terça-feira, 7 de agosto de 2012

o exercício tátil da distância


Quando […] acordou, manhã alta, sentiu na casa uma presença, talvez não fosse ainda a solidão, era o silêncio, meio-irmão dela.
José Saramago, O Ano da Morte de Ricardo Reis


fotografia de jorge pimenta


trazem uma história nas pontas dos cabelos
e o mirante no olhar,
gota sobre gota,
a recordar estradas de alcatrão e anéis
onde morrem as aves.
nos ombros
tatuaram conversas
e todas as palavras clandestinas
que já não sobem pelas frestas da voz
(agora desabitada
a enterrar bocas
e conclusões suspensas).

sabem que não têm todo o tempo
mas a esperança continua a ser deus
que não sabe a cor do céu
ou de que massa se compõe o silêncio.

remanesce o corpo
tombado sobre o movimento
e todas as mortes que os habitam;
na vida
nenhum deles ousa confiar.

spider, whitesnake

51 comentários:

  1. A recordar na pontas dos cabelos
    Uma história de alcatrão e anel
    Que não sabe a cor do céu

    ...

    Nem ouso me calar nessa estrada: Vida longa para tua poesia!

    Beijo, meu amigo, poeta e parceiro, enfim: precioso*

    ResponderEliminar
  2. Confiar é para poucos, muitas esperanças se desbotam nessas mortes. Lindo como sempre Jorge! Adoro te ler, um beijo.

    ResponderEliminar
  3. "Talvez não seja ainda a solidão". Apenas o sobrevoar de novas paisagens... Miragens!

    Um beijo

    Gosto do som.

    ResponderEliminar
  4. pois eu também não confio muito na vida... às vezes prega-nos cada partida! Belíssimo poema, como sempre.

    ResponderEliminar
  5. o que mais nos aproxima do que realmente precisamos: a voz ou o silêncio?

    beijinho, meu querido poeta mágico!

    ResponderEliminar
  6. "nos ombros
    tatuaram conversas
    e todas as palavras clandestinas
    que já não sobem pelas frestas da voz"


    Um abraço assim____________

    ResponderEliminar
  7. A esperança em Deus e na vida existirá sempre apesar de todos os ocasos que formam a paisagem.Parabéns.

    ResponderEliminar
  8. Jorge,como escreve incrivelmente bem.
    É bom saber que existem bons autores ,poeta no nosso mundo.
    beijos na sua Alma

    ResponderEliminar
  9. Jorginho, tua poesia é sempre bela. De vez em quando me pego aqui repetindo aquele verso dos arco-íris guardados para tempos de solidão, tamanho o encanto. Volta e meia leio aquele poema. Teus versos ficam tatuados em meus ombros, sempre. Não sei qual massa compõe o silêncio. Mas adoro as vozes e os silêncios que levo daqui.

    Bjo, amigo querido.

    ResponderEliminar
  10. Ontem eu ví uma amiga comentando num blog que não gosta de poesia. Ela falou que os poetas dos blogues simplesmente jogam as palavras a esmo sem sentido e sem pontuação nenhuma e as pessoas acham lindo!
    Eu concordo com ela que ALGUNS escritores de blogues escrevem assim mesmo e se dizem poetas. Mas você não meu amigo! Você escreve calculadamente o que quer escrever, nada é acidental e as impressões que você quer passar pra gente, você sempre consegue!

    Parabens por mais um belo poema!

    ResponderEliminar
  11. Duma beleza imensa, as tuas palavras deixam-nos voar, ao som do silencio...

    beijos
    cvb

    ResponderEliminar
  12. morte e vida, um poema que toca no corpo e na alma

    beijos

    ResponderEliminar
  13. E todas as mortes que os habitam.(pausa). É que tu, poeta, me dizes como se fosse o eco da minha própria alma. Não te leio, me procuro em ti e me acho. Sempre.

    Beijos,

    ResponderEliminar
  14. há exercícios que nos silenciam e imprimem marcas indeléveis,

    abraço

    ResponderEliminar
  15. As pontas dos cabelos dizem tantas coisas...trazem consigo tantas histórias, tantos restos, outras épocas. Histórias desabitadas de conclusões suspensas. A ponte fotografada representa tanta coisa: pode ser a esperança de um deus que não sabe a cor do céu ou todas as mortes pelas quais temos que passar nesse exercício tátil da distância.

    Beijo, meu amigo de sempre ricas reflexões.

    ResponderEliminar
  16. Oi Jorge,

    Tudo bem? Ontem li o seu texto, mas não conseguia sentir a mensagem e não comentei. Hoje, ao olhar a fotografia, pensei em caminho distante ou em rota difícil.

    Lembrei de uma trilhaca malu que fiz por impulso em Cartagena na Colômbia. Fiquei perdida e senti a vertigem do tempo e foi fustigante encontrar o grupo. E naquele momento "a esperança foi Deus".

    Beijos.

    ResponderEliminar
  17. O homem forjou um Deus e o chamou de esperança, na tentativa de esquecer que sua massa é feita de solidão, porém esqueceu-se de calar o tempo, que em silêncio grita a morte de todas as coisas sobre/sob a pele humana.
    E eu continuo a seguir por tua estrada e a catar os poemas que deixas cair com desvelo.
    bj, poeta da minha adimiração

    ResponderEliminar
  18. Perdão pelo erro da palavra admiração! Eu te admiro sem o i, tá rsrs Digitar com rapidez mtas vzs nos faz ser cretino.
    mais um beijo

    ResponderEliminar
  19. Amigo Jorge,
    Quanto mais o tempo nos distancia dos fatos passados tanto mais as lembranças nos aproximas deles (mesmo que agora desfigurados).
    Nossos cabelos denunciam quanto o tempo passou por nós.
    Apesar de está juntamente com todos os males, a esperança ficou na Caixa de Pandora.
    Poema valoroso, amigo.

    Abraços do amigo de além-mar.

    ResponderEliminar
  20. Jorgíssimo
    Mesmo na minha singeleza sensibilizo-me sempre com a beleza do seu poema. Seu lirismo é como um campo magnético que atravessou perdido sobre a ponte sem saber a cor do céu, mas mesmo assim vejo-o no mirante acordando a manhã.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  21. De uma beleza sem igual...
    Versos raros... A primeira estrofe me encantou...
    Abraços

    ResponderEliminar
  22. Todos vamos passar pela ponte e cruzar os rios. E quando o fazemos, acreditamos na vida, na esperança e em Deus.
    Saramago foi um ateu confesso e nem quando sentiu a presença da morte, mudou suas crenças. Um escritor digno de aplausos.
    A distância entre passado e presente não é medida pelos anos, nem pelos sinais do tempo, mas pelo que de mais profundo nos deixa, as lembranças. Bjs.

    ResponderEliminar
  23. Oi querido amigo Jorge,acho que não soube me expressar na minha pergunta.
    Quando perguntei qual foi seu primeiro livro ?
    Deixa eu, tentar me explicar. Não sei se li errado, mas parece-me que lançaste um livro tempo atrás. Não sei se foi um artigo ou um livro, ou estou ficando doida? rsrs...
    Mas gostei de saber , que na sua meninice , que sempre ouviu contadores de história.rs
    ----------------------------------------------

    Querido Jorge , a fotografia da ponte me fez lembrar uma estrofe da música do cantor Lenine
    "A ponte não é de concreto, não é de ferro
    Não é de cimento
    A ponte é até onde vai o meu pensamento
    A ponte não é para ir nem pra voltar
    A ponte é somente pra atravessar"

    Tudo bem posso parar no meio dela, mas sempre a atravessarei, como as pontas do meu cabelo , que com o passar do tempo não serão os mesmos.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. rute,
      desculpa a minha leitura transviada das tuas palavras; pensei que perguntasses qual o primeiro livro que alguma vez li... :)
      publiquei alguns livros científicos, mas aquele a que te referes na tua observação suponho seja um de poesia, remontando já a 2007 e que corresponde a uma revisitação de lugares de escrita que percorri ao longo de uma trajetória de mais de dez anos. a-simetria das formas: o espelho e o reflexo (assim reza o título).

      beijinho!

      Eliminar
  24. Que citação profunda *-*
    "mas a esperança continua a ser deus
    que não sabe a cor do céu"
    Seu texto também está magnífico.
    Gostei daqui. Visita-me?
    :)

    ResponderEliminar
  25. Jorge,
    o título, a citação do Saramago, a imagem, seu poema e o som
    exercício, silêncio, distância, solidão
    a história nas pontas dos cabelos enraizados no couro e que tocam a face, caem nos olhos, descem pelo pescoço, tocam os ombros, o colo, as costas

    tudo tão bonito!

    beijos, pra ti

    ResponderEliminar
  26. Jorge, querido PoetAmigo!

    Só existe o total silêncio quando não ouvimos nosso próprio pensamento, pois sim, o pensamento é um som em alto volume a dar ritmo ao exercício tátil da distância. Afinal, as palavras têm dedos, unhas e pele.

    E a esperança, essa senhora simpática e ingênua, sentada em sua cadeira de balanço, e que tece imensa colcha de patchwork a contar suas histórias, está sempre a dizer: ‘confie na vida’. Confesso que olho para a senhorinha e acredito sem pestanejar. Sim, confio na vida! E ainda mais quando me recolho no semi-silêncio, (pois ele existe em valor absoluto apenas como um projeto dos deuses), nesse momento meu pensamento grita em clichê: ‘a vida é o bem maior’.

    E o silêncio total só se fará na última cena, aquele amargo epílogo em que a personagem desiste de tudo, e num fio do tempo, vai para não mais voltar. Mas isso somente acontecerá para aqueles que rimam ‘confiar’ com ‘falecer’.

    Viver é um voto de confiança em forma de círculo.

    Beijos!

    PS.: !!!

    ResponderEliminar
  27. "...(agora desabitada
    a enterrar bocas
    e conclusões suspensas)..."
    Abandonar-se ao silêncio é tentador quando o cansaço e a desconfiança superam o ímpeto de sobreviver a qualquer custo... algo quebrou-se, transcendeu... melhor fazer-se silêncio para escutar o que realmente importa.
    Teus textos são mosaicos de sentimentos e sensações que calam os meus enquanto me abrem janelas de compreensão.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  28. OI JORGE!
    QUANDO A BOCA SILENCIA, É SINAL DE INTROSPECÇÃO,QUANDO A MENTE SILENCIA É SINAL DE SOLIDÃO, MAS, QUANDO A ALMA SILENCIA É SINAL DE MORTE EM VIDA...
    TEU TEXTO, COMO SEMPRE, LINDO.
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderEliminar
  29. Oi Jorge
    Sempre que venho aqui e me ponho a refletir sobre seus escritos me pergunto o que faz o poeta pra domar e convencer com as palavras,a ponto de ir ajustando-as a nossa alma.
    Obrigada e me faz querer exercitar a distância_ até que possa tocá-la...
    Belíssima Jorge, suas palavras são deliciosas e a fotografia belíssima.
    Pontes_pudéssemos ter todo o tempo para atravessá-las!
    um abraço muitos abraços

    ResponderEliminar
  30. Meu querido Jorge

    O tempo passará sempre, mesmo que o corpo morra, ele continuará depois de nós...no fim do fim ele existirá e de nós apenas restará o silêncio.
    Como sempre saio daqui silenciosa e curvando-me às tuas palavras.

    Um beijinho com carinho e admiração
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  31. As histórias renascem dentro dos versos que se acumulam no tempo. Penso até que são fênix em madrugadas chuvosas. O tempo sempre passa, e o silêncio pondera todas as coisas...

    Meu querido amigo, acho que acabei escrevendo confusões. Mas, a sua poesia me leva a lugares maravilhosos.

    beijos

    ResponderEliminar
  32. Que nesse final de semana cheio de alegria
    pelo dia dos pais, quero desejar a vc que é
    Pai ou tem um Maravilhoso, toda felicidade
    Parabenizar ou elogiar o que vemos de melhor
    e deixar nossa amizade mais firme
    Deixo um abraço carinhoso
    Bjuss
    Rita!!!!

    ResponderEliminar
  33. Boa noite, Jorge

    Belo e misterioso, nas pontas dos cabelos se misturam com o mirante ao olhar, sem medo da velhice chegar, contando os fios narrando como se fosse um grande despertar.

    Beijos e um bom domingo

    ResponderEliminar
  34. Obrigada querido Jorge por responder.
    Bom final de semana
    Beijos

    ResponderEliminar
  35. Jorgíssimo
    Passei por aqui para te desejar um Feliz Dia dos Pais, mas parece-me que em cada país tem uma data distinta. Mesmo assim te parabenizo por ser também pai.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  36. Gostei particularmente da parte: "...mas a esperança continua a ser deus...", dizem que a esperança é perigosa, pois pode se transformar em frustração lá na frente, discordo, o ser humano precisa dessa ferramenta para sonhar, planejar, correr atrás de seus objetivos e ideais, ter esperanças e sonhar nos mantém vivos, com objetivos, quem não tem esperanças não vive, vegeta. Lindo texto.

    Jorge, te desejo um feliz dia dos pais, não sei ai em Portugal, mas aqui no Brasil comemoramos no segundo domingo de Agosto esse dia.

    Ah sim, gostaria de fazer uma entrevista contigo para o meu blog, caso vc aceite, te mando por e-mail essa semana, e te envio as orientações todas, e ai, topas?

    Abração pra ti.

    ResponderEliminar
  37. "mas a esperança continua a ser deus"!
    pobre de mim que não tenho fé.
    Beijoss

    ResponderEliminar
  38. gostava tanto de acordar todos os dias para um céu azul...

    beijinho grande, querido amigo!
    p.s. não me canso de ouvir a música :-) não conhecia

    ResponderEliminar
  39. ah, se eu pudesse falar da saudade...

    não sei como cheguei aqui hoje, mas tudo o que eu precisava ler está aqui. Todas as palavras, os silêncios, as peles, as sensações... todos os arrepios que sempre me percorrem.

    saudade é palavra que não tem tamanho, Jorginho!
    com toda a minha admiração, com todo o meu afeto, amigo querido, um imenso abraço.

    ResponderEliminar
  40. que lindo que lindo que lindo
    que delícia poder ler tudo de novo nesta viagem de luz e sombra, não tira ele mais daqui não, Jorge
    que prazer, uma sensação muito boa, boa boa e muito de boa adoro amo

    grande beijo e abraços, sempre querido Jorge e o bom de tudo

    ResponderEliminar
  41. hoje. bordando num tule com fios coloridos. e pendurando cristais de oferendas

    sem tocar
    o vento

    fez um silêncio de lembrar

    uma distância [desenhada] de tempo. saudade.

    bj

    ResponderEliminar
  42. Jorge, saudades tenho na ponta das madeixas em ler-te.

    Priscila Cáliga

    ResponderEliminar
  43. Muito feliz quando te vi ao lado do Bispo e do Roberto Lima em Braga!
    Sempre um presente te ler!
    beijo...

    Ma Ferreira

    ResponderEliminar
  44. Quantas saudades de um querido amigo e do grande poeta. Desejo que tenhas uma Natal abençoado e feliz junto aos seus!

    Que bom que sua "casa" continua de portas abertas para virmos matar a nossa sede e beber de suas emoções em letras.

    Beijos, Jorge

    ResponderEliminar