sábado, 5 de maio de 2012

Canção para o alfabeto dos dias suspensos: entre desejos e distâncias


cuando pasen los años
y yo solo sea un hombre que amó.
un ser que se detuvo un instante frente a tus lábios.
un pobre hombre cansado de andar por los jardines,
¿donde estarás tu?

İdonde estarás oh hija de mis besos!

Nicanor Parra, Cartas a una desconocida



fotografia de jorge pimenta


os dias adormeciam-nos no olhar
enquanto nus desafiávamos a matéria
que anuncia o tempo e o espaço.
sim, eu sei,
nunca fomos videntes
e a única coisa que adivinhámos
tinha a forma do corpo
e o sabor das nossas línguas,
mas eu sentia que podia ser contigo
do lado de dentro do miradouro
com que afugentas pardais
alimentas madrugadas
e rezas ao deus que dorme
no regaço da nossa sombra.

podia ter sido aqui,
podia ter sido ontem,
podia ter sido sempre e em todos os lugares
de crescimento fértil
e de água em movimento rápido
pelos canais do sangue.
e nessa gravitação líquida,
entrámos, através do sonho,
no novelo do tempo:

só a cama dos homens,
com trevos da sorte sobre a pele,
incendeia a vida inteira
sem deixar rasto no beijo de papel.


rodrigo leão, cathy


45 comentários:

  1. "podia ter sido aqui,
    podia ter sido ontem,
    podia ter sido sempre e em todos os lugares"

    O tempo não repara os cansaços do não vivido.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  2. Jorge, meu querido,

    Na distância, o que estreita são as tintas nos papéis e o que aumenta, são os desabafos de saudades... Saudades que alimentam as imaginações e as incompreensões dos sofrimentos; porque, afinal, é o passado que encontra-se preso no presente, sem possibilidades de explorá-lo por completo.

    Beijos e bom domingo,
    Ana Lúcia.

    ResponderEliminar
  3. Jorge,

    Tudo bem? Estou encantada com a sua sensibilidade! Além dos versos, encantada com a a fotografia e o nome do texto. Parabéns!

    Beijos.

    Lu

    ResponderEliminar
  4. o efêmero se faz e se desfaz moldando desejos.. versos de cantar saliva e suor..
    sempre intenso Jorge..
    beijo de carinho poeta querido.

    ResponderEliminar
  5. absolutamente maravilhoso! dá vontade de morder toda essa poesia...grande beijo!

    ResponderEliminar
  6. Lindíssimo!!
    Li e voltei a ler, sem conseguir me saciar...

    Beijinhos Jorge e boa semana

    ResponderEliminar
  7. Bom dia!!
    Desejar o melhor para uma pessoa
    amiga,é o que faço com todo prazer
    Agradeço pelas belas postagens que
    vejo e parabenizo,sempre
    Abraços carinhosos Rita!!!

    Tenha um domingo feliz!

    O poema é maravilhoso!!

    ResponderEliminar
  8. um olhar atento é passeio de silêncios, Jorge... aqui, aceno para alguns dos meus!

    Beijinho carinhoso de domingo, meu amigo, poeta mágico!

    ResponderEliminar
  9. A foto dá bem o tom do poema, uma viagem pelas palavrad do mar onde tudo é possível e impossível, um dia ou todos os dias no sim e no não do tempo.

    ResponderEliminar
  10. para amanhecer meu Domingo teus versos de distâncias me tocam e arrepiam..
    .."incendeia a vida inteira
    sem deixar rasto no beijo de papel"..
    teu rasto é indelével!
    beijos meu querido Jorge.

    ResponderEliminar
  11. Entre desejos e distâncias, todas as possibilidades do tempo e do espaço.
    O sonho, meu amigo, por vezes fica a única porta que fica aberta, e sempre há um deus dormido nas sombras, mesmo que tão pequeno fique às vezes desconhecido.
    Abraço forte, querido amigo.

    ps. Hoje, recuperada temporalmente a minha 'entidade virtual', chego presto para deixar-te o meu aceno :)
    Casualidade, tambén tenho escolhida a música do Leão :)

    ResponderEliminar
  12. podia ser, podia, e o topo do tempo a queimar o verbo sobre a pele em desassossego, indelével é a mancha da palavra no lábio úmido,


    grande abraço, poeta

    ResponderEliminar
  13. Caro(a) amigo(a), boa tarde!

    Gostaria de convidá-lo a visitar a coluna Haicais de Domingo do Poetas de Marte

    A entrevista dessa semana é com o escritor português David Rodrigues.

    http://poetasdemarte.blogspot.com.br/2012/05/haicais-de-alem-mar.html

    Na coluna do próximo domingo, gostaria de contar com a participação dos que se emaranham na blogosfera.

    Elaborem um haicai homenageando a mulher mais importante de nossas vidas(não fiquem com vergonha) e mandem para o meu email:mat_amorim@hotmail.com

    A coluna "Mãe,Haicaí! Cuida de mim!" ficará muito melhor com a sua participação!

    Espero contar com a presença de muitos!

    Desde já, obrigado!

    Muita paz!

    ResponderEliminar
  14. Olá Jorginho meu amigo portuga torcedor do Braga.
    As vezes eu leio seus escritos e tento viajar nas "suas" idéias e tentar ver pela sua ótica o que você quiz dizer com a sua idéia... Desisto! Não dá. Por isso acho que seus escritos são tão bons e agradam a todo mundo, porque apesar de serem tão pessoais eles também estão presentes nas vidas das outras pessoas em outras situações e com outros sabores. Isso te faz um grande poeta.

    ResponderEliminar
  15. Pela imagem, pela música, pela poesia... Pode só o suspirar? E quer dizer muito.

    ResponderEliminar
  16. Jorgito, meu poeta-amigo! Roubo-te esta canção, que haverá de adormecer-me nos dias mudos.
    Através dos sonhos, os caminhos são alfabetos de peles e bocas possíveis, as que se revelam no silêncio de cada passo. Não há tempo/espaço quando cerramos os olhos e o “se” já não é leitura para o desenho vivo que a mente traça em riscos advinhados. O desejo sim, ele cega para toda e qualquer distância, mesmo que ela não tenha fim.
    Bjos de sorte

    ResponderEliminar
  17. Muito bom o poema, e o que pude captar Jorge é o embate entre tempo versus limitação humana, o tempo é algo que desafia o homem, passa sorrateiro, nem sentimos, e ao mesmo tempo é como se não existisse, confesso que me amedronta a questão tempo, tenho medo da velhice, não quero envelhecer, mas é algo inexorável, o que fazer? Nada, não adianta lutarmos contra o tempo, ele nos consome lenta e implacavelmente, só nos resta viver, e só.

    Mais uma vez parabenizo por um belo poema, abração amigo.

    ResponderEliminar
  18. Oi Jorge,
    Vim para lhe desejar uma boa semana e percebo que ainda não publicou os comentários. Então, espero que esteja tudo bem com você...; que seja uma ausência por bons motivos... Se cuida.
    Beijos,

    ResponderEliminar
  19. Olá, amigo Jorge!
    Talvez a verve seja o sexto sentido do poeta, mesmo que não faça uso dela plenamente.
    Quiçá assim se explique a beleza extraordinária do poema e seu hermetismo para o zoilo.
    O título do poema, a imagem e a música são todos genuínos.

    Abraços do amigo de além-mar!

    ResponderEliminar
  20. Momentos de amor e cumplicidade, momentos de amor na saudade. Foi o que depreendi das linhas e entrelinhas de seu poema. Sempre o aplaudo quando aqui venho.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  21. Muito bom seu trabalho Jorge, gostei do conteudo lirico que vi por aqui. Parabéns!

    ResponderEliminar
  22. Sem rastro, sem vogais, em um parco alfabeto, talvez como um fenício sabedor de que naufragar também é preciso, tanto quanto arder o que é chama e derramar o que não evapora.
    Belo poema, Jorge.
    Beijos
    Lelena

    ResponderEliminar
  23. Jorge, querido PoetAmigo!

    Penso na vida rodeada de inevitabilidades, e, em raríssimas vezes, as coisas supostamente mais improváveis são as que nos oferecerão todas as respostas quando sequer havia dúvidas. E essas respostas vão moldando quaisquer peças, aproximando-as, porque somos a adição de todas energias que nos fazem únicos, mas nos completamos em outras peças de outro ser único, e isso é inevitável.
    Pelo menos uma certeza, entre tantas outras, se consegue perceber desse acerto de peças:
    viver pode ser um ato de felicidade surpreendente, compartilhada, onde a distância se transforma em mera contingência quase descartável, onde o tempo do relógio cronometra apenas o que se faz, não o ritmo dos sentimentos.
    Viver pode ser o tanto que amamos nas peças do outro, o quanto conseguimos encaixá-las com as nossas em total consentimento e cumplicidade, e por fim, ao testemunharmos que elas de fato se encaixam, vem a surpresa inevitável: o significado da Verdade e toda sua felicidade.

    Belíssimo conjunto fizeste aqui! Fotografia muito significativa; poema maravilhoso; Rodrigo Leão com sua bela Cathy; e o ‘jovem senhor’ Parra, esse chileno de 97 anos, último vencedor do Prêmio Cervantes, e que tem uma obra divina.

    Maravilhosa combinação de peças, querido Jorge!:)

    Grande beijo!

    ResponderEliminar
  24. deixei-me ficar na imagem de trevos sobre a pele... assim a sorte fosse fácil, inspiração, leve, e incêndio como um beijo.

    beijinho, querido amigo!

    ResponderEliminar
  25. Oi Jorge querido,

    Dias suspensos talvez sejam o oco dos versos, enquanto a pele... a pele preenche o verso, de arrepios, de toques. A mistura dos dois, é a matéria perfeita para ser esculpida pela ferramenta palavra.

    A sua foto despertou-me o mesmo sentimento que o poema fez brotar, tão par!

    Beijos

    ResponderEliminar
  26. Fico feliz porque voltou...
    Obrigada, Jorge, pela atenção dispensada lá em meu blog. Meu querido, só mesmo você para me dar um presente bonito como aquele soneto, de Antônio Nobre; além de bastante pertinente, é perfeito no que condiz aos nossos sonhos...
    Beijos, espero que esteja tudo bem com você,

    ResponderEliminar
  27. Jorgito querido, a frase já não mais me pertence. Leve-a!
    Bj imenso

    ResponderEliminar
  28. O vai e vem das ondas, intercaladas por tempo que não se mede e emoções que não se traduz em completude.
    Voltei para reler e dizer que sou feliz por ler suas palavras, tanto aqui quanto no meu pretenso espaço de versos.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  29. só a nudez desafia a matéria
    e não é somente o despir das vestes

    Ah, Jorge, estes dois versos renderam um bocado

    "e rezas ao deus que dorme
    no regaço da nossa sombra."

    o crescimento fértil não tem tempo nem espaço
    é e é tudo que precisa ser no tempo e no espaço

    e no final uma tatuagem ou uma etiqueta grudada à pele ou em uma veste, daquelas quatro folhinhas, a sorte, e é uma plantinha que brota e brota
    e a marca dos lábios de batom que fica na pele ou na carta

    a foto é um infinito, a linha do horizonte ao longe, acreditavam que cairiam ao ultrapassá-la
    lindo demais o Nicanor
    e a canção do vídeo, violinos são tão tão...
    a figura do Rodrigo me lembrou de Noel Rosa

    beijo, Jorge, e abraços braços braços :)

    ResponderEliminar
  30. Meu querido Poeta

    O tempo é como o vento...leva as nuvens e deixa os sonhos que perduram para além do tempo...em imagens que acendem todas as lembranças...que guardam todos os silêncios onde gravámos todos os passos...de todos os caminhos que percorremos...de todas as palavras que ficaram escritas no silêncio de um olhar...de todas as madrugadas adormecidas nos lençóis de mágoa e saudade.
    Como sempre...ÉS IMENSO.

    Beijinho com carinho e admiração que aumenta a cada poema.
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  31. Nesse domingo dias das Mães
    quero desejar a todas um dia
    cheio de alegria,com filhos
    família,e amigos!
    Mães são nossa luz que ilumina
    nossa vida,e pra você deixo aqui
    um abraço carinhoso,feliz
    dias das maravilhosas MÃES!

    Que esse Blog continue a mostrar
    essa beleza que vemos todo dia!!
    Bjuss Rita!

    ResponderEliminar
  32. Atrás do corpo vertebrado
    Mora o poema
    e na parte de cada lado poema
    a gestação da pele...
    única essa coisa que adivinhámos...


    Beijinho Poeta
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  33. Passando pra deixar um beijo e desejar um lindo domingo pra você...


    Ani

    ResponderEliminar
  34. Boa tarde, Jorge.
    Dizem que cada momento de felicidade tem a duração da Eternidade, o que é bem verdadeiro.
    Momentos que nos marcam ficam eternizados em nós, independentemente do tempo em que estivermos.
    Não sou professor, Jorge, mas já fui aluno, e do fundão.
    Um feliz Dia das Mães para ti, meu caro.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  35. Que linda postagem Jorge!
    Beijos, ótimo final de semana a vc.

    ResponderEliminar
  36. Jorgíssimo
    Lindo lindo tudo, a foto a canção
    Flutuei, podia ter sido aqui, voltei, podia ter sido ontem, viajei, podia ter sido sempre em todos os lugares com os trevos da sorte sob a pele
    nas entrelinhas dos seus versos.
    Um lindo domingo
    bjs

    ResponderEliminar
  37. Olá meu Amigo!!

    Linda a tua poesia, lindo teu poema!
    Aqui tudo se encaixa... o poema, a musica, a imagem e a sua alma..

    Um beijo....boa semana a voce!!

    ResponderEliminar
  38. Agradecer o carinho que você dedica
    aos amigos é uma virtude maravilhosa
    Hoje deixo meu bom dia, e desejo o melhor
    pra vc,e parabenizo pelo bom gosto que tem
    em postar o que gosta,e o que eu adoro
    Abraços ..Rita!!!

    ResponderEliminar
  39. Hoje, não saem as palavras.
    Ficou a emoção e um nó na garganta.

    Amigo,

    Lamento deixar esta "mensagem" que explica minimamente a razão pela qual o faço e me ausento por algum tempo, que espero ser muito curto.
    Estou em preparação para uma intervenção simples aos meus olhos.
    Volto logo, verá.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  40. Querido Jorge, desejos e distâncias o lema da minha vida. Talvez eu tenha tido tudo na vida, mas à distância...escondido...até a minha mãe. Só a amargura ficou comigo. Podia ter sido aqui...mas não foi...podia ter sido diferente...nunca foi...Amei o teu poema que me deixou com nó na garganta, já que o meu rio secou. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  41. Muito bom poema, poeta, música...
    A poesia vem da alma! Para se escrever com a alma tem que se ter a poesia...
    Deixo um pouco de po-magico.blospot.com
    Beijinhos e continuação de uma boa semana!

    ResponderEliminar
  42. Há poesia na tua alma, Jorge e reflete isso na sensibilidade das fotografias e escolhas... beijinho.

    ResponderEliminar
  43. "a única coisa que adivinhámos
    tinha a forma do corpo
    e o sabor das nossas línguas,
    mas eu sentia que podia ser contigo"

    Ah, essa poesia tão apaixonada dos últimos tempos, tão sentida! Tudo tão lindo aqui.

    Bjo

    ResponderEliminar