sexta-feira, 8 de junho de 2012

refúgio paradverbial de cidades, homens, sins e nãos


Inventarei outra escrita entre os muros
António Ramos Rosa


fotografia de jorge pimenta


as luzes extinguem-se por cima do nevoeiro e a voz
somente som desprendido da boca
encarcerado no espaço que é de tantos
mas que nenhum entende.
nos dedos, anéis sem cordas nem violinos
apenas nuvens
abafadas em gavetas
como mapas de tesouro que
já de costas
inventam o X sem léxico ou pontuação.

disseram-me que a palavra é sempre uma morada
mesmo que no anonimato de cidades
que nunca conheci
por serem mais rápidas
do que as decisões anavalhadas.
nunca quis saber
e ainda recordo o dia em que lhe pousei a mão no ombro,
distante da mão – ela
esquecido do corpo – eu,
enquanto do outro lado da rua
as luzes se apagaram
e a janela recolheu as flores
com medo do orvalho do meu silêncio.

hoje sei que as cidades e as palavras se escrevem à noite
com a máquina dos lábios,
bailado de saliva a escorrer na sílaba tónica
enquanto o poeta, analfabeto,
se afasta da luz
e dorme o que ainda não sonhou:

o esquecimento em monólogo.

placebo, blind


41 comentários:

  1. As cidades e as palavras escrevem-se à noite na orla crepúscular dos dias que morrem sem terem nascido nas mãos cansadas e surdas dos poetas.

    Belo!

    Um beijo

    ResponderEliminar
  2. ...e a noite não tem hora para acontecer!

    o quanto vale aprender a língua do tempo!?

    Beijinho, meu amigo poeta de voz oportuna e mágica!

    ResponderEliminar
  3. Oi Jorge,

    Bom dia!

    Texto perfeito! Pensei em um conto chamado cidade dos homens que não dormem que li há poucos dias. Achei essa associação dos homens, cidade e sonhos semelhante a uma morada dentro de si.

    Bom final de semana!

    Lu

    ResponderEliminar
  4. o poeta nunca se sabe à palavra seu doce, terno e sutil enigma, não se saber eis tudo: mesmo no rio das sílabas,



    abraço

    ResponderEliminar
  5. Oi Jorge
    Mais um lindo texto, para se ler com calma e se deliciar, acho que vou me acostumar a passar por aqui (kkkkkkk).
    Bjos.

    ResponderEliminar
  6. E as cidades se erguem muitas vezes para dentro, onde podemos ver e nem sempre somos vistos.

    ResponderEliminar
  7. Há tanto para juntar, recolher, assear em nossas nuvens... Neste poema vc acolhe com doçura a melancolia, as noites que atravessam janelas serenadas. Tão, tão bonito...

    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Encontrei-me em teu verso "as cidades e as palavras se escrevem à noite...".

    Na verdade, sempre me encontro aqui.

    Lindo, Jorginho.

    Bjo

    ResponderEliminar
  9. Jorge, querido PoetAmigo!
    Sabes quando temos tanto a dizer, tantas palavras que nem temos por onde começar?
    Achei muito belo o teu poema e me fez viajar em muitos pensamentos, provavelmente, teria que fazer uns vinte comentários, apenas para começar...:)
    E também me identifiquei de alguma forma com estes teus escritos, então fico por enquanto com esta frase:

    Nunca deixemos a verdadeira poesia morrer de realidade.

    Retorno, com toda a certeza, para dizer mais.

    Parabéns!
    Fico surpreendentemente feliz com esta postagem.

    Beijão!

    ResponderEliminar
  10. Há tempos não leio nada tão lindo e singular.

    "enquanto o poeta, analfabeto,

    se afasta da luz

    e dorme o que ainda não sonhou:"

    Esta linguagem própria do poeta, cala no peito vazio como o meu.

    Parabéns, Jorge!

    Belíssimo!

    Um beijo

    Mirze

    ResponderEliminar
  11. Olá Jorginho!
    Muito bom esse poema! Nos remete aos personagens anônimos da noite.
    Imaginei vários e várias paisagens escuras das ruelas da cidade.

    Como sempre vc é o cara meu amigo!
    Parabens.

    ResponderEliminar
  12. Jorge as lihas transcritas me fez refletir: Se um olhar vale mais do que mil palavras,
    Quantas palavras eu já devo ter dito em um pensar olhando a cidade?

    Não saberia lhe responder.
    Linda postagem. Beijos!!

    ResponderEliminar
  13. Ser poeta é um ofício belo, porém difícil, pois as palavras sempre são restritas para expor tudo aquilo que vemos ou sentimos, admiro muito teu jeito de escrever, porém, tudo aquilo que você Jorge põe em tuas palavras, é algo particular, sua, uma ótica somente sua, e por mais que possamos fazer nossa interpretação, nunca adentraremos no real sentido de 'tuas palavras'.

    Mais um lindo texto, e te parabenizo por isso, abração e ótimo fim de semana Jorge.

    ResponderEliminar
  14. Jorge,

    A noite acontece a qualquer hora,
    o poeta é um lugar sem fim, cabem todas as cidades do mundo e o tempo...

    O tempo escorre singular, pleno a cada ínfimo segundo!

    Extasiada fico, sorvendo palavra por palavra, a cada poema teu. O tempo aqui neste instante, perdeu as horas: lindo, lindo.
    Parabens, poeta!

    ResponderEliminar
  15. Não à toa que a noite é dita ser a dos amantes...
    O término de um dia, é o resumo dele próprio, onde um beijo de amor o lapida.
    Beijos,

    ResponderEliminar
  16. as palavras são estes passos rectos, abafadas em gavetas, envelhecidas até, esquecidas do quando..do como..e onde chegar!

    beijinho poeta e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  17. Linda poesia, amigo. Refúgios, tentativas de se in_corporar, o corpo um casulo. Abraços

    ResponderEliminar
  18. Amigo Jorge,
    Teus neologismos me fascinam e as imagens me encantam.
    Ainda que a luz não alumbre, os verbetes se percam no anonimato e o poeta seja ágrafo, a poesia ainda subsistirá pela sua grandeza e onipresença.
    Poema de grande beleza e ótima logopeia.
    Estás de parabéns pelo alumbramento.
    E para fechar com chave de ouro, esse vídeo espetacular.

    Abraços e ótimo fim de semana para ti e família.

    ResponderEliminar
  19. Bom final de semana
    Agradecer aos amigos pela visita
    me deixa mais feliz, pq adoro ver
    tudo que de bom vc tem aqui.
    Deixo um abraço
    Desejando sempre o melhor
    Abraços
    Rita!!!!

    ResponderEliminar
  20. OI JORGE!
    AS PALAVRAS DE UM POETA MUITAS VEZES DIZEM COISAS, MAS O QUE ELE REALMENTE QUER DIZER, SÓ É LIDO NAS ENTRELINHAS...
    LINDO POEMA!
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderEliminar
  21. guardar nuvens nos dedos faz o céu se entregar,
    e o que se quer é entrega no lado de dentro, no de fora, do lado de lá, no de cá.
    sofisticado poema, Jorge.
    sofisticada a sua escrita.
    beijoss

    ResponderEliminar
  22. Jorge, querido amigo,
    eu sabia que voltaria, pois de fato teu poema me remeteu a uma série de passagens.

    Recordo-me da última vez em que minha escrita se fez noite, e ao tentar colocar palavras nela, depois de muito tentar, consegui escrever uma pequena prosa, justamente sobre isso, e assim o que era noite, transformou-se na madrugada que tudo sabe.
    Deixo-te aqui, pois encontrei o papel, escrito em 1994, quando do falecimento de um ente querido:

    Ela sentou-se na mesma cadeira, colocou os braços sobre a mesma mesa, pegou os dois livros de sempre. Com inércia no corpo e compaixão de si, rabiscou as primeiras palavras. Naquele momento, fez-se poesia e espirrava como a alma.

    Beijos!

    ResponderEliminar
  23. O poeta tenta a palavra e ela não cabe na voz. Ele a espreme, a estica, a torce e por fim a mata, depois inaugura um novo nascimento. a boca pari, os dedos amparam, mas tudo que ele sabe é muito do nada. O poema escreve o poeta.
    O viagem é meu refúgio.
    bj imenso, Jorgito querido

    ResponderEliminar
  24. Saudade de vim aqui e devorar seus versos sentindo a alma sendo descrita, sendo desenhada por tuas palavras...
    Grata por essa (re)leitura de mim mesma.
    Bacio

    ResponderEliminar
  25. As palavras não têm sabor definível mas tudo constroem. As suas despertam emoção e encantamento, ainda que, nas entrelinhas de seus versos, estejam outros dizeres. Bjs.

    ResponderEliminar
  26. "enquanto do outro lado da rua
    as luzes se apagaram
    e a janela recolheu as flores
    com medo do orvalho do meu silêncio."

    fico e demoro-me por aqui, quanta beleza as tuas palavras, amigo!
    tão pleno de emoções este post, fazes magia...

    beijos!

    ResponderEliminar
  27. "...e a janela recolheu as flores
    com medo do orvalho do meu silêncio."
    LINDO ISSO!
    Você tece palavras de maneira peculiar e linda.

    Belo texto poético!

    Imagem muito interessante.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  28. Oi Jorge
    Eu já passei por aqui, estou passando novamente para te convidar a visitar o meu último post, normalmente eu não faço isso, sinceramente acho que a pessoa deve fazê-lo por livre e espontânea vontade, é que no Brasil se comemora no dia 12 de junho o dia dos Namorados e fiz um post homenageando os poetas e tomei a liberdade de incluir você, espero que não se importe, dá uma passadinha lá para ver a poesia sua que escolhi, ficarei honrada.
    Bjos. e um ótimo domingo.
    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com.br/2012/06/dia-12-de-junho-poesia-esta-no-ar.html

    ResponderEliminar
  29. Conjunto maravilhoso:
    foto+texto+video= viagem ao encontro do Belo.

    ResponderEliminar
  30. Adorei me embrenhar neste refugio de palavras, cidades, homens :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  31. "e a janela recolheu as flores
    com medo do orvalho do meu silêncio."

    Um poema adorável, Jorge, e esses dois versos me encantaram especialmente

    Beijos!

    ResponderEliminar
  32. nalgum lugar dorme:
    palavra
    pálpebras escondidas
    nos cinturões de flores
    crepúsculos. de guerras.

    ResponderEliminar
  33. belo, como sempre! A fotografia me chamou a atenção...um muro pintado. como inventamos muros e neles algo mais, conflitos quem sabe ou amor ou algo diferente.

    um beijo Jorginho

    ResponderEliminar
  34. Oi Jorge,

    quisera eu saber o que sente um poeta, só sei o que um poeta como você, me faz sentir: Encantamento.

    Beijos

    ResponderEliminar
  35. Muito estimado Jorge, boa noite!

    Cada vez que pouso meus olhos em seu weblog, desfruto de uma leitura de excelência. Muito de seus poemas(e esse que acabei de ler é um deles) lembram-me as canções de Bob Dylan com suas imagens incríveis em cada verso!

    Belíssimo poema, meu caro amigo!

    ResponderEliminar
  36. Jorgíssimo
    Poema esculpido de magistral beleza do mais requintado diamante: Seu dom da palavra.
    Uma linda tarde.
    Beijos

    ResponderEliminar
  37. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  38. Olá, Jorge.
    É sempre revigorante ao intelecto e saboroso para as emoções ler seus magistrais escritos.
    Certamente, o silêncio da noite molda o mundo, todos os dias.
    Abraço, meu caro.

    ResponderEliminar
  39. Jorgíssimo
    Voltei.Para te desejar um bom final de semana.
    Eu tinha mudado de configuração. Mas acho que agora consegui retornar ao antigo.

    Bjs

    ResponderEliminar
  40. "disseram-me que a palavra é sempre uma morada"

    Assim é. E o Verbo Faz-se.

    Um abraço assim____

    ResponderEliminar