figura de retórica, pois para o bem e para o mal, o sal continua a fazer parte da confecção culinária, seja a ementa qual for.
    beijos!
    p.s. o teu texto que ontem li é de bradar aos céus!!!

    ResponderEliminar
  39. domingos, poeta-camarada,
    como se diz em portugal, e num registo bem familiar, "venham daí esses ossos"!
    abraço com a amplitude do oceano!

    ResponderEliminar
  40. amigo de primeiríssima casta,
    este berenika tem na objectiva as lentes de uma melancolia serena, doce, que acalenta, não destrói. os acordes pseudo-poéticos que a fotografia me arrancou teriam de ser na mesma linha, obviamente. curiosamente, há, na minha mão, uma espécie de reacção compulsiva que tende a resgatar o mar como figura estética a percorrer a escrita. não sei bem porquê. só que agora, um pouco como na fotografia: com outros elementos a pairar no fundo que cobre o horizonte. e esta árvore com raízes a agarrar-se ao oceano é tudo aquilo que sentia no momento em que escrevi.
    um abraço de primeiríssima linha, amigo do peito!

    ResponderEliminar
  41. Jorge,

    Na falésia do peito, onde outrora se cravaram os olhos e as unhas, nascem novos caminhos inscritos com teu nome. Os atalhos são meros descansos onde o silêncio veste as palavras colhidas nas viagens onde germinam jardins e pomares que ousas perfumar. Só assim valem as memórias que nos fazem acreditar e que muitas vezes não queremos olvidar.

    É delicioso ler poemas perfumados desta forma!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  42. jb, perfumada é a tua presença. sempre. com o aroma das palavras e o paladar dos versos, cozinhas sempre caminhos para as inquietações que sobrepassam os poemas. thanks!
    beijinhos!

    ResponderEliminar
  43. Ah, a nossa vida cheirando ao perfume das coisas que deixamos de fazer, entrando em nossa respiração, e de repente nossos olhos vêem fantasmas de lembranças de coisas que ainda não vivemos...

    Abraços mil Jorge

    ResponderEliminar
  44. janaina,
    ainda a pensar nas tuas coisas "que deixamos de fazer" ou que "ainda não vivemos"... qual é qual?...
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  45. Há tantas coisas que anseio olvidar. Mas o que tu escreves fica gravado, e como é bom ter inscrito em nós maravilhas assim. Lindo!

    Beijo.

    ResponderEliminar
  46. hoje, em tudo creio.
    [apenas duvido da viagem].

    Que força que tem essas palavras...

    Muito belo!!!

    ResponderEliminar
  47. Nossa, caro poeta...! Que lindo poema...Uma verdadeira obra-prima, um primor!

    "os seus olhos de sal
    e as unhas de pedra
    onde se espreguiçam o vento e o tempo
    fizeram falésia no meu peito;
    investem com frémito conta a pele
    decapitando os caminhos que percorri
    e assombrando os que não ousei pisar".

    Muitas vezes me sinto assim...Estes versos tocaram em cheio o meu coração...

    Beijos

    ResponderEliminar
  48. ...poeta querido,
    és o sal na medida certa
    nesta panela chamada blogsfera,
    onde todos os temperos deixam-se
    exalar o perfume do encanto!

    amei a imagem!!

    bj, querido!

    ResponderEliminar
  49. larinha,
    quantas vezes o que se quer olvidar é o que a vida torna imortal...
    beijinho!

    ResponderEliminar
  50. malu,
    a grande viagem prossegue, sejam quais forem as dúvidas, verdade?
    um beijo e um verso para ti!

    ResponderEliminar
  51. ana kalil,
    o teu comentário deixa-me sem reacção. o embaraço percorre-me os dedos :).
    obrigado! um beijo!

    ResponderEliminar
  52. querida vivian,
    este poema começou na imagem... inspiradora a objectiva de berenika, verdade?
    um abraço!

    ResponderEliminar
  53. ...poeta querido,
    saiba que tenho para contigo,
    um enorme respeito diante da
    da sabedoria, sensibilidade,
    e delicadeza de alma que
    se nos apresenta em cada
    post!

    encantas-me de verdade!

    e assim,
    receber lá em casa elogios
    teus, é para mim mola propulsora
    a continuar desnudando-me a alma,
    deixando-a livre para voar
    nas asas das melhores
    sensações!

    obrigada, lindo poeta de além mar!

    beijos ternos!

    ResponderEliminar
  54. Jorge,

    obrigada pelo carinho, em forma de palavras, deixado no mosaicos.

    beijinhos achocolatados :)

    Maria Apare[cid@]

    ResponderEliminar
  55. Jorge, Jorge, Jorge, meu querido

    Que lindeza!
    Estou muito emocionada e , por isso mesmo, caio naquele lugar comum que gostaria tanto de evitar: não tenho palavras...

    Abraço bem apertado, amigo, grande poeta!

    ResponderEliminar
  56. querida vivian,
    nem sempre o tempo é tão generoso quanto desejamos, razão por que vamos actualizando e visitando os blogues na medida das possibilidades. ainda assim, e não obstante esta regularidade irregular, procuro passar por todos os que me são queridos. é o caso da tua "alma nua", onde os textos são vividos sempre de modo muito intenso nos sentidos e na forma. para lá de toda a explosão sensorial e semântica, nota-se um esmero e um cuidado especiais com a mancha gráfica, normalmente alternando verso longo com verso curto, numa voragem que harmoniza os diversos dizeres.
    parabéns!
    beijos!

    ResponderEliminar
  57. querida amiga sempre bem apare-cid@,
    dois anos de existência num blogue é um acontecimento que merece ser celebrado por todos quantos partilham dos teus mosaicos. não poderia deixar de brindar, obviamente. que venham muitos mais :)
    beijinho!

    ResponderEliminar
  58. zelita, doce amiga e poeta,
    a tua gentileza não é traço único dos teus poemas; é também marca de pessoalidade bem distinta. agradeço-te as palavras sempre generosamente ampliadas pela tua amizade :).
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  59. Olá, Jorge!
    Indiquei seu espaço para a lista dos "1001 blogs para ler antes de morrer" no Vem cá, Lúisa... me dá tua mão.

    bj

    ResponderEliminar
  60. ana, a sério? :)
    conheço bem o blogue da vanessa que visito desde os tempos de "o meu divã é na cozinha"; confesso que não conhecia a rubrica, mas vou espreitar. agradeço-te a distinção. a responsabilidade é maior agora, hein? :)
    um beijo com carinho!

    ResponderEliminar
  61. Ah, já te disseram tudo, nada sobrou-me a dizer, fico então só sentindo. Mas tu sempre me faze sentir com uma intensidade que quase me funde com teus versos. Parabém sempre, doce poeta!
    Bjo,

    ResponderEliminar
  62. È tão doce seu perfume, que tem cheiro de amor faceiro!

    ResponderEliminar
  63. Que magico texto de um sutil gosto de amor ..

    bjs
    Insana

    ResponderEliminar
  64. taninha,
    e como este poema te estava esperando! é que as palavras com que se arrancam os versos só fazem sentido quando se nos colam na pele, verdade?
    agradeço-te o carinho que sempre me toca como estímulo maior, crê-me.
    beijos!

    ResponderEliminar
  65. michelle,
    a poesia é justamente como os perfumes: há-os de que se gosta mais e que ousamos aplicar e há aqueles que não suportamos, razão por que nem na pele do vizinho os toleramos. já o amor... esse é coisa séria e nada faceira...
    beijo!

    ResponderEliminar
  66. querida insana,
    e como sabe bem esse tal do amor, verdade? invariavelmente, acabámos sempre rendidos aos sentidos :)
    beijinho!

    ResponderEliminar
  67. Que belo Jorge, a viagem é cheia de dúvidas no caminho, ela própria é duvidosa, mas o que importa é que o verso brota :). Gostei muito do seu espaço aqui de poesia e música.

    bjs

    ResponderEliminar
  68. luíza,
    estive a reler as tuas palavras aqui, em "regresso" e em "viagem". é incrível como a linguagem poética fez morada na tua voz, mesmo que em singelos comentários. parabéns!
    beijos!

    ResponderEliminar
  69. O filme é lindo, Jorginho!
    Os sentidos têm uma memória bem teimosa, não é mesmo?!
    Tu acreditas que podemos ter saudade de um perfume que nunca sentimos?
    Imaginar como ele seja faz ter certeza da viagem.

    Um beijo e um cheiro com o aroma que desejares.

    ResponderEliminar
  70. Adorei os aromas...odores...perfumes...pode percorrer as marés...olvidar caminhos percorridos...assombrar os que não percorreu, mas nunca por nunca silenciar esse mar de nostalgia, que traz no peito, que pode ser um sonho desfeito, mas se chama poesia. aDOREI TUDO. bEIJOS COM CARINHO

    ResponderEliminar
  71. Jorge, primeira vez que te leio, e acho que sempre vou pensar em vc como um grande oceano, pelno de memórias e olvidos, de urgências e preguiças....
    gostei muito!

    ResponderEliminar
  72. Meu querido

    Hoje passando apenas para te deixar o meu carinho...um beijinho terno...e tinha saudades.

    Sonhadora

    ResponderEliminar
  73. O tempo, o silêncio, o amor, a morte, a crença, a viagem de nada mais precisamos para nos fazermos homens. A poesia, a música, a religião, a filosofia, a ciência são o que melhor inventámos - ou recebemos - para lhe acedermos, deles nos apropriarmos ou com eles apaziguarmos.

    Belíssimo poema e lindíssima música, Jorge.

    Abraço

    ResponderEliminar
  74. tu és pólen e flor num dizer só. as saudades são mesmo isso: devaneios que pousam sobre memórias que nidificam sobre percepções, impressões, anseios e desejos. quantas vezes o perfume é apenas miragem, mas mesmo nessa condição de néctar frágil ele se faz vinho e boca, lábio e beijo, homem e mulher. mas, quando por detrás do oásis efabulado...
    um beijinho, querida pólen!

    ResponderEliminar
  75. rosa branca,
    curiosa a tua imagem: a poesia como sonho desfeito. sabes qual a imagem que mais me toca ao definir o poeta? o plantador de sonhos. é justamente sobre esta linha diáfana que distingue o que se almeja do que se perde que nos construímos homens e mulheres, que nos reafirmamos poetas e poesia.
    um beijinho grande!

    ResponderEliminar
  76. walkiria,
    obrigado pela visita. creio bem que tens razão no retrato que pintas, mas estou em crer que não deve existir ninguém que, se estende os braços à vida e agarra tudo quanto nela se inscreve, possa ser mero lago de águas adormencidas... antes a inquietação, a turbulência, a indefinição; com os seus caracteres escrevemos a (nossa) vida.
    beijos!

    ResponderEliminar
  77. amiga dos sonhos,
    obrigado pelo carinho. confesso que não tenho visitado com a frequência que desejo todos quantos partilham comigo o seu universo poético (e tantas vezes pessoal poetizado), mas os afazeres não mo têm permitido. prometo-me uma viagem pela tua/nossa "rosa" para breve.
    um beijinho!

    ResponderEliminar
  78. é justamente essa a matriz de todo o edifício humano, caro amigo jad. difícil, por vezes, é entender as suas fundações. haja sempre a arte e a filosofia para nos ajudar a ir além do óbviamente falacioso.
    um abraço imenso!

    ResponderEliminar
  79. há muito já não creio mais em tudo.
    melhor assim.


    um 2011 fabuloso pra ti.,
    bjs meus

    ResponderEliminar
  80. "a desilusão nidifica em árvores tão estranhas" - ainda assim, acredito que 2011 nos possa sorrir, fernand's.
    um beijo e tudo de bom!

    ResponderEliminar
  81. Jorge, meu querido, eu estava com tantas, mas tantas saudades, que este teu poema entrou em mim aguçando meu corpo para todos os perfumes que fazem minhas memórias.

    E então vejo esse filme, que tem para mim um significado tão especial (além de ser grego, é claro) e que considero de uma delicadeza imensa, tanto que o comprei assim que saiu por aqui...e essa música que nos entontece a alma...

    que bom que eu vim te ler hoje. Alimentou-me a alma :)

    beijo

    ResponderEliminar
  82. querida andrea,
    que bom voltar a ter-te por aqui. os perfumes que contornam as linhas da memórias são, provavelmente, aqueles que se fazem de mel, mas que se estendem ao sol, numa toalha branca, sobre a relva, onde as mais ferozes formigas decidiram moldar o seu presente. assim uma espécie de agridoce que tão bem se sente no céu da boca de "a touch of spice". e a música, então... ufa. não me canso de a escutar.
    beijos, querida e doce amiga!

    ResponderEliminar